Quem somos - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Mensagem do Ministro Geral para o Natal 2018

18/12/2018


O Natal de um Deus que bate à nossa porta

Queridos irmãos e irmãs,

O Senhor que nasceu no meio de nós lhes dê a sua paz!

Por causa do seu amor infinito Deus quis assumir a nossa natureza humana com todas as implicações desta escolha. Nasceu na maior humildade de uma mulher pobre e num lugar pobre, longe de sua casa, pois seus pais estavam em viagem para cumprir as exigências administrativas impostas pelas autoridades civis daquele tempo. Ainda recém-nascido, já precisou enfrentar a condição de refugiado no Egito: Mateus é o único evangelista que narra este acontecimento através da Teologia do êxodo (cf. Mt 2,13-15). O Egito, de fato, representava o lugar de refúgio para os perseguidos ou para aqueles que se encontravam em dificuldades, vítimas de carestias ou da fome. Exemplos dessas situações são Jeroboão (cf. 1Rs 11,40) e Urias (cf. Jr 26,21), como também a família de Jacó, obrigada a abandonar a terra de Canaã que sofria tremenda seca (cf. Gn 46,8ss).

A Teologia do êxodo permeia a revelação de Jesus que se apresenta como Deus libertador, “aquele que é” (cf. Jo 8,28). Em particular, o evangelista João nos oferece esta possibilidade hermenêutica uma vez que plasma a Teologia do seu Evangelho baseando-se na revelação do próprio Deus a Moisés (cf. Ex 3,14). O Deus que se fez carne no meio do seu povo, é Aquele que continua escutando o grito dos seus filhos e filhas cuja vida é ameaçada. Na Teologia do êxodo encontramos tradições diversas que seguramente refletem acontecimentos concretos. Em cada um deles Deus está presente e é protagonista da história. Ele escuta o grito do seu povo, desce para ver de perto o seu sofrimento e o faz sair do Egito, libertando-o da escravidão (cf. Ex 20,2).

Eis porque a experiência do êxodo pode ser considerada como paradigma para as mais variadas situações de tantos povos obrigados a fugir da própria pátria para escapar das ameaças à própria vida, da fome, da violência, das perseguições, das guerras e conflitos armados, ou ainda por outros motivos graves.

Jesus, apresentado como “novo Moisés” (cf. Hb 3,1-6), é líder do povo de Deus e novo legislador (cf. Mc 12,28-34; Mt 7,12; 22,34-40; Lc 10,25-28). Mateus também faz ligação da história do povo de Israel, na qual se revela a ação concreta de Deus, com a história do “novo povo de Israel”, onde se manifesta a ação real e concreta de Jesus Cristo ressuscitado na Igreja e no mundo (cf. Mt 19,28; 28,20).

Pela narração de Lucas, Jesus nasce em Belém, em um momento histórico muito concreto, isto é, quando César Augusto era imperador de Roma e Quirino governador da Síria. Lucas diz que o Menino recém-nascido é colocado “numa manjedoura, pois não havia lugar para eles na hospedaria” (Lc 2,7). Os pastores que estão por perto (cf. Lc 2,8-17) veem uma estrela que os leva até a Luz do mundo: uma estrela de esperança para os pobres, para os últimos, para os simples trabalhadores e para todos aqueles que estão nas trevas.

São Francisco também quis reviver a concretude do Natal recriando o ambiente frio, despojado de berço, de cadeiras e de portas, mas aquecido pela presença de um boi e de um asno perto da manjedoura. O Santo de Assis queria ver, tocar e contemplar o Deus que decidiu vir morar no meio dos seus filhos e filhas para oferecer a eles vida plena. E de Greccio ecoa o feliz e vibrante anúncio: toda a humanidade pode viver de verdade, pode alegrar-se e festejar com os seus queridos e com toda a criação. O nascimento de Jesus é mistério de amor, de graça e de libertação, que revelam toda força do agir de Deus no mundo.

