Quem somos - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Feliciano Greshake

* 14.03.1901               †10.11.2000

O nosso querido e estimado “sênior” da Província faleceu no dia 10 de novembro, por volta das 07:30 h, em Rodeio. Segundo relato dos confrades, há umas três semanas ele esteve internado no Hospital S. Isabel, em Blumenau, para a troca do marca-passo cardíaco. Permaneceu no hospital durante uma semana, para acompanhamento e adaptação. Há aproximadamente 15 dias retornou ao Noviciado, e já não era mais o mesmo. Perdeu bastante do que restava da memória e também da coordenação motora. Passava quase toda a noite em claro. Só se alimentava com a ajuda de alguém, recebendo a comida na boca. Curiosamente, na véspera, pela primeira vez, falou sobre a sua morte eminente.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO!!! E vinha se achegando Frei Feliciano, de cadeira de rodas, auxiliado sempre por um confrade, nos encontros da Fraternidade. A voz firme e cadenciada pronunciava com perfeição cada palavra desta invocação como que refletindo o Mistério do Crucificado na sua vida. Ai daquele que não respondesse um “PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!!” à altura do locutor: “Está fraco, vamos, repitam: LOUVADO… Gostava também de ouvir músicas em alemão, que os noviços faziam questão de recordar. Frei Feliciano regia com o dedo polegar. Greshake era seu sobrenome, contudo, surgiam outras pronúncias, que aliás, o tiravam do sério. O zelo pelos detalhes e a pontualidade o autenticaram como um tradicional germânico, embora afirmasse ser mais brasileiro que alemão.

Assim, Frei Feliciano caminhava para celebrar o seu centésimo ano de vida; um século, ocasião que o tornaria um “padre secular”, o que deixava-o irritado. Fazia questão de salientar que era religioso franciscano, e explicava com paciência e doçura a diferença.

No dia-a-dia ficava em sua cela atendendo as pessoas que a ele acorriam para bênçãos e confissões e, ainda, animando os noviços com seu espírito jovial.

Aos poucos Frei Feliciano foi se sentindo mais cansado que de costume e levantando suspeitas dos confrades. Era o marca-passo que já não conseguia acompanhar a insistência do nosso velhinho. Os intervalos entre as crises foram diminuindo até que foi encaminhado ao Hospital Santa Isabel, em Blumenau, para substituição do marca-passo. Retornou para o convento mas já não era o mesmo. Os cuidados foram redobrados. Na véspera de sua morte disse, pela primeira vez, a um confrade que desejaria morrer.

Na manhã do dia 10 de novembro, sexta-feira, foi encontrado serenamente morto. O mestre Frei Valdir e metade da turma dos noviços estavam ausentes naquela semana, vivendo a experiência do Eremitério. O guardião Frei Olivo e os demais que estavam em casa tomaram as primeiras providências. Frei Edgar foi incumbido de avisar os parentes na Alemanha. O velório, na Igreja, transcorreu durante aquele dia e a noite toda. Dia 11, às 9:00 h, foi concelebrada a missa de corpo presente, presidida pelo bispo diocesano Dom José Balestieri, confrades, padres da região, contando com a significativa presença do povo rodeense, religiosas e noviços. A homilia foi proferida pelo Frei Pascoal Fusinato, companheiro de Frei Feliciano há alguns anos, testemunhando alguns fatos acontecidos, além, é claro, de uns bons “Fioretti”. Fizeram uso da palavra Dom José, Frei Olivo e Padre Bona, salesiano de Ascurra.

Dom José contou-nos que, na véspera do falecimento de Frei Feliciano, havia avisado o coordenador de pastoral da Diocese que reservasse na edição do jornal diocesano de março-2001, a primeira reportagem sobre os 100 anos de Frei Feliciano, acontecimento único na história da Igreja de Rio do Sul. No outro dia veio o telefonema com a notícia da morte. Dom José, muito inspirado, disse ler neste acontecimento as palavras de Deus: “Vocês tiveram 99 anos para celebrar com Frei Feliciano, o centésimo é meu”.

Após a Missa aconteceram as despedidas e o sepultamento. Frei Olivo conduziu as últimas orações junto à sepultura. Antes de proceder o sepultamento, tornou sua a aclamação preferida de Frei Feliciano:

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR, JESUS CRISTO!!! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Dados Pessoais

Nascimento: 14/03/1901 (99 anos)
Natural: Münster – Alemanha
Nome de batismo: Anton Maria Josef Greshake
março de 1925: Ingressou em Garnstock
09/02/1927: Chegou ao Brasil (73 anos de Brasil)
1927: Seminário de Rio Negro – PR
26/01/1928: Admissão ao noviciado – Rodeio, (72 anos de V. Franc.)
28/01/1929: 1ª Profissão
28/01/1932: Profissão Solene
21/12/1933: Ordem Sacerdotal – (67 anos de sac.)

Atividades na Evangelização

1934 – 1939: Vice-mestre dos Noviços, Rodeio – SC.
1940: Vice-mestre dos Irmãos em Rio Negro – PR.
1941 – 1945: Vice-mestre dos Noviços, Rodeio – SC.
1946 – 1958: Vigário paroquial, vigário da casa, mestre dos irmãos, Pari – São Paulo.
1959 – 1964: Superior em Nilópolis; procurador da União Missionária Franciscana e Procurador das Vocações.
1965 – julho/1982: Missionário no Chile.
Agosto/1982 – janeiro/1994: Vigário Paroquial em Blumenau – SC.
Fevereiro/1994 – 2000: Atendente no Convento em Rodeio – SC.

Free Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
free download udemy paid course
download huawei firmware
Download WordPress Themes
download udemy paid course for free
ACESSE A LISTA COMPLETA DE FRADES FALECIDOS