Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Santa Maria do Monte Carmelo

15/07/2019

carmo_150718

“La Bruna”- mais antiga imagem mariana adotada pelos carmelitas (ícone do Carmelo)

Maria Suzana F. A. Macedo[1]

Diz a letra da música de Roberto Carlos: “todas as Nossas Senhoras são a mesma Mãe de Deus”. Sabemos que é verdade, pois, mesmo tendo recebido muitos títulos, Maria é uma só e hoje vamos refletir um pouco sobre a Mãe de Deus em seu título de Santa Maria do monte Carmelo ou como é mais conhecida, Nossa Senhora do Carmo.

Ordem do Carmo

16 de julho é o dia dedicado a Nossa Senhora do Carmo. Mas, por que esse título e essa data? De acordo com o carmelita Valentino Macca[2] o título faz referência ao monte da Galileia que está ligado à origem da Ordem do Carmo ou Carmelita. A referência é, pois, uma indicação geográfica. Além disso, a tradição aponta uma ligação espiritual entre a cadeia montanhosa do Carmelo com o profeta Elias e isto está assinalado no nome com que os árabes a designam: Gebel Mar Elyas. Foi neste lugar, próximo onde havia uma igrejinha dedicada a Nossa Senhora, que alguns peregrinos ocidentais iniciam, na segunda metade do século XII, uma experiência eremítica, muitos eram, provavelmente, cruzados e andarilhos. Logo passam a ser chamados de “irmãos do Carmelo” e recebem do patriarca de Jerusalém, Alberto Avogadro, a vitæ formula (a Regra de vida).

Quando os muçulmanos dominam a região, por volta do século XIII, esse grupo de “irmãos” eremitas volta para o Ocidente e passa à denominação de Ordem de Santa Maria do Monte Carmelo. Este título, assinala Macca, aparece pela primeira vez em um documento pontifício de Inocêncio IV, datado de 13 de janeiro de 1252. A Ordem é mariana e os irmãos se colocavam, totalmente, a serviço de Nossa Senhora, a Padroeira da Ordem, aquela que assumia o primeiro lugar no Carmelo, dentre os irmãos e a quem deveriam imitar.

[…] a Virgem venerada, contemplada pelos seus “irmãos” e por todos os que depois participarão da vida deles (religiosas, “confrades”, terciários), ocupa o centro da experiência espiritual do grupo estabelecido e constituído na Terra Santa com o fim da perfeição evangélica em solidão contemplativa centralizada, como a vida de Maria de Nazaré, na oração contínua e na escuta da palavra, em clima de simplicidade, pobreza e trabalho[3].

Muitas lendas surgiram sobre a Virgem do Carmo, mas os “irmãos” acentuam a figura da Mãe de Jesus, Maria de Nazaré, como é vista nos Evangelhos e aí se apresentam os aspectos da maternidade divina, da virgindade, da imaculada conceição e da anunciação. Eles a tem como inspiradora, guia, senhora da sua vida, na guarda da palavra e na orientação para o serviço de Cristo[4]. Também o profeta Elias é considerado o inspirador da formação da ordem do Carmo.

Com o objetivo de lembrar e agradecer os benefícios que o Carmelo recebia de Maria e exaltar a Padroeira, os carmelitas celebravam, semanalmente, “a comemoração litúrgica de Maria” o que, mais tarde, por volta da segunda metade do século XIV, passa a ser comemorado na Inglaterra como memória solene da Bem-aventurada Virgem Maria.

A princípio, a festa acontecia em 17 de julho, que de acordo com Macca poderia estar relacionada com o fim do II Concílio de Lyon (1274). Isto porque Bonifácio VII, em 1298 (24 anos depois) entendeu que tal concílio havia aprovado a Ordem. O que foi um engano de interpretação. Depois a data festiva foi antecipada para dia 16 de julho, em fins do século XV, data da “visão” de São Simão Stock. Mais tarde, Bento XIII estendeu a festa a toda a Igreja, conservada como “memória facultativa”, conforme calendário litúrgico renovado, requerido pelo Vaticano II[5].

São Simão Stock e o dom do Escapulário

A visão de São Simão Stock, acontecida em 16 de julho de 1251, está relatada no Catálogo dos santos carmelitas. Os manuscritos mais antigos são posteriores a 1411.