O Beato João Duns Scoto ensina através de sua reflexão teológica que a razão da encarnação do Filho de Deus não pode ser simplesmente o pecado da humanidade. Pensar assim correria o risco de limitar a vontade do Criador, que consiste no desejo de amar os seus filhos e filhas e de entrar em comunhão com eles (cf. Reportata Parisiensia, in III Sent.). Eis porque Jesus vem apresentado como “Summum Opus Dei”, a plena manifestação do amor trinitário para com o ser humano. A ação de Jesus, de fato, revelou um amor divino incondicionado e aberto a todos, sinal da vontade salvadora universal de Deus.

Apesar de tudo isso, o Salvador do mundo chegou no meio do seu povo, mas não foi acolhido, a não ser por Maria, José, os pastores e os animais. O fato de ser obrigado a deixar a sua pátria é um primeiro indício de todas as adversidades que deveria enfrentar em seguida. A narração de Mateus (cf. Mt 2,13-15) identifica os representantes do poder político como os promotores das ameaças contra Jesus. Todos nós sabemos, porém, que o político da vez é apoiado por grupos de poder quando não por toda a sociedade. Tais ameaças a Jesus nos falam de indiferença, de medos infundados e de muitas formas de egoísmo que se traduzem numa necessidade de gerar inimigos a serem combatidos.

Em nosso tempo, tantas crianças são obrigadas a fugir de seus países onde são desrespeitados os seus sacrossantos direitos a una vida sadia, a uma família reunida, a uma educação de qualidade, a crescer em uma sociedade capaz de acolher, de oferecer e de exigir respeito, além de criar oportunidades para todos. Todas as crianças deveriam nascer e crescer em sociedades capazes de viver o amor, a solidariedade, a corresponsabilidade, a justiça e a paz. Para que isto seja possível é necessário um olhar profundo cheio de humanidade. Todos nós somos chamados a ver as pessoas como realmente são: “imagem e semelhança” de Deus que nos criou “por seu verdadeiro e santo amor” (cf. RnB 23,1-3).

Infelizmente, muitas sociedades no mundo de hoje não são capazes de ver assim. Ao contrário, aumenta sempre a indiferença em relação ao outro (cf. EG 54), disfarçada de discursos vazios e totalmente privados de empenho real. A própria
humanidade que anseia pelo progresso acaba esquecendo-se do ser humano, ou na melhor hipótese, coloca-o em segundo plano. A defesa absoluta e exclusiva dos próprios interesses e vantagens, seja por parte de grupos sociais, seja por parte de indivíduos, faz aumentar e crescer os conflitos e faz convergir a uma só conclusão que podemos explicitar assim: “Eu sou do bem e o outro é do mal; eu sou amigo e o outro é inimigo; eu vivo o amor e o outro vive o ódio”.

De fato, muitos povos e nações se fecham em si mesmas e enclausuram-se nos próprios muros para protegerem-se de qualquer suposto inimigo. Esta atitude, praticada por causa de um senso de proteção, conduz ao isolamento e impede a promoção do desenvolvimento de cada membro, não proporcionando a todos possibilidades de usufruir das oportunidades de desenvolvimento e obstrui o caminho para assumir as próprias responsabilidades em relação ao respeito mútuo (cf. EG 186-192). Por outro lado, poucos governantes e sociedades se recordam do que aconteceu no passado com os seus próprios conterrâneos, obrigados a migrar para fugir de situações de violência, fome, guerras e conflitos internos. A maioria, ao contrário, tende a fechar as fronteiras para não deixar passar as pessoas que estão fugindo e migrando na esperança de encontrar uma nova possibilidade de viver, de matar a fome e assim poder recomeçar a viver com a necessária e devida dignidade.

Infelizmente, com muita dor temos que escutar de nossos governantes, ou de seus representantes, discursos nos quais os migrantes e refugiados são considerados fonte de ameaças, ladrões, marginais, inimigos ou terroristas; às vezes, são até vergonhosamente comparados a animais. Está claro que isto pode fomentar o medo do outro e do diferente, e acender a pólvora da raiva que depois se transforma em ódio, pois o outro vem incomodar-nos em nossa “zona de conforto”. Na realidade, tudo isso é sinal claro de que nos encontramos diante de uma sociedade “em crise”, como muitos pensadores contemporâneos defendem. O que me assusta, além da desumanidade destes comportamentos, é o fato de que a maioria das pessoas fica em silêncio diante de tudo isso, tornando-se cúmplice; ou pior ainda, às vezes alguns chegam a aplaudir os próprios governantes e a votar em tais representantes; e estes governantes tornam-se fontes de inspiração e exemplos para outros. Muitas vezes os meios de comunicação enfatizam tudo isso e quase sempre a verdade acaba sendo escondida, exatamente como muitos políticos querem.

