Viver o pão da caridade como Santo Antônio

10/06/2023

Um tema muito caro a Santo Antônio fez parte do 11º Dia da Trezena de Santo Antônio neste sábado, 10 de junho, no Convento do Largo da Carioca: “Santo Antônio do pão e da caridade!”

O pregador da Trezena, Frei Gabriel Dellandrea, que é frade animador do Serviço Vocacional da Província da Imaculada presidiu a Eucaristia, às 10 horas, e teve como concelebrantes Frei José Pereira e Frei Guido Scottini.

A liturgia contou com os cantos do “Coral Canto de Rua”, que é uma iniciativa da Pastoral do Povo da Rua da cidade do Rio de Janeiro e tem como objetivo transformar a qualidade de vida da população em situação de rua.

Frei Gabriel iniciou explicando que a bandeira de Portugal na procissão de entrada não era para homenagear  Santo Antônio, mas a sua terra, porque hoje se celebra em Portugal o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Frei Gabriel abriu sua pregação colocando a seguinte situação: “Imaginem se eu desse um presente para vocês, mas pedisse de volta depois, não ficaria uma situação estranha? Como assim, deu o presente e depois se arrependeu?”, disse. “Pois então, a dinâmica de Deus é justamente essa: ele nos dá a nossa vocação, os nossos dons, e pede-nos de volta. Isso porque Ele sabe que para nós nos sentirmos realizados em nossa vida, não podemos viver só para nós mesmos. A nossa vocação, os nossos dons, devem ser partilhados”, ensinou. “É por isso que nós, cristãos, entendemos nossa vida assim, como serviço”, emendou.

Para o frade, comentando o Evangelho, Jesus se admira com a viúva que deu o pouco que tinha a Deus. “Ela já está nessa dinâmica de entender a sua vida como um presente dado por Deus e que deve ser ofertado de volta a Ele. Por isso, sem reservas, ela se entrega por inteiro diante daquele Senhor que a deu tudo. Jesus se admira com a mesquinharia dos Doutores da Lei que, ao invés de serem generosos, eram egoístas, queriam a honra para si e não para Deus”, explicou o pregador.

Segundo ele, nós todos corremos esse risco. “Por vezes somos apegados a bens, a ideias, a preconceitos, a coisas que não nos ajudam a sair do lugar. Ficamos no egoísmo de nossas vidas sem partilhar um pouco da nossa vocação, dos nossos dons, dos nossos talentos, com os outros. E isso pode ser feito numa missão da Igreja, num projeto de voluntariado, numa experiência de caridade…”, observou.

(toque nas imagens para ampliá-las)

“A viúva não ofereceu só dinheiro, mas tudo o que tinha. Essa é a dinâmica que devemos realizar enquanto cristãos. O presente que recebemos de Deus, a nossa vocação, os nossos dons, devemos partilhar com Deus e os irmãos. Só faz sentido a nossa vida se oferecermos tudo o que temos”, disse, lembrando que os coralistas oferecem suas vozes como dons. Servem a liturgia com o que têm. “Cada um de vocês oferece aqui a sua presença, a sua vocação e o seu amor a Santo Antônio. E fazemos por amor. Só poderemos oferecer tudo o que temos se amamos a Deus e queremos oferecer. Ao contrário, seremos egoístas pensando em nós mesmos”, ressaltou.

Ele citou o poeta Luís de Camões, o português que escreveu o clássico “Os Lusíadas”, que diz assim: “O amor é fogo que arde sem se ver/ é ferida que dói, e não se sente;/ é um contentamento descontente,/ é dor que desatina sem doer/ É querer estar preso por vontade”.

E Frei Gabriel perguntou: “Alguém daqui gosta de estar preso? Lá no Sul, com muito frio, a gente tem de dormir com muita roupa, todo amarrado. Eu não gosto. Mas quando nós entendemos a dinâmica de Deus, queremos nos prender a esse amor e como a viúva do Evangelho, oferecermos tudo o que temos”.

Para o frade, Santo Antônio indica uma nova postura: “Ele entendia que sua vida era um serviço total a Deus e por isso se entregava por inteiro em tudo o que fazia. Se era para rezar, rezava com disposição total. Se era para trabalhar, não media esforços. Passava horas estudando, servindo, ouvindo, ajudando”.

O pregador contou que quando era criança, não entendia por que o pãozinho de Santo Antônio não tinha uma salsicha, por exemplo. “Com o tempo percebi que este pão não é só para alimentar, ele é símbolo. Todos nós temos símbolos. E esses pãezinhos nos pés da imagem de Santo Antônio simbolizam um grande homem que soube partilhar sua vida e seus pães”, ensinou, contando a seguinte história: “Em certa ocasião bateu às portas do convento uma pessoa que necessitava de pão para comer. Antônio foi até a cozinha e viu no cesto apenas um pão, e já estava na hora da refeição. Mas, mesmo assim, pegou o pão e deu ao necessitado. O guardião viu a cena e ficou preocupado, pois faltaria o alimento para os frades. Mas Antônio, com muita devoção, sentiu que nada faltaria. Por isso, foi até a cozinha e levantou o pano que cobria o cesto e onde antes estava vazio, milagrosamente, apareceram pães ainda mais gostosos”.

E Frei Gabriel completou: “Sua vocação foi totalmente dedicada a alimentar quem tem fome de Deus. A sua vocação só teve sentido quando ela se doou por inteiro. Assim como Santo Antônio nós também queremos viver o pão da caridade. Esse pão é símbolo. Quando nós nos alimentamos dele, alimentamos da vontade também de alimentar os nossos irmãos com nossos dons”.

“Quem é capaz de se doar por inteiro e entende sua vida como um gesto de amor, é alimentado por novos e mais deliciosos dons. Ter em nossa mente a preocupação de fazer o bem, fazer o que é certo nos ajuda a servir a Deus oferecendo a nossa vida como gesto concreto. Nós não queremos esconder nossos dons, mas mesmo que sejam poucos, vamos oferecer a Deus, e ele multiplicará o que ofertamos!”, enfatizou.

Ele fechou sua pregação com um poema de seu confrade, Frei Rui Guido Depiné, que faleceu no dia 12 de junho de 2020, com o título “O Caminho do Pão”, e foi muito aplaudido.

Felizes aqueles que preparam a terra.

Felizes os que lavram o chão.

Felizes os que semeiam a semente.

Felizes os que cuidam da plantação.

Felizes os que produzem o trigo.

Felizes os que semeiam as espigas.

Felizes os que transportam a colheita.

Felizes os que moem o grão.

Felizes aqueles que o transformam em alimento.

Muito mais felizes aqueles que repartem seu pão.

Neste domingo (11/6), no 12º dia, o tema da Trezena “Santo Antônio: um religioso como exemplo de sim a Deus!”, na Missa das 10h.

CARREATA E PARTILHA DO BOLO

O Santo mais querido do mundo inteiro, Santo Antônio deixou o seu Convento no Largo da Carioca, neste sábado, e foi experimentar a sua popularidade exatamente no local que concentra as ruas mais tumultuadas do Rio de Janeiro: o Saara. Ao contrário do deserto, onde só se ouve o vento, no centro histórico da Cidade Maravilhosa, assim como na 25 de Março, em São Paulo, quem grita mais vende mais.

O Saara é uma sigla que significa: Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega, formada pelas ruas: dos Andradas, Buenos Aires, Uruguaiana, Senhor dos Passos, Praça da República, Regente Feijó e da Alfândega.

Segundo Frei Gustavo Medella, desde o dia 31 de maio, quando teve início a Trezena, a Imagem Peregrina de Santo Antônio