Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Santo Inácio de Loyola, o peregrino

Santo Inácio de Loyola, o peregrino

“Até os vinte e seis anos de idade, Inácio tinha sido um homem entregue às vaidades do mundo. Tinha bastante prazer, sobretudo, no exercício de armas, com grande e vaidoso desejo de obter honra. Assim, estava ele na fortaleza de Pamplona atacada pelos franceses.” (Autobiografia, 1)

Lemos acima a descrição de um jovem comum, semelhante a muitos jovens nos dias de hoje. Sem desejos profundos, vivendo a rapidez do instante, a beleza da juventude, aspirando coisas banais: bens, prazeres, poder, fama. Se olharmos no Instagram, veremos muitos jovens parecidos com este descrito acima. Este jovem é Inácio de Loyola, santo cuja memória a Igreja celebra em 31 de julho.

Iñigo Lopez de Loyola, seu nome de batismo, nasceu em 1491. Era o filho de Marina e Beltão, o mais novo entre treze irmãos. Acredita-se que sua mãe morreu cedo, no seu nascimento ou quando ainda era muito jovem. Seu pai faleceu quando ele tinha 16 anos. Iñigo, que mais tarde se tornaria Inácio, não era bonito, nem tinha estatura. É provável que tivesse 1,58 de altura.

Viveu entre a realeza, pois era de família nobre. Entre os anos de 1506 e 1517, serviu no Palácio Real de Arévalo, onde vivia o Ministro do Tesouro Real, João Velásquez de Cuellar e Maria de Velasco, que eram parentes da família Loyola. Lá tornou-se mais culto, aprendeu as artes da cavalaria e das armas.

Em 1517, optou pela carreira militar. Foi prestar serviços a um outro parente, não menos importante, o duque de Najera e vice-rei de Navarra, o qual defendeu em várias batalhas, militares e diplomáticas.

Em 20 de maio de 1521, uma bala de canhão mudou sua vida. Foi ferido na tíbia da perna esquerda durante a batalha de Pamplona. Como os ossos foram mal colocados, recomendaram-lhe então para que ficasse com uma aparência melhor, quebrar novamente os ossos. Inácio, que era muito vaidoso, aprovou a “carnificina”, como escreve em sua autobiografia. Mesmo com a tentativa, Santo Inácio ficou a vida toda com uma perna menor que a outra.

Durante sua recuperação, ficou um longo tempo em convalescença na casa de seus familiares. Como não havia romances de cavalaria para ler, deram-lhe dois livros: A vida de Cristo e A vida dos santos. Conforme ia lendo, afeiçoava-se àqueles grandes feitos de São Francisco de Assis, São Domingos de Gusmão entre outros. Santo Inácio não pensava em fazer a mesma coisa que fizeram os grandes santos da Igreja: ele queria fazer melhor que eles!

Terminado seu período de convalescência, Inácio vai a Montserrat, despir-se literalmente do homem velho. Ali ele deixa as roupas nobres e faz uma vigília de armas, um gesto simbólico daquele que deixa a vida de cavaleiro e se reveste das armas de Cristo.

Assim começa a aventura humana e espiritual de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus.

Atualmente, um outro jesuíta desperta o interesse da Igreja e da sociedade: o Papa Francisco. Seu pontificado, iniciado em 13 de março de 2013, apresenta vários aspectos ligados à espiritualidade inaciana. Quando pode, o Papa se reúne com os jesuítas, sobretudo nas grandes festas litúrgicas da Companhia de Jesus. Um fato chama a atenção: quando se refere aos jesuítas, ele usa o “nós”. Um Papa que nunca deixará seus “amigos no Senhor”.


Acompanhe neste Especial alguns textos escolhidos sobre a vida de Santo Inácio, sobre os Exercícios Espirituais e o Papa Francisco.

Etapas da peregrinação

Loyola

Convalescente em sua casa, devido à ferida que recebera durante a defesa de Pamplona contra os franceses, e desejando “algo” que o entretivesse, na falta de outra coisa, foi-lhe dado para leitura a Vita Christi e Flos Sanctorum. A leitura destes dois livros foi o ponto de partida no seu processo de conversão a Cristo.

Nos prólogos de ambos os livros, o ideal de santidade é apresentado como uma empresa heroica de imitação “do eterno Príncipe Cristo Jesus”, rodeado pelos santos como seus “cavaleiros” imitadores. Inácio se pôs a discernir em si mesmo os efeitos da leitura e começou a se sentir atraído pelo ideal de serviço à pessoa de Jesus Cristo. O que caracteriza esta primeira etapa espiritual, segundo a Autobiografia, é o descobrimento da luta de espíritos que revelava o sentido a sua condição de pecador, de sua convivência com o mal e da necessidade de uma transformação radical de vida. O discernimento dos espíritos será a sua primeira experiência religiosa.

Neste primeiro momento da conversão de Inácio, o Cristo se revela como o seu Senhor e Chefe; ao mesmo tempo, esse encontro com Cristo o fez experimentar que sua existência era equivocada, irreal, vazia. Sente a necessidade de uma profunda mudança. A leitura da vida dos santos excita a sua vontade e provoca nele um extremo desejo de fazer “grandes coisas”; os exemplos dos santos apresentam atitudes concretas de resposta do “cavaleiro” que escolhe livremente o “serviço notável” de seu Senhor. Já desde o primeiro instante de sua nova vida, uma ideia o absorve: é o “serviço de Deus”; “com grandes desejos de servi-lo em tudo o que conhecesse ser sua vontade”; a beleza do firmamento o inspira a um vivo desejo de “servir ao nosso Senhor”; “embora não tivesse ciência de assuntos espirituais, contudo ao falar mostrava muito fervor e muita vontade de progredir no serviço de Deus”. Mas Inácio concebia seu serviço em função das ideias que havia tirado de suas leituras: desejava imitar os santos. São justamente as “coisas difíceis e grandes”, realizadas pelos santos, que o fascinavam; logo desejava ardentemente fazer o mesmo: “pensava nas façanhas que havia de fazer por amor de Deus”.

Reconhecendo-se sem experiência na vida espiritual, vai tomar como norma de vida a imitação dos santos, limitando-se a realizar automática e repetitivamente o que eles fizeram, sobretudo no que se refere a austeridades extremas: solidão, disciplina, jejuns e penitências.

Seu primeiro ideal de santidade era viver sempre em penitência. Todos os outros propósitos que fez foram só uma execução mais concreta desta decisão fundamental. Seu primeiro propósito prático: começaria por uma peregrinação a Jerusalém. Também as considerações sobre o que faria quando regressasse da Terra Santa estavam determinadas pelo pensamento da penitência.