Na forma considerada como a mais antiga, o Catálogo diz simplesmente que certo “Simão, de nacionalidade inglesa, nas suas orações pedia sempre a Virgem um privilégio para a sua ordem. E a Virgem gloriosa apareceu a ele, trazendo nas mãos o escapulário e dizendo-lhe: ‘Este será o privilégio para ti e para os teus. Quem morrer vestido com ele se salvará’”[6].

Mais tarde uma redação mais longa atribuirá o sobrenome “Stock” a Simão. Não se tem certeza de que seja a mesma pessoa, contudo, a “festa do hábito” já estará difundida, no século XVI. O escapulário é sinal de devoção à Virgem e de sua proteção na hora da morte. Muitos fiéis se uniam à ordem como confrades, também na Itália e Espanha.

Outro fato que acabou atraindo mais pessoas para a ordem foi a “Bula Sabatina” de João XXII, no ano de 1322. Ele teria tido uma visão da Virgem que prometera a libertação do purgatório no primeiro sábado depois da morte, aos carmelitas e confrades da ordem que tivessem feito a observância da castidade, orações e o uso do hábito do Carmelo[7]. Além disso, a difusão das duas visões e as respectivas promessas da Virgem aumentaram a devoção a Nossa Senhora do Carmo.

Quem usa o escapulário, “deve sentir-se comprometido com uma especial dedicação à Virgem, com seu culto, com a sua imitação” que estão presentes na vocação carmelita, e associa-se, de certa maneira aos irmãos do Carmelo. Assim, Pio XII, em 1950, afirma que aquele que usa o escapulário deve fazer com que ele se torne “memorial de Nossa Senhora, espelho de humildade e de castidade, breviário de modéstia e de simplicidade, eloquente expressão simbólica da oração de invocação do auxílio divino”.

É preciso assinalar que a comemoração da memória de Santa Maria do Monte Carmelo deve levar cada devoto a trilhar, com ela, o caminho do monte sagrado que é o próprio Cristo. Lembrando que Maria de Nazaré, mulher pobre e humilde, de uma cidadezinha pouco conhecida, percorreu o caminho de Jesus, tornando-se sua primeira e mais perfeita discípula. É esta Santa Maria que os Carmelitas nos ensinam a imitar.

A Mãe do Filho de Deus é Mãe de todos os homens e mulheres, na ordem da graça e, com seu auxílio cada cristão pode, como ela mesma fez, receber, acolher e guardar a palavra e consentir que Jesus possa nascer em cada coração, em cada irmão e na comunidade eclesial.

Nossa Senhora do Carmo: Rogai por nós, seus filhos e filhas, amém! 

[1] Professora no Instituto Teológico Franciscano, Petrópolis, RJ. Doutora, Mestre e Especialista em Ciência da Religião pela Universidade Federal de Juiz de Fora, MG (UFJF). Graduada em Teologia pelo Instituto Teológico Franciscano de Petrópolis, RJ (ITF). Cursa a Especialização em Mariologia na AMA/Faculdade Dehoniana, SP. Integra grupo de pesquisa sobre a Teologia da Hospitalidade do Istituto di Studi Ecumenici (ISE), Veneza, Itália. Associada à SOTER. Associada à Academia Marial de Aparecida. E-mail: suzanamacedo@gmail.com

[2] MACCA, Valentino. In: DE FIORES, Stefano; MEO, Salvatore (Dir.). Dicionário de Mariologia. São Paulo: Paulus, 1995. Verbete: Carmelo, p. 262-265.

[3] MACCA, Valentino. Op. cit., p. 262.

[4] Idem, p. 263.

[5] Idem, p. 264.

[6] MACCA, Valentino. Op. cit., p. 264.

[7] O hábito constava de um manto e pouco a pouco passou a ser entendido apenas como “escapulário”. Hoje, o escapulário é como um “pequeno hábito” que se veste: um cordão com uma pequena estampa quadrada de cada lado, uma com a imagem de Nossa Senhora do Carmo, outra com a de Jesus Cristo.

Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Nulled WordPress Themes
lynda course free download
download xiomi firmware
Premium WordPress Themes Download
udemy free download