Quem somos - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Quirino Adolfo Schmitz

* 22.11.1918              †20.07.2007

A Diocese de Teófilo Otoni, através do seu Bispo Diocesano dom Frei Diogo Reesink – OFM, comunica, com pesar, o falecimento, nesta madrugada, do querido Bispo Emérito desta Igreja Dom Quirino Adolfo Schmitz-OFM. Foram 12 dias de luta contra a doença, mantendo sempre acessa a fé. Aos 88 anos de idade o “Pastor Inquieto” descansa em paz. Seu sepultamento será na Catedral, após a Missa de corpo presente, às 17 horas.

Dom Frei Diogo Reesink-OFM
Bispo Diocesano de Teófilo Otoni

O FRADE E O PASTOR

Quirino, filho de João José Schmitz e Catarina Moser Schmitz nasceu em Gaspar, SC a 22.11.1918, e, recebeu o Batismo três dias depois. Franciscano desde 1937, foi ordenado padre, em Petrópolis-RJ a 28.11.1943, pelo Bispo de Niterói, Dom José Pereira Alves.

Como frade, suas principais atividades foram: o Colégio Bom Jesus, em Curitiba-PR; o Colégio Diocesano, em Lages-SC; a Paróquia e o Colégio Santo Antônio do Pari, em São Paulo, cidade em que, com a ajuda de um carro-capela, iniciou a “Missão Volante do Evangelho”. Por último, dirigiu o “Missionskolleg Garnstock, na Bélgica.

A 22.12.1960 foi nomeado o primeiro bispo de Teófilo Otoni-MG pelo Papa João XIII, e ordenado a 25.04.1961 pelo Núncio Apostólico, Dom Armando Lombardi, e os Bispos Dom Gregório Warmeling e Dom Carlos Schmitt.

De 1962 a 1965 participou, em Roma, do Concílio Vaticano II e, em 1979, da Conferência de Puebla, no México.

Como Bispo de Teófilo Otoni, procurou dar feição à Igreja local, descobrindo e aceitando novos caminhos para a salvação do povo, num estilo missionário que marcou suas visitas pastorais. Foi pioneiro na implantação da Pastoral da Crisma. Conduziu por 24 anos a renovação da sua Igreja à luz do Vaticano II e sustentou a implementação das opções de Puebla na diocese. Acolheu e incentivou a presença dos movimentos populares. Querendo deixar pastores para o seu povo, teve no Seminário a sua preocupação primordial, fazendo brotar as vocações do próprio solo da diocese.

Já bispo emérito, viajou para a Terra Santa, onde começou a preparar o seu livro “Eu vi Jesus de Nazaré”, publicado pela Editora Vozes. De volta ao Brasil, viveu alguns meses no Convento da Penha, em Vila Velha-ES. Depois foi morar em Curitiba, onde criou a Telebênção, serviço religioso telefônico. Em 1990, passou a ser Capelão das Irmãs Clarissas no Mosteiro Santa Clara, em Nova Iguaçu-RJ. Foi lá que Dom Waldemar Chaves de Araújo foi buscá-lo de volta à Diocese de Teófilo Otoni.

Dados Pessoais

• Nascimento: 22/11/1918
• Recebeu o hábito franciscano: 18/12/1937
• 1ª Profissão: 19/12/1938
• Profissão Solene: 19/12/1941
• Ordenação Presbiteral: 28/11/1943
• Ordenação Episcopal: 25/04/1961
Transferências:
• Curitiba: 22/01/1945 – diretor do Colégio Bom Jesus
• Lages: 13/01/1953 – professor
• São Paulo (Pari): 27/01/1956 – guardião, pároco, procurador vocacional
• Garnstock (Bélgica) – guardião, reitor do Colégio.
• 22/12/1960: nomeado primeiro bispo residencial de Teófilo Otoni, MG.
• 25/04/1961: ordenado bispo em Gaspar, SC, pelo Núncio Apostólico Dom Armando Lombardi. Tomou posse da Diocese no dia 4 de junho de 1961.
• 31/07/1985: renúncia ao Episcopado. Fixou residência em Vila Velha, ES, até 1987, quando transferiu-se para o Convento Bom Jesus, em Curitiba, onde permaneceu até 1990.
• 1991: Mosteiro Santa Clara – Nova Iguaçu, RJ;
• 1992: Convento Santo Antônio, no Rio de Janeiro;
• Final de 1992: retorno a Teófilo Otoni – atendimento à Casa de Oração e Recanto Frei Dimas (Lar de Idosos), residindo na casa do Bispo atual Dom Diogo Reesink, OFM.


