Vocacional - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Ton kalon agóna égónismai – Combati o bom combate

22/04/2021

 

Emmanuel Carneiro Leão*

Em homenagem a Hermógenes, ao combatente ontológico.

Nesta sentença de São Paulo, 2Tm 4,7, concentra-se toda a vida e morte franciscana de frei Hermógenes Harada, OFM, 1928-2009. Mais do que qualquer um de nós, seus amigos e irmãos, ele sabia e sabe, com um sabor “só de experiência feito”, o mistério de vida desta expressão grega.

Ao dizer combate e combater, agóna e égónismai nos remetem para o élan vital, aquela força de gravidade da vida, sempre vigente no viver deste ser vivo estranho, que é o homem. Pois o homem não vive primeiro e só depois, entre muitas outras atividades, chega a combater. Não! Ser homem já é combater. Por isso é que o Coro de Antígona vem cantando, desde sempre: polla ta deina, muitos são os seres estranhos, k’ouden deinoteron anthrópou pelei, “nada, porém, é mais estranho do que um ser humano”. O modo de viver do homem consiste em escrever em seu comportamento o mistério de ser. O homem é o escritor ontológico da vida. Sempre de novo, está inscrevendo, em todo lugar e/ou deixar de fazer, os poderes de ser e não ser. É este o sentido universal do princípio da Escola: operari sequitur esse, “agir segue ser”, i.é, só se consegue viver e praticar as possibilidades que, sendo, já se tem.

E kalos, o que torna bom o combate da vida na vida dos homens?

Kalos vem de kallos, o étimo indoeuropeu se presume ser qal-mos, “sadio”, “salutar”, “o que favorece a integridade”, por isso se costuma dizer: bonum ex integra causa, “o bem é inteiriço, está na coisa toda”. O bom combate é aquele que busca e promove a totalidade da vida e não apenas uma parte. Pelo todo da vida o homem nunca deixa de combater. Tanto o sucesso quanto o fracasso integram a vida humana e por isso são ambos vitais. Santo Agostinho nos lembra: semper in via sumus, nunquam in patria: sempre estranhos a caminho, nunca na pátria. O ser humano está sempre em vias de, nunca deixa de ser viandante, homo viator. Nietzsche diz que o amável no homem é ser ele uma passagem e não um ponto final. Tal é o testemunho que nos dá frei Hermógenes Harada, este combatente ontológico da vida em sua morte, pois “é morrendo que se vive para a vida eterna”.

* Prof. do Ifcs, UFRJ.

ScintillaRevista de filosofia e mística medieval, vol. 7.1, jan.-jun. 2010

Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
udemy course download free
download huawei firmware
Download WordPress Themes Free
lynda course free download