Embora, neste primeiro momento, a perspectiva de grandes penitências e a ideia de peregrinar atraíssem Inácio muito mais que o ideal apostólico, Loyola continua sendo o cenário de uma conversão radical que dá já ao Peregrino um coração generoso e inflamado em Deus. Trata-se de uma etapa preparatória, que lança as bases de uma vida espiritual que vai se estruturando ao longo de sua vida.

Mas a via que escolhe, atraído pelo exemplo dos santos, estava ainda distante do “quero” eficaz. Confiando puramente no esforço humano e na ação voluntária, Inácio dá ênfase aos projetos que partem de sua própria iniciativa, quer agir por si mesmo, “conquistar” sua salvação, buscando, às vezes, forçar a mão de Deus. Sua vontade era joguete dos seus próprios pensamentos. Em sua resposta ao desejo profundo de servir a Deus, falta uma atitude de docilidade mais profunda e iluminada, à ação da graça, o qual exige a inteira entrega de si mesmo a Deus, a autêntica pobreza evangélica; a busca da honra continua sendo uma tentação permanente (inclusive os modelos de santo que admira são os mais apreciados por sua sociedade); sua generosidade para com o Senhor é ainda muito ostentatória.

Mas Deus, fiel à sua pedagogia, ensinará ao convertido de Loyola, através dos futuros acontecimentos, a entregar-se à sua ação.

Manresa

Terminada sua convalescença, Inácio parte a caminho de Jerusalém. Depois de uma “vigília de armas” em Montserrat, detém-se em Manresa, à espera de poder embarcar em Barcelona para a Itália e a Palestina. Passada uma primeira etapa difícil, de intensa luta anterior, de escrúpulos, obscuridades…, seguiu-se um segundo período de iluminação interior extraordinária e de maturação definitiva em sua nova vida, culminando na visão que tivera junto ao rio Cardoner.

O conteúdo objetivo das grandes iluminações de Manresa se situa exatamente na linha de continuidade e de progresso das experiências espirituais vividas por Inácio em sua casa-torre: no centro está Jesus Cristo, mediador da Revelação e fundamento de Salvação. Mas em Manresa, Jesus Cristo não é mais visto por Inácio como alguém distante e isolado. Inácio contempla Cristo dentro da Trindade e através de sua ação criadora. Cristo é o “Filho Mediador” que conduz os homens ao Pai, Ele é o Senhor de todas as coisas, que se revela como o Rei vivo e operante, e que ainda não terminou a sua missão recebida do Pai de instaurar seu Reino por todo o mundo. “Minha vontade é conquistar o mundo todo e todos os inimigos, e assim entrar na glória de meu Pai” (EE 95). Para levar a termo tal missão, Jesus não trabalha sozinho, busca homens generosos e amigos íntimos, convidando-os a tomar parte de sua campanha.

Respondendo ao chamado, Inácio incorpora-se definitivamente a Cristo como colaborador com Ele na tarefa de anunciar a mensagem evangélica. O decisivamente novo na sua vida, em Manresa, é justamente a apresentação de uma nova imagem de Cristo, encontrada nas duas contemplações centrais dos Exercícios Espirituais: a do “chamamento de Cristo” e a das “Duas Bandeiras”. Com isso, podemos perceber que a grande iluminação do Cardoner foi uma graça eminentemente ativa, ou seja, Inácio não só adquire uma mentalidade nova e um “espírito” novo através da qual ele começa a ver Deus presente ativamente em todas as coisas, como também, a partir deste momento, há todo um programa, um ideal, um plano de vida que deve ser realizado de modo urgente. Certamente este plano não era tudo desde o primeiro instante, mas explita-se à medida que Inácio o realiza.

Estamos diante de uma nova etapa espiritual na vida de Inácio. Ele mesmo nos confessa que seus “Olhos interiores” se abriram. A “nova inteligência” que a visão do Cardoner lhe dá, Inácio a emprega para reestruturar sua vida, bem como reestruturar definitivamente a concepção que ele tinha de Deus, do homem e do mundo. Tal reconversão o faz transformar-se totalmente de homem solitário em homem solidário, de homem totalmente penitencial e contemplativo em homem ativo que elege a ação e o apostolado por Cristo, e muda por completo sua concepção de vida espiritual. Inácio passa da imitação ingênua dos santos ao seguimento de Cristo: o desejo cego de fazer “grandes coisas” se transforma em “querer mostrar maior afeição e distinguir-se no serviço total de seu Rei eterno e Senhor universal” (EE 97); o empenho de imitá-lo, repetindo os mesmos gestos dos santos, torna-se agora ardor apostólico, diminuindo a dureza das penitências, adaptando-as e subordinando-as à nova orientação apostólica; o desejo de solidão dá lugar ao encontro com as pessoas pela atividade apostólica; também a peregrinação à Terra Santa passa a ter uma dimensão apostólica. A ideia da viagem persiste, mas a finalidade agora é outra: ir trabalhar pela conversão dos turcos, cismáticos… Ao deliberar sobre o que fazer quando retornar, será ainda o mesmo desejo de “ajudar as almas” e de maneira mais eficaz que o levará a tomar o caminho das escolas e grandes universidades da Europa. De agora em diante, todas as suas decisões, pequenas ou grandes, serão tomadas sempre a partir de seu ideal apostólico.

Manresa significa também purificação de sua vontade, através de uma entrega verdadeiramente cristã, ordenada conforme os caminhos de Deus. Inácio alcança uma autêntica pobreza de espírito que o liberta de seu desejo ambicioso de confiar em si mesmo e em suas forças para conseguir a própria salvação. Abandona-se ao poder da graça e da misericórdia divinas, única fonte de salvação.

Jerusalém

A leitura atenta da vida de Jesus e a contemplação de seus mistérios moveram Inácio a deixar-se penetrar pela pessoa de Jesus: seu modo de ser, suas palavras, seus valores, sua visão de mundo, sua opção pelo Reino… O Cristo que Inácio quer conhecer para mais amá-lo e segui-lo é o Cristo que se encarnou; é o Cristo que, para realizar a Salvação de Deus, assumiu a condição humana, em um determinado lugar, tempo, povo… Por isso Inácio decidiu deslocar-se para o país onde Jesus vivera, para Jerusalém.

