Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

De nada apropriar-se

30/09/2016

franciscanamente_200916g

Foto: Chuck Hantis

Frei Almir Guimarães

Continuamos nossa reflexão sobre o tema da pobreza que o Pai Francisco assumiu como ponto fundamental de seu seguimento de Cristo.

“Seu amor por mim
humilhou sua grandeza.
Ele se fez semelhante a mim
para que eu possa revestir-me dele.
Ao vê-lo não tive medo
porque ele é misericórdia para mim.
Assumiu a minha natureza
para que eu o compreenda,
assumiu o meu rosto
para que eu não me afaste dele.”

Texto judeu de um cristão do Séc.II

Para o Poverello, o despojamento das coisas e dos bens significa, paralelamente, ter apego profundo ao Senhor, que é rico para todos que o invocam (cf. Rm 10,12). Na medida em que mais e mais nos ligamos ao Senhor vivo, ressuscitado, presente perto de nós, na mesma medida nos distanciamos do que não seja Ele. O despojamento dos bens acontece quando o homem encontra o tesouro, a pérola preciosa capaz de satisfazer seus desejos. É a pobreza constitutiva da vocação do peregrino que vive o êxodo pascal rumo aos bens do Reino. Trata-se de dimensão essencial da itinerância franciscana.

Aos pobres, o Evangelho reserva a herança da glória. Por isso, a pobreza de Francisco é alegre. Acolhe um inestimável tesouro que permite relativizar todos os bens, sem desprezá-los. A alguém que havia manifestado o desejo de viver com ele, Francisco responde: “Se queres juntar-te aos pobres de Deus, distribui antes teus bens aos pobres” (2Cel 81).

Sabe ele que somente aquele que tiver um coração de pobre, livre de tudo e de si mesmo, pode conseguir as riquezas de Deus. Um coração que se apega a bens corre risco de viver um fechamento interior. O homem do Evangelho deseja ter sempre desimpedidas as portas do interior para poder receber o Senhor. Ele e seus irmãos almejam que o desejo de Deus não venha a se extinguir por apegos. A pobreza sociológica não é a primeira em seus escritos, mas aquela que se define como desapropriação, pobreza espiritual.

A desapropriação de si, o despojamento do ego, é a forma de pobreza que volta sempre de novo em seus escritos. De nada se apropriar. Nada atribuir a si. Isto não apenas no plano material, mas no nível de capacidades intelectuais, morais e em termos de apostolado. Nada temos de próprio, a não ser nossos vícios e pecados. Tudo nos é dado para servir à glória de Deus e ao bem dos outros. Somos seres que acolhemos riquezas que precisam ser distribuídas. Nada de acumulações estéreis e esterelizantes.

A desapropriação é o primeiro critério, para saber, se o homem é, na verdade, animado pelo Espírito: “Assim se pode conhecer se o servo de Deus tem o espírito do Senhor: se seu eu não se exaltar quando realizar por meio dele algum bem – mas antes se considerar o mais desprezível e se avaliar como menor que todos os outros homens” (Adm XII). Reencontramos eco de São Paulo para quem o pecado essencialmente do homem carnal, voltado sobre si mesmo, que reivindica autonomia absoluta, quando na verdade não pode gloriar-se de nada, tanto na ordem natural quanto no plano da salvação. Tudo é graça.

Francisco não tira os olhos do exemplo de Cristo. Não pode conceber Jesus, o Filho único, rico de outra coisa que de seu Pai, seu bem, sua riqueza, sua alegria. O Pai está sempre nas palavras, nos gestos, nas preocupações, na oração do Filho. A pobreza/desapropriação é a atitude evangélica fundamental, a atitude do Filho diante do Pai.

Frei Almir Guimarães

Inspirado em Michel Hubaut,OFM
Chemins d’intériorité avec Saint Fraçois d’Assise
Éditions Franciscaines, Paris, 2012, p. 189-195

Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
free download udemy paid course
download redmi firmware
Download WordPress Themes Free
free download udemy course

Conteúdo Relacionado