Meu recado final

 Dom Frei Quirino Schmitz

“Percebo, sempre mais, que se aproxima o fim da segunda etapa de minha vida. A primeira foi de nove meses, no seio de minha mãe. A terceira, última e definitiva, terá início após a dolorosa despedida desta Terra. A esta, segue o viver pleno e total na luz da glória, face a face com o Pai, o Filho e o Espírito Santo, em companhia de todos os santos e anjos de Deus (Cf. 1Cor 13,12 e 1Jo 3,2).

Chamado à Profissão Religiosa na Ordem dos Frades Menores, em 1938, renunciei mesmo à herança paterna. Desde então, procurei colocar-me à disposição do Reino de Deus, segundo a norma do Evangelho (Cf. Mc 10,17-30). Nomeado Bispo pelo Papa João XXIII, em 1960, escolhi como lema aquilo que São Francisco de Assis queria: Viver o Evangelho. Eu o traduzi por Evangelio Inbaerere, ou seja, quero estar “comprometido com o Evangelho”.

Comprado por um preço muito alto, isto é, o sangue de Jesus (Cf. 1Pd 1,09), sei que o Pai me ama sem medida. Feito conviva diário da mesa do Corpo e do Sangue do Senhor, eu sentia que a vida de Deus recebida no Batismo se robustecia em mim. É esta a garantia da minha ressurreição gloriosa (Cf. Jô 6,54-58). Confio na bondade do Pai e não em algum mérito meu. De minha parte, só tenho a lamentar fraquezas e pecados, como nervosismos no trabalho pastoral.

O Espírito Santo, prometido por Jesus, foi enviado pelo Pai para ficar eternamente conosco (Cf. Jô 14,16). A Seu sopro restaurador procurei expor-me cada dia, e peço que todos o façam, orando comigo: Ó Espírito Santo, eu Vos adoro presente em mim. Sois vida e luz! Alumiai-me, guiai-me, consolai-me, defendei-me, renovai todo o meu ser. Ensinai-me a saborear a Palavra do Pai, que é o próprio Jesus. Nos momentos de indecisão, dai-me ordens: prometo obedecer! Para o bem das comunidades, multiplicai os servidores da Palavra e do Pão.

Alegro-me com a intercessão de Maria, a Mãe de Jesus. A ela confiei, logo no início, o meu ministério sacerdotal.

Sinto-me profundamente ligado à vida desta segunda etapa da minha existência. Aceito, porém, prontamente, o chamado do Pai. Assim agindo, penso tornar mais preciosos aos olhos de Deus os sofrimentos da despedida, e mais radiante o meu encontro com Ele.

Peço perdão aos que, por acaso, tenha magoado. De minha parte, também perdôo àqueles que tentaram ferir-me no exercício da minha missão de pastor. Rogo-lhes, porém, que deponham as armas da incompreensão, como o fez Paulo, quando ainda perseguia a Igreja de Deus (Cf. At 9,1-6 e 1Cor 15,9). Eu lhes suplico que aceitem a Igreja, que deve ser a encarnação de Jesus na vida do povo de hoje.

A todos deixo um abraço fraterno, muito especialmente aos padres e ao Bispo da diocese de Teófilo Otoni e a todas as pessoas consagradas à vida religiosa.

Aos confrades franciscanos e aos meus familiares desejo Paz e Bem.

(Dom Frei Quirino faleceu no dia 20 de julho)

Do livro “Pastor Inquieto” de Dom Quirino Schmitz, pp.229-230, 2005, Ed. Santuário

Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
download udemy paid course for free
download intex firmware
Premium WordPress Themes Download
lynda course free download
ACESSE A LISTA COMPLETA DE FRADES FALECIDOS