Inácio projeta fixar-se em Jerusalém e visitar os “lugares santos”, pretende viver em pobreza na terra de seu Senhor, visitar sem cessar os lugares santificados por sua presença, beijar e venerar até a disposição de seus pés, imprimir no seu coração os menores gestos, e, enfim, continuar a obra salvífica entre os infiéis, ali mesmo onde seu divino Rei anunciou sua Palavra, enviou seus apóstolos ao mundo, deu sua vida pelos homens…

Inácio encontra, em Jerusalém, muita devoção, alegria interna, oração com abundante consolação, sentimento de uma contínua presença em Cristo. Tudo isto nos indica como a figura de Cristo passa a ser central em sua vida, embora tal busca esteja ainda marcada pela literalidade, pelo imediato, pelo localizado.

Todavia, Deus é maior que todos os projetos de Inácio. Ele não consegue permanecer com o Cristo de Jerusalém, como ele havia programado, por mais de 15 dias; deve retomar o caminho de volta. Mas Jerusalém continuará presente no desejo sincero de conhecer sempre mais a Cristo, continuará presente no desejo evangélico de compartilhar com Jesus sua condição de perseguido e rechaçado. Inácio descobrirá que Jerusalém está um pouco por todas as partes. Começa a ver que a verdadeira proximidade de Jesus está em “fazer a vontade do Pai”, começa a perceber que a profundidade da pessoa de Jesus era e é mistério que só pode ser captado como dom de Deus (Lc 10,22), começa a dispor-se a seguir o Senhor ressuscitado que “vai adiante” (Mc 16,7) cuja proximidade é misteriosa e histórico-gratuita.

Após a primeira experiência de profunda pobreza, Inácio passa a viver agora mais estreitamente o mistério de humildade de Cristo, segundo degrau do programa das Duas Bandeiras (EE 146). Todo o período de retorno à Europa e de estudos nas universidades está sob o signo dos opróbrios de Jesus: preso, despojado de suas vestes, tomado por um louco, processos de acusação… Inácio vai encontrando uma nova Jerusalém no serviço aos mais fracos, aos famintos, pobres, doentes nos hospitais…

É significativo que o último lugar venerado por Inácio, e que ele leva como última recordação de Jerusalém, seja o lugar da Ascensão do Senhor, quando ele “deixa” a terra e envia os Apóstolos a anunciar o Evangelho a toda criatura e a ser testemunhas até os confins do mundo. Inácio deixa a Terra Santa como os Apóstolos; até o fim da vida ele será o peregrino de Cristo.

La Storta

A graça de La Storta se situa ao término de um longo itinerário espiritual, como o coroamento de uma longa espera. De fato, o dom que o Senhor fez a Inácio em La Storta está profundamente relacionado com a experiência espiritual de Manresa. Entre o Cardoner e La Storta (1522-1537), temos um período de quinze anos, cheio de peripécias e acontecimentos, que, para Inácio, significaram uma profunda maturação espiritual. Nesta época tão agitada de sua vida, chama a atenção seu incessante peregrinar. Inácio vive numa atitude de alguém que busca o caminho para um oferecimento mais completo de sua vida ao serviço de Cristo e dos homens. Ele reconhece que este oferecimento deve ser aceito pelo Pai para que possa ser frutífero. Na sua experiência, o Pai é a fonte única de todo bem e de toda graça. Daí a necessidade de uma constante petição ao Pai, por mediação de seu filho e de Maria: “para que eu seja recebido sob a sua bandeira” (EE 147). Esta atitude de oblação culminará em Paris com a consagração ao Senhor por meio dos votos e se aprofundará com a ordenação sacerdotal e a preparação para a primeira missa. Mas agora encontramos uma nova petição-chave que atrairá a atenção de Inácio: “preparando-se e rogando à Virgem que o quisesse por seu filho”. Esta frase expressa a aspiração de uma proximidade mais íntima com Jesus Cristo, a uma particularíssima interioridade com Ele.

La Storta é a resposta do Pai ao desejo de Inácio, despertado pela graça.

Inácio sente profundamente que sua votação é a de ser companheiro de Jesus e que a Trindade o aceita como seu servidor.

Como no Cardoner, Inácio tem a certeza de que se operou uma mudança profunda em seu interior: o Pai o uniu a Cristo de um modo especial.

Esta visão é a tomada de posse total, a conformação a Cristo na Cruz. Inácio é “posto” de modo particular “com” o Crucificado. A Cruz está no centro de sua espiritualidade.

Mas não se trata de uma mera associação extrínseca, Inácio se sente definitivamente admitido na intimidade do Pai e do Filho, na comunhão mais plena com Jesus Cristo; esta intimidade não terá uma dimensão meramente contemplativa, mas significará, sobretudo, intimidade de serviço apostólico. Servir será de agora em diante consagrar-se inteiramente à cooperação com a ação trinitária, como companheiro de Jesus, na pobreza, na humildade, na abnegação de si mesmo. Este serviço por amor se concretiza em serviço à Igreja, sob a autoridade do Vigário de Cristo.

Pe. Adroaldo Palaoro, sj

Dez razões para escolher Santo Inácio

Fiquei feliz quando soube que Santo Inácio estava entre as três opções de meu filho para seu santo de Crisma*. Eu queria que ele fizesse uma escolha justa, então com imparcialidade, indiquei para ele meus livros favoritos sobre espiritualidade inaciana e sites, além de oferecer uma cópia do filme de 2016, Inácio de Loyola.

Enquanto nos preparávamos para ver o filme, meus dois filhos adolescentes reclamavam sobre como gostariam de ver um filme de super-heróis. Sem muito interesse, eles se sentaram para assistir ao filme. Em alguns minutos, eles estavam totalmente absortos na história, e no fim do filme, eles perceberam que Santo Inácio também era um super-herói.

Juntos, nós descobrimos dez razões pelas quais Santo Inácio pode ser um santo escolhido para o Crisma ou, na verdade, um santo para qualquer pessoa que necessite de orientação e proteção.

1Ele tinha uma espada muito legal: É verdade. Ela está na pequena igreja do Sagrado Coração, em Barcelona. É muito bonita. Ter uma espada torna um santo uma pessoa mais “cool”.

2Ele foi uma pessoa real: Antes de tornar-se santo, “ele não era santo”, um fato mencionado no filme Santo Inácio de Loyola: soldado, pecador, santo. Alguns santos parecem perfeitos desde o nascimento – não é o caso de Inácio. Antes de desistir de sua vida de um nobre espanhol, Inácio foi um playboy e matou homens em batalhas. Estas imperfeições fazem dele alguém próximo a nós, que não somos santos.

3. Ele foi valente: Inácio demonstrou grande coragem ao longo de sua vida, desde seu tempo de soldado e sua recuperação na ferida da batalha de Pamplona, até sua apresentação diante da Inquisição e quando ele vai ao Papa pedir permissão para fundar a Companhia de Jesus.

4. Ele foi resiliente: Quando a bala de canhão atingiu a perna de Inácio, ele perdeu também seus sonhos e aspirações. Apesar de ficar inicialmente devastado, ele não ficou derrotado. Ele teve capacidade de adaptação diante da adversidade.

5. Ele foi perseverante: Muitas pessoas teriam perdido o desejo de compartilhar sua fé depois de ser interrogado três vezes pela Inquisição. Inácio, no entanto, permaneceu fiel à suas convicções e manteve-se decidido nestes julgamentos.

6. Ele foi determinado: Em tudo o que ele fez, seja em recuperar-se da ferida na perna, estudar ou encontrar Deus, Inácio estava determinado em ser bem sucedido.

7Ele deu conselhos importantes: Inácio aprendeu com os excessos de sua juventude e com suas primeiras práticas penitenciais, como autoflagelação e jejum. Por isso, ele proibiu práticas extremas aos seus irmãos na Companhia de Jesus. Em vez destas práticas, ele encoraja uma abordagem mais equilibrada, promovendo a saúde do corpo, mente e espírito.

8Ele conheceu profundamente Deus: Inácio experimentou profundamente o amor e a misericórdia. Ele tinha um amor ardente por Deus e sua alegria em Cristo era contagiante. Quando celebrava a Eucaristia, ia muitas vezes às lágrimas, tanto que seu médico aconselhou que ele parasse de chorar ou corria o risco de perder a visão.

9. Ele foi um mestre em ensinar como rezar: Muito antes de entrar em voga, Inácio ensinou a quem quisesse ouvir como ter uma relação pessoal com Jesus. Seu conceito de conversar diretamente com Jesus através da imaginação é agora um método comprovado de aprofundamento da fé cristã. Seu conhecimento na vida de oração, relatado nos Exercícios Espirituais, é uma incomparável ajuda para auxiliar as pessoas a se relacionarem mais profundamente com Deus.

10. Ele deu glória a Deus: Quando Inácio era jovem, ele procurava glória para ele, sua família e seu país. Enquanto ele progredia em sua vida espiritual, no entanto, ele percebeu que Deus procurava ser o destinatário de seu louvor e glória. Então, quando fundou a Companhia de Jesus, escolheu o lema “Para a maior glória de Deus”, para assegurar que tudo o que ele fez e tudo o que a Ordem faria no futuro seria realizado e dedicado somente à glória de Deus.

Será que meu filho escolheu Inácio? Eu não sei. O que eu sei é que Santo Inácio oferece um exemplo de vida firmemente ancorado no amor de Deus, e ele permanece como um excelente guia para todo aquele que deseja andar mais próximo ao Senhor.

* Nos Estados Unidos é comum eleger um santo padroeiro para o Crisma.

Rebecca Ruiz

Dinâmica interna dos Exercícios Espirituais

Fruto da experiência de Santo Inácio

“Há muito tempo está historicamente comprovado que a personalidade e o pensamento de Inácio de Loyola encontraram sua expressão mais clara no livro dos Exercícios Espirituais” (Hugo Rahner).

Os Exercícios não são fruto de mera especulação intelectual, mas o resultado de um longo processo de maturação espiritual, o termo de uma caminhada, através da qual um homem, conduzido por Deus, submete sua liberdade à Liberdade divina, na comunhão total do Amor. Vivido, antes de ser escrito, o livro dos Exercícios deve ser considerado como o reflexo fiel de uma interioridade, de um aprendizado progressivo sob a ação de Deus, de uma experiência no Espírito tida por Inácio. No fundo, sua experiência espiritual não é outra coisa que a tomada de consciência do amor divino presente e ativo em sua vida e na vida do mundo.

Os Exercícios nos expressam com mais detalhes os efeitos e o processo dos principais acontecimentos que marcaram a vida de Inácio, especialmente em Manresa. A graça do Cardoner, decisiva para a nova orientação de sua vida, contém ao mesmo tempo a intuição fundamental que deu origem aos Exercícios Espirituais. Segundo Nadal, a luz do Cardoner se concentra nos Exercícios, concretamente em suas duas meditações fundamentais, a do Reino e a das Duas Bandeiras. As crises e as etapas deste crescimento espiritual foram vividas e observadas antes de serem escritas. Inácio não fez os Exercícios de um golpe só; o que ia observando em seu interior nos tempos fortes de oração, isso é o que ele ia anotando e isso é o que ele nos legou.
Persuadido de que sua experiência possuía um valor universal, Inácio se propõe a fomentar em outros um parecido processo de purificação e de entrega à ação poderosa de Deus. Já no início de sua vida de convertido, ele faz notar que sua atividade apostólica não é a de alguém que ensina uma doutrina a partir de uma cátedra, mas a de alguém que comunica uma experiência espiritual, através do contato familiar com as pessoas.

Será a prática apostólica que imprimirá à estrutura dos Exercícios uma marca decisiva: assim, segundo o padre Giuliani, os Exercícios são, desde o início, o fruto conjugado de uma experiência interior e de uma experiência apostólica. A primeira se encontra, sobretudo, nos conteúdos das principais meditações; a segunda, no conjunto de regras, anotações, adições etc. As duas experiências não são justapostas, mas se integram mutuamente, e é esta união que constitui a verdadeira originalidade e a força própria dos Exercícios.

Santo Inácio, que, ao longo de sua vida, viveu múltiplas e ricas experiências, recolhe, no livro dos Exercícios, aquelas que considera essenciais para que outros também realizem uma experiência espiritual símile. Por isso, o escopo dos Exercícios não é o de instruir o exercitante sobre determinada verdade ou temas fundamentais da nossa fé. A seleção e a ordem das verdades ali apresentadas se constituem numa unidade doutrinal, vital e orgânica, que não se justifica por razões puramente lógicas ou conceituais, mas por experiência espiritual; são verdades não para serem ensinadas ou discutidas, mas para serem vivenciadas. Através de uma pedagogia prática, Inácio quer suscitar, provocar a eclosão e a expansão de uma vida espiritual pessoal, muito mais que expor princípios ou verdades abstratas. Também nas Constituições, como meio de ajudar o próximo, Inácio recomenda que se deem os Exercícios Espirituais a outros, pois se trata de uma “arma que Deus Nosso Senhor tornou tão eficaz para o seu serviço” (Const, 408). Ele era convicto de que é possível ao homem experimentar Deus imediatamente no próprio interior.