Entre as graves incoerências dos países tidos como desenvolvidos, que fecham as suas fronteiras aos migrantes e refugiados, está o silêncio ou a cumplicidade em relação à indústria armamentista. Mesmo sabendo que milhões de pessoas, entre as quais numerosas crianças, devem fugir por causa dos conflitos armados, continuam permitindo ou até favorecendo a produção e a exportação de armas.

Queridos irmãos e irmãs, é tempo de dar uma resposta humana, cristã e franciscana à situação dos migrantes e refugiados de hoje. Talvez precisamos perguntarmo-nos se de fato sabemos o que significa viver anos e anos sem esperança em um campo de refugiados (como acontece no Quênia, no Sudão do Sul e outros lugares) e o que significa esbarrar em um muro que impede o caminho, ou em uma cerca de arame eletrizada que denuncia a crueldade e a impiedade da exclusão, da indiferença e da autorreferencialidade.

Não nos esqueçamos do que o Papa Francisco disse durante a sua visita a Lampedusa: “A globalização da indiferença torna-nos a todos «inominados», responsáveis sem nome nem rosto. «Adão, onde estás?» e «onde está o teu irmão?» são as duas perguntas que Deus coloca no início da história da humanidade e dirige também a todos os homens do nosso tempo, incluindo nós próprios. […] Herodes semeou morte (cf. Mt 2,16) para defender o seu bem-estar, a sua própria bola de sabão. E isto continua a repetir-se… Peçamos ao Senhor que apague também o que resta de Herodes no nosso coração; peçamos ao Senhor a graça de chorar pela nossa indiferença, de chorar pela crueldade que há no mundo, em nós, incluindo aqueles que, no anonimato, tomam decisões socioeconômicas que abrem a estrada aos dramas como este…”

Por fim, quero recordar o que foi reforçado pelo Conselho Plenário da Ordem 2018: “Como seres humanos e como franciscanos somos profundamente tocados e envolvidos pelas esperanças, pelas ânsias e pelos sofrimentos de tantos migrantes e refugiados. Segundo o exemplo de Cristo e no espírito de São Francisco, que nos convida a estarmos alegres quando vivemos «entre pessoas de pouca conta e desprezadas, entre os pobres e fracos, entre enfermos e leprosos e entre os que mendigam ao longo das estradas» (RnB 9, 2), sabemos que devemos acolhê-los e recebê-los com gentileza e generosidade” (CPO 2018, 119).

Jesus, nascido em Belém, foi obrigado a fugir e migrar. Hoje Ele está presente em cada migrante e em cada refugiado: é Ele que ainda bate com insistência à porta de nossas sociedades tidas como cristãs, ou pelo menos de cultura cristã. O Menino Jesus nos mostra o caminho que pode levar a um futuro de paz, isto é, de acolhida, de diálogo e de abertura recíproca que podem nos enriquecer mutuamente.

O Deus, que acompanhou o seu povo no êxodo, acompanha agora os migrantes e os refugiados na busca de proteção e liberdade. A mensagem do Natal nos convida à abertura de nossos corações e de nossas casas para os nossos irmãos e irmãs que se encontram longe de seus países, oferecendo a eles proximidade e solidariedade. A mensagem de Natal nos convida a refutar a atitude de rechaçar alguém por medo ou ódio.

O Salvador, que se fez um de nós, ilumine a estrada daqueles que são obrigados a migrar e nos torne felizes em contemplar o seu rosto nos irmãos e nas irmãs que sofrem, choram e desejam uma vida mais humana!

Feliz Natal!

Roma, 12 de dezembro de 2018
Festa de Nossa Senhora de Guadalupe

Frei Michael A. Perry, OFM
Ministro geral e Servo

Imagem: Fuga para o Egito, quadro presente na Casa de Formação Santo Antônio, Langata, Quênia.

Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Free Download WordPress Themes
free download udemy course
download micromax firmware
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy paid course

Conteúdo Relacionado