Vocacional - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

I – A Frei Antonio Corniatti, ofm

22/03/2021

 

– Como trabalhar o tema da libertação inspirando-se em São Francisco3

– A possibilidade intrínseca de cada coisa

– Querer ter a vez não é vigor da Verdade

Petrópolis, 1. 6. 77

Frei José (Guaíra)!2

Muito obrigado por sua carta de 10. 5. Desculpe a demora.

Não sei se lhe consigo dar a orientação pedida acerca do tema ‘Francisco e a Libertação’.

A ideia de explicitar o fenômeno Libertação através do Capítulo VIII de I Fioretti é boa. Só que na sua situação deve ser bem feito, do contrário você é capaz de levantar, não uma questão, mas sim discussão vã.

Portanto, na exposição, tentar não criticar tematicamente a mania da Libertação hoje4. Nem dar a impressão de que está defendendo uma posição mais profunda ou radical. Colocar a questão Francisco e Libertação como a perplexidade que você realmente sente diante de um texto franciscano medieval e a sua situação hoje de ser solicitado pela ideia e pelo ideal dominante de Libertação.

Para isso, sem falar muito de si, do que é o meu problema etc., procurar colocar bem patente essa perplexidade num quadro ‘objetivo’ diante de si.

Para isso, ler um ou dois livros que tratam da Libertação, só para pegar a definição que eles dão da Libertação. Não é necessário ler muito. Talvez só o prefácio. Tenho a impressão que Boff5 tem alguma idéia nos seus livros. Apresentar então esse quadro Libertação em algumas características, tentando trazer à fala, isso que hoje o consumo clerical pensa usualmente. E fazer tudo isso sem criticar, até com simpatia, como quem apenas expõe um status quo de uma questão.

Depois, coloca ao lado desse quadro o Capítulo VIII de I Fioretti6.

Dá o contraste, sem você expor a sua individual perplexidade. A própria posição uma ao lado da outra gera a perplexidade.

a) Colocar então a questão: Como conciliar as duas posições?

b) NB: a colocação ‘a’ é um truque. É para trazer bem clara à fala a perplexidade em que estamos todos nós. É também um truque da capoeira espiritual. Você dá a impressão que vai dar um golpe num lado em que todo o mundo espera. Você, porém, dá um outro golpe na direção contrária, dizendo:

c) Antes de tentar conciliar essas aparentes posições opostas, vamos antes tentar entender bem a posição de VIII Capítulo, para ver se ela não nos ajuda a compreender melhor as nossas profundas aspirações, quando hoje falamos de Libertação?

d) Então você expõe o Capítulo VIII, analisando-o como acha melhor. Nessa análise, cuidar de mostrar o vigor da Perfeita Alegria não como crítica da Libertação, mas como uma reflexão de profundidade, da qual o pensamento de Libertação pode receber uma firmeza, um âmbito e uma riqueza muito maior do que o usual.

e) – Jamais tomar um tom polêmico. O que deve convencer é a coisa ela mesma, e não eu.

– Não discutir, opondo uma posição à objeção, mas tentar ver no fundo da objeção um anseio para aquilo que pensa ser a essência do VIII Capítulo,

– Evitar no máximo usar o pronome eu. Expor como se fosse uma exposição de mecânica. Impessoal.

Creio que o tema proposto é bom. Só que acho que não devia tomar os meus textos7. É muito importante você dar o seu texto. Fica mais concreto.

O que acho de importância, porém, é o modo de abordar. Começo a achar cada vez mais que o conteúdo, na realidade é bastante indiferente. Também não tem importância se é ou não profundo, vivencial, atuante ou não. O importante é ser real, e não um falar bonito sobre uma situação que é fictícia.

Com outras palavras, ser uma teoria que pratica, isto é, que agarra a realidade com as duas mãos, sem se incomodar se é bonito, profundo, prático ou não. Portanto, em vez de questionar muito, etc., pegar o fenômeno nas mãos e tentar dizer ao outro: está sentindo como é a coisa? E só então questionar.

Quanto à sua iluminação, ao seu satori, a respeito da ‘possibilidade intrínseca de cada coisa, a materialidade’, acho que é isso mesmo!

Aqui8, tudo bem. Com a convicção cada vez mais firme de que a Teologia hoje está bobeando, em querendo ter a vez na sociedade de hoje. Pois esse querer ter a vez não é vigor da Verdade, mas sim um aparecer, o que por sua vez o Pensamento usa como lugar de sua intuição.

A você todo o Bem e a Paz.

fr. H. Harada


2 Frei Antônio (José) Corniatti (OFMConv) Conheci Frei Hermógenes, pela primeira vez, no
carnaval de 1973 em Petrópolis (RJ), ano em que fiz o Curso CEFEPAL. Ele me chama aqui
GUAÍRA. Este cognome é devido à cidade paranaense de Guaíra, de onde eu viera para o
CEFEPAL. Dado que no curso havia três Antônios, Frei Antônio Zancanaro OFM de São Paulo
(Zanca), Frei Antônio Francisco Blankendaal OFM de Minas (Antônio Holandês) e eu (Antônio
Guaíra), cada um recebeu um cognome.
3 No início de cada carta, o organizador, Frei Antônio Corniatti OFMConv, colocou um índice dos
assuntos tratados por Frei Hermógenes Harada em cada carta.
4 Na época, o tema Libertação era tema quente na Igreja Católica do Brasil e da América Latina.
5 Frei Leonardo Boff OFM., propagador da teologia da libertação no Brasil.
6 I Fioretti VIII: Como a caminhar expôs S. Francisco a Frei Leão as coisas que constituem a
perfeita alegria. Corresponde ao Capítulo VII de Atos do Bem-aventurado Francisco e dos seus
Companheiros: Da doutrina de São Francisco a Frei Leão que só na cruz seja a perfeita alegria
Portanto:
7 Frei Hermógenes Harada tem vários artigos onde comenta I Fioretti VIII (Cf. Atos VII).
8 Nesta época, Frei Hermógenes Harada era professor de Filosofia em Petrópolis no Instituto
Filosófico-Teológico da Província Imaculada Conceição e professor de Espiritualidade Franciscana
a partir da leitura espiritual das Fontes no curso CEFEPAL, sendo também conselheiro do mesmo.
Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
free download udemy course
download redmi firmware
Download Premium WordPress Themes Free
free download udemy course