Por isso, todo o processo dinâmico presente nos Exercícios não só se constitui em tempo privilegiado de experiência de Deus, mas concomitantemente leva essa mesma experiência a uma renovação e a um aprofundamento constante.

Concluindo, podemos dizer que os Exercícios são fruto e expressão de uma experiência espiritual privilegiada e tendem a provocar uma experiência semelhante. É claro que, segundo Pe. Carlos Palácio, “a experiência originária de Inácio é irrepetível, mas o itinerário pode ser comunicado para que outros refaçam a experiência de Deus. Nesse sentido o texto é o suporte, a mediação de uma experiência de Deus sempre nova. E esta é a razão da atualidade permanente dos Exercícios”.

Pe. Adroaldo Palaoro, sj

 

Bergoglio, os gestos e valores de um Papa jesuíta

Por trás desse pontificado revolucionário e carismático está a formação da Companhia de Jesus.

Jorge Mario Bergoglio entrou no noviciado da Companhia de Jesus na Argentina no dia 11 de março de 1958. Ali, como qualquer noviço, teve uma imersão completa durante dois anos na espiritualidade inaciana, o que poderíamos chamar de formatação da sua vida interior. Pois bem, agora, como Papa Francisco, é possível identificar nele não poucas das características fundamentais do carisma dos jesuítas.

É importante assinalar que há mais de 100 anos não tínhamos um papa oriundo de uma ordem religiosa e que o simples fato de ser membro de uma família religiosa que vive em comunidade e compartilha seu carisma, marca necessariamente a forma de proceder.

Por outro lado, desde os tempos em que era bispo na Argentina, o Papa Francisco é um homem dado a surpresas. Recordemos essa imagem do início do seu pontificado: no dia da sua eleição, quando apareceu na sacada para saudar a multidão que estava na Praça de São Pedro em Roma e esta esperava a sua bênção, ele, ao contrário, pediu às pessoas ali reunidas para que rezassem pedindo a Deus que o abençoasse. Belo gesto de simplicidade e humildade pessoal, é, sobretudo, saber-se portador de uma missão de Deus que o ultrapassa.

No exercício do pontificado do Papa Francisco podemos ressaltar vários atributos: aceitar-se como um pecador que foi chamado a seguir Cristo; alguém que está convencido de que mais que aplicar a lei é preciso fazer discernimento com os elementos próprios de cada caso; um fervoroso amante da misericórdia de Deus; um firme convencido de que Deus está presente em toda a criação e que segue ali trabalhando dia e noite, que requer de nós um cuidado da ecologia integral; alguém convencido da esperança que há no homem; um leitor da realidade em chave da encarnação; empenha-se tornar a Igreja uma Igreja em saída.

Façamos um voo sobre cada um deles e observemos como o primeiro jesuíta que se torna Papa na história da Companhia de Jesus é um exímio expoente do que desejava Santo Inácio de Loyola dos homens que assumiam a vocação de ser jesuíta.

Acima de tudo um pecador

O que significa ser jesuíta? Perguntava-se uma Congregação Geral, que terminou em 1975, e que respondeu: “Reconhecer que se é pecador e, no entanto, é chamado a ser companheiro de Jesus…”. Esse profundo sentimento de sentir que se é pecador chamado fica em evidência em suas frequentes visitas à catedral de São Pedro em Roma, onde se aplica a ouvir confissões, mas também para se confessar. As fotos falam por si.

O discernimento

Um trabalho fundamental dos papas é proporcionar aos fiéis e à humanidade em geral documentos que ajudem a iluminar a vida pessoal e em sociedade. Três de suas características têm a ver com aquelas que são fundamentais na espiritualidade inaciana.

A exortação apostólica pós-Sinodal Amoris Laetitia tem em seu capítulo 8 seu centro no discernimento, que é a ferramenta fundamental da espiritualidade que Santo Inácio deixou para os jesuítas. A lei e a aplicação das normas não bastam para solucionar os casos pastorais na Igreja; é necessário discernir.

O que é o discernimento? “O discernimento espiritual compreende a distinção dos movimentos do bom e do mau espírito, assim como o entendimento das suas táticas e estratégias. Aprender a distinguir estas moções internas é como poderemos intuir qual é a vontade de Deus. As moções são sugestões e impulsos internos que incitam a que façamos algo ou deixemos de fazê-lo” (Bárcenas, 2016).

O discernimento como atitude de vida é colocar-se nas mãos de Deus em cada decisão importante da existência. Durante o noviciado, que todos os jesuítas fazem, há um mês reservado aos Exercícios Espirituais, que são uma verdadeira escola de discernimento; aprender a buscar e encontrar a vontade de Deus em sua vida.

Decidir-se por Deus nem sempre é fácil, pois vivemos um combate permanente. Esta angústia positiva está manifestada em uma meditação que Santo Inácio propõe aos exercitantes: as Duas Bandeiras, que apresenta o projeto de Deus e outro que o afasta de Deus. E nesse impulso, o cristão deve tomar suas decisões.

A misericórdia de Deus

Nesses mesmos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, há uma dinâmica muito bonita na qual se mostra o pecado pessoal e estrutural em que cada um está imerso, mas, por sua vez, há uma dinâmica positiva que está centrada na graça de Deus, que, com sua infinita misericórdia, está chamando todos os homens e mulheres para mudar de vida para perdoá-los.

Pois bem, a única bula, a Misericordiae Vultus, o rosto da misericórdia, que foi expedida pelo Papa Francisco é precisamente a da convocatória para o Ano da Misericórdia, confirmando que Deus é amor e amor redentor. Foi assim que abriu as portas santas da catedral de São Pedro para significar essa abertura da Igreja, para que todos os fiéis pudessem sentir-se acolhidos em seu seio. De um paradigma de Igreja condenadora passa a uma ênfase especial em uma Igreja que quer que todos se salvem, que ninguém se perca.

Cuidado da casa comum

A Encíclica Laudato Si’ (2015), que dirigiu a toda a humanidade e não apenas aos crentes, é um dos principais documentos sobre a ecologia integral. Ali assinala que a crise é fundamentalmente socioambiental e faz um apelo a toda a humanidade. Pois bem, uma das últimas contemplações que os jesuítas fazem nos Exercícios Espirituais, a Contemplação para Alcançar Amor, que é o convite para encontrar Deus em todas as coisas, ali presente e trabalhando, pode ser uma das fontes de inspiração deste texto do Papa Francisco.

Também a missão da Companhia de Jesus foi se renovando com o passar dos anos, e nas últimas Congregações Gerais houve uma ênfase especial na reconciliação. Esta tem vários níveis: reconciliação com Deus, consigo mesmo e com a natureza. A Laudato Si’ é uma grande contribuição na tomada de consciência sobre a importância do cuidado da casa comum.

O Papa assume uma crítica das relações entre justiça e meio ambiente, mostrando as conexões entre desigualdades socioeconômicas e a deterioração ambiental. E faz um apelo para trabalhar por um novo tipo de relações entre os seres humanos e a natureza de maneira que a vida no mundo seja sustentável.

papa_36cg
O Papa esteve na 36ª Congregação Geral da Companhia de Jesus, em 2016, que elegeu o Pe. Arturo Sosa, esquerda, como novo Superior Geral.

Igreja em saída

Desde a sua fundação, a Companhia de Jesus rompeu com os paradigmas das comunidades religiosas de seu tempo ao abandonar o hábito, ao não ter coro e ao ir ao encontro de seus ministérios apostólicos. Surgiu como uma ordem missionária que se lançava em diversas fronteiras: geográficas, enviando jesuítas ao Extremo Oriente; culturais, optando por entrar em diálogo com o Renascimento; e religiosas, frente à Reforma de Lutero e Calvino. O papa pediu à Igreja para ser Igreja em saída; aos sacerdotes pediu para que tenham cheiro de ovelha… E em relação a tudo isso, deu o exemplo pessoal. O Papa Francisco decide não morar nos apartamentos privados do Vaticano, mas ficar na casa onde se alojam os bispos em trânsito; sua decisão é estar próximo das pessoas. Vai além da sua afabilidade, por exemplo, a sua decisão de ir, na Quinta-Feira Santa, lavar os pés de presos, entre eles uma mulher e um muçulmano.

É seu afã de não estar fechado, mas acessível a todos. Ele também falou da Igreja como um hospital de campanha que deve atender a todos os feridos.

Esta Igreja em saída é muito própria dos jesuítas, que têm nos Exercícios Espirituais uma chave de vivência da fé: a Encarnação. Neste sentido, é ver na dor e na necessidade dos seres humanos a presença de Cristo sofredor na cruz, e pede aos jesuítas ganhar em conhecimento interno do Senhor, para mais amá-lo e segui-lo. Por isso, o Papa Francisco, em uma das suas primeiras saídas de Roma, foi ao encontro dos migrantes, deslocados e refugiados. Visitou Lampedusa e criticou a globalização da indiferença. Ali onde está uma pessoa sofrendo está Cristo. A mesma coisa aconteceu quando visitou Lesbos, ponto de chegada de muitos imigrantes sírios, onde criticou duramente os campos de refugiados dizendo que pareciam mais campos de concentração.

Confiança e esperança

Uma característica muito forte da teologia do Papa Francisco é uma visão antropológica muito otimista: o homem é capaz de fazer o bem, e insiste em que o cristão deve ser uma pessoa alegre. É sua confiança no ser humano que abre uma perspectiva de esperança sobre o mundo. Esta confiança no homem é um elemento chave do preceito dos Exercícios Espirituais, onde o exercitante se identifica com Cristo e deve colocar seu amor mais nas obras do que em palavras. Na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, a alegria do Evangelho, manifesta: “Todo ser humano é objeto da infinita ternura do Senhor”, por ser imagem de Deus.

O jovem Bergoglio que ingressou e se formou na Companhia de Jesus é o mesmo Papa Francisco, e traz no profundo de sua espiritualidade várias características próprias, embora não exclusivas, da espiritualidade inaciana, que afloram na maneira como ele exerce sua responsabilidade na Igreja.

Luis Felipe Gómez Restrepo, jesuíta e reitor da Universidade Javeriana – Cali, Colômbia. A tradução é de André Langer. www.ihuunisinos.com

 

Palavras do Papa Francisco sobre o fundador da Companhia de Jesus

Homilia do Papa Francisco no dia da memória de Santo Inácio de Loyola

 Igreja do Santíssimo Nome de Jesus, Roma – 31 de julho de 2013.

Nesta Eucaristia, na qual celebramos o nosso Pai Inácio de Loyola, à luz das leituras que ouvimos, gostaria de propor três pensamentos simples, orientados por três expressões: pôr Cristo e a Igreja no centro; deixar-se conquistar por Ele para servir; sentir vergonha pelos nossos limites e pecados, para sermos humildes diante dele e dos irmãos.

1. O nosso brasão, de nós jesuítas, é um monograma, o acrónimo de Iesus Hominum Salvator (IHS). Cada um de vós poderá dizer-me: sabemo-lo muito bem! Mas este brasão recorda-nos continuamente uma realidade que nunca podemos esquecer: a centralidade de Cristo para cada um de nós e para a Companhia inteira, que santo Inácio quis chamar precisamente «de Jesus», para indicar o ponto de referência. De resto, também no início dos Exercícios Espirituais ele nos põe diante de nosso Senhor Jesus Cristo, do nosso Criador e Salvador (cf. EE, 6). E isto leva-nos, a nós jesuítas, e a toda a Companhia, a sermos «descentrados», a termos à nossa frente «Cristo sempre maior», o Deussemper maior, o intimior intimo meo, que nos conduz continuamente para fora de nós mesmos, que nos leva a uma certa kenosis, a «sair do próprio amor, desejo e interesse» (EE, 189).

Não é dada por certa a pergunta dirigida a nós, a todos nós: é Cristo o centro da minha vida? Ponho verdadeiramente Cristo no centro da minha vida? Porque há sempre a tentação de pensar que nós estamos no centro. E quando um jesuíta se põe a si mesmo no centro, e não Cristo, erra. Na primeira leitura, Moisés repete com insistência ao povo que ame o Senhor, que percorra os seus caminhos, «porque Ele é a tua vida» (cf. Dt 30, 16.20). Cristo é a nossa vida! À centralidade de Cristo corresponde também a centralidade da Igreja: são dois focos que não se podem separar: não posso seguir Cristo, a não ser na Igreja e com a Igreja.

E também neste caso nós, jesuítas, e toda a Companhia não estamos no centro, estamos por assim dizer «deslocados», estamos ao serviço de Cristo e da Igreja, Esposa de Cristo nosso Senhor, que é a nossa Santa Mãe Igreja Hierárquica (cf. EE, 353). Devemos ser homens radicados e fundados na Igreja: assim nos quer Jesus. Não pode haver caminhos paralelos nem isolados. Sim, caminhos de investigação, caminhos criativos, sim, isto é importante: ir rumo às periferias, às numerosas periferias. Por isso a criatividade é necessária, mas sempre em comunidade, na Igreja, com esta pertença que nos infunde a coragem para ir em frente. Servir Cristo é amar esta Igreja concreta, e servi-la com generosidade e espírito de obediência.

2. Qual é o caminho para viver esta centralidade dupla? Olhemos para a experiência de São Paulo, que é também a experiência de Santo Inácio. Na segunda leitura, que há pouco ouvimos, o apóstolo escreve: esforço-me por correr rumo à perfeição de Cristo, «porque também eu fui conquistado por Jesus Cristo» (Fl3, 12). Para Paulo, isto aconteceu no caminho de Damasco, para Inácio na sua casa em Loyola, mas o ponto fundamental é comum: deixar-se conquistar por Cristo. Procuro Jesus, sirvo Jesus, porque Ele me procurou primeiro, porque fui conquistado por Ele: e este é o âmago da nossa experiência. Mas Ele é o primeiro, sempre. Em espanhol existe uma palavra que é muito gráfica e explica bem isto: Ele «antecede-nos», «El nos primerea». É sempre o primeiro. Quando nós chegamos, Ele já chegou a espera por nós.

E aqui gostaria de evocar a meditação sobre o Reino, na Segunda Semana. Cristo nosso Senhor, Rei eterno, chama cada um de nós, dizendo-nos: «Quem quiser vir comigo deve trabalhar comigo para que, seguindo-me no sofrimento, me siga também na glória» (EE, 95): ser conquistado por Cristo para oferecer a este Rei toda a nossa pessoa e todo o nosso cansaço (cf. EE, 96); dizer ao Senhor que queremos fazer tudo para o seu maior serviço e louvor, imitá-lo suportando também as injúrias, o desprezo e a pobreza (cf. EE, 98). Mas neste momento penso no nosso irmão na Síria. Deixar-se conquistar por Cristo significa estar sempre orientado para aquilo que está à minha frente, rumo à meta de Cristo (cf. Fl  3, 14), interrogando-se com verdade e sinceridade: que fiz por Cristo? Que faço por Cristo? Que devo fazer por Cristo? (cf. EE, 53).

3. E agora o último ponto. No Evangelho, Jesus diz-nos: «Quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem sacrificar a sua vida por amor a mim, salvá-la-á», «Se alguém se envergonhar de mim…» (Lc 9, 24-26). E assim por diante. A vergonha do jesuíta. O convite de Jesus é que nunca nos envergonhemos dele, mas que o sigamos sempre com dedicação total, confiando nele e confiando-se a Ele. Mas olhando para Jesus, como santo Inácio nos ensina na Primeira Semana, sobretudo contemplando Cristo Crucificado, nós experimentamos aquele sentimento tão humano e tão nobre que é a vergonha de não estarmos à altura; consideremos a sabedoria de Cristo e a nossa ignorância; a sua onipotência e a nossa fragilidade; a sua justiça e a nossa iniquidade; a sua bondade e a nossa maldade (cf. EE, 59). Pedir a graça da vergonha; a vergonha que deriva do contínuo diálogo de misericórdia com Ele; a vergonha que nos faz corar diante de Jesus Cristo; a vergonha que nos põe em sintonia com o Coração de Cristo que se fez pecado por mim; a vergonha que põe em harmonia o nosso coração nas lágrimas e nos acompanha na sequela diária do «meu Senhor». E isto leva-nos sempre, como indivíduos e como Companhia, à humildade, a viver esta grande virtude.

A humildade que nos torna cada dia conscientes de que não somos nós que construímos o Reino de Deus, mas é sempre a graça do Senhor que age em nós; a humildade que nos impele a dedicar-nos inteiramente não ao serviço de nós mesmos ou das nossas ideias, mas ao serviço de Cristo e da Igreja, como vasos de barro, frágeis, inadequados e insuficientes, mas nos quais há um tesouro imenso que trazemos e comunicamos o (cf.2 Cor 4, 7).

Sempre gostei de pensar no ocaso do jesuíta, em quando termina a vida de um jesuíta, quando declina. E penso sempre em dois ícones deste declínio do jesuíta: um clássico, o de são Francisco Xavier, olhando para a China. A arte pintou muitas vezes este declínio, este ocaso de Xavier. Também a literatura, naquela bonita obra de Pemán. No final, sem nada, mas diante do Senhor; faz-me bem pensar nisto. O outro declínio, o outro ícone que vem à minha mente como exemplo, é o do Padre Arrupe no último diálogo no campo dos refugiados; quando nos disse — o que ele mesmo dizia — «digo isto como se fosse o meu canto do cisne: orai!». A oração, a união com Jesus. E depois de ter dito isto, apanhou o avião, chegou a Roma com um derrame cerebral, que deu início àquele declínio tão prolongado e tão exemplar. Dois declínios, dois ícones que a todos nós fará bem admirar e voltar a meditar sobre eles. E pedir a graça de que o nosso declínio seja o deles.

Prezados irmãos, dirijamo-nos a Nossa Senhora, Àquela que trouxe Cristo no seu ventre e que acompanhou os primeiros passos da Igreja, para que nos ajude a pôr sempre Cristo e a sua Igreja no centro da nossa vida e do nosso ministério; Àquela que foi a primeira e mais perfeita discípula do seu Filho, para que nos ajude a deixar-nos conquistar por Cristo para o seguir e servir em todas as situações; Àquela que respondeu com a humildade mais profunda ao anúncio do Anjo: «Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra» (Lc 1, 38); para que nos faça experimentar a vergonha pela nossa insuficiência diante do tesouro que nos foi confiado, para viver a humildade perante Deus. Acompanhe o nosso caminho a intercessão paterna de santo Inácio e de todos os santos jesuítas, que continuam a ensinar-nos a fazer tudo, com humildade, ad maiorem Dei gloriam.

Servir nas fronteiras: a experiência de Santo Inácio

Em todo momento histórico, quando a Igreja e a sociedade são sacudidas por grandes mudanças, surgem homens e mulheres que rompem com esquemas e seguranças envelhecidos e se deixam conduzir pelo Espírito ao deserto, às margens, às fronteiras…fugindo de um ambiente e de uma ordem asfixiantes.

A fronteira, para eles, passa a ser terra privilegiada onde nasce o “novo” por obra do Espírito.

Ali aparece o broto germinal do “nunca visto”, que em sua pequenez de fermento profético torna-se um desafio ao imobilismo petrificado e um questionamento à ordem estabelecida. Ali descobrem-se traços nunca antes vistos da pessoa de Jesus, ao olhá-lo agora a partir de uma situação inédita.

Uma vez descoberta a fronteira, situar-se nela passa a significar colaboração respeitosa com o Deus presente e ativo em toda situação humana. Isso vai gerar uma maneira nova de viver, um estilo de vida, um compromisso diferente, uma ação carregada de ousadia…

Foi num contexto assim que surgiu a figura de Santo Inácio, o “peregrino”  que ia buscando a pé e coxeando pelos caminhos da Europa, o futuro que Deus lhe oferecia. Este caminho não o conduzia somente à fronteira, mas ao futuro, ou seja, não se tratava somente de romper com a ordem presente, mas de distanciar-se dela para experimentar a novidade de Deus no meio deste mundo.

A experiência de Inácio começa em Loyola (1522), num momento histórico caracterizado, de um lado, pelo desmoronamento de fronteiras seculares (grandes descobrimentos) e, de outro, pelo surgimento de novas fronteiras ideológicas, políticas, religiosas… Inácio chega a Loyola, ferido e humilhado por defender fronteiras políticas, mas ambicioso por continuar conquistando outras.

Diante da leitura de Vita Christi, desmoronou-se sua própria fronteira pessoal, aquela dos “grandes e vãos desejos de ganhar honra” (Aut. 1), que, de repente se vê rompida e invadida por Deus.

Tudo começa a ser percebido como novo: “…lhe pareciam novas todas as coisas” (Aut. 30).

A partir de agora, as velhas fronteiras geográficas e políticas pelas quais Inácio lutou apaixonadamente, serão substituídas por outras, aquelas do coração humano.

A  conversão, para ele, passa a significar experiência de fronteira: rendição de uma fortaleza, troca de bandeira e de senhor no próprio coração; desalojamento dos falsos senhores de seu interior e oferecimento de sua pessoa ao “Senhor”, que se dá no seguimento, ou seja, vontade de situar-se com Ele nos “extremos”  humanos.

Quando Santo Inácio vivia movido “por um grande e vão desejo de ganhar honra”, foi criador de fronteira.

A partir do momento em que Deus invade as suas fronteiras e ele se descobre encastelado, seus olhos se abrem para contemplar “toda a grande extensão e a curvatura da terra cheia de homens” (EE. 103) fechados em infinidades de estreitas fronteiras (escravidões, necessidades, mortes…). A partir desse momento, brotam em seu interior “vivos desejos de ajudar o próximo”, isto é, de eliminar suas fronteiras.

Contemplar o olhar de Deus sobre a terra cheia de homens – isolados, entrincheirados sobre si mesmos nos minifúndios de seus egoísmos – é para Inácio experiência definitiva.

A partir de então, situar-se nas fronteiras da humanidade e buscar a comunhão universal será sua nova visão, seu lugar teológico, sua nova missão…

“Ajudar as almas” passa a significar, desde então, descer com Deus às fronteiras que a humanidade levanta frente a si mesma e frente a Deus: fronteiras de morte, divisão, ódio…

Na realidade, da experiência de Inácio não brota diretamente uma estratégia de fronteiras, mas um homem internamente reconstruído, com vontade de situar-se ali onde algo limita, empobrece, degrada… ou simplesmente comporta alguma carência na condição própria do ser humano.

“Servir nas fronteiras”  se traduzirá numa necessidade interior de contemplar o ser humano em seus “extremos”  e de se comprometer com ele, para abri-lo à vida.

A História, em sua densidade divina, será lida como “chamado” e será respondida na disponibilidade pessoal para o encontro, a presença e a entrega.

Além disso, o que brotou da própria experiência de Inácio foi a preocupação pessoal por formar pessoas capazes de mover-se por “vivos desejos da salvação do próximo” e, por isso, de arriscar-se nas múltiplas e variadas situações humanas de fronteiras. A importância que Inácio dá ao “desejo”, que alarga o ser humano para além de si mesmo, tem também aqui seu lugar. Descobrir os melhores desejos na pessoa, apoiá-los, alimentá-los, ajudá-los a crescer… é a melhor forma de libertá-la de suas limitadas fronteiras.

Orações

Tomai, Senhor e recebei
toda a minha liberdade, a minha memória também.
O meu entendimento e toda a minha vontade;
Tudo o que tenho e possuo Vós me destes com amor
Todos os dons que me destes, com gratidão vos devolvo;
Disponde deles, Senhor, segundo a Vossa vontade.
Dai-me somente o vosso amor, a vossa graça;
Isso me basta nada mais quero pedir.

[Atribuída a Santo Inácio de Loyola]


Eterno Senhor de todas as coisas,
eu faço a minha oblação com o vosso favor e ajuda,
diante da vossa infinita bondade, e diante da vossa Mãe gloriosa
e de todos os santos e santas da corte celestial.

Eu quero e desejo e é minha determinação deliberada,
contanto que seja vosso maior serviço e louvor,
imita-Vos em passar por todas as injúrias
e todas as humilhações e toda a pobreza,
assim atual como espiritual,
e se Vossa Santíssima Majestade
me quiser escolher e receber em tal vida e estado.

[Exercícios Espirituais, 98]


Senhor Jesus, ensina-me
a ser generoso
a te servir como tu o mereces,
a dar sem contar,
a combater sem medo de feridas,
a trabalhar sem procurar repouso,
a me dedicar sem esperar
outra recompensa
que não seja a de saber
que faço a tua vontade.
Amém

[Atribuída a Santo Inácio de Loyola]


Alma de Cristo, santificai-me.
Corpo de Cristo, salvai-me.
Sangue de Cristo, inebriai-me.
Água do lado de Cristo, lavai-me.
Paixão de Cristo, confortai-me.
Ó bom Jesus, ouvi-me.
Dentro de Vossas chagas, escondei-me.
Não permitais que me separe de Vós.
Do espírito maligno, defendei-me.
Na hora da minha morte, chamai-me
e mandai- me ir para Vós,
para que com os vossos Santos Vos louve
por todos os séculos dos séculos.
Amém.

[Anima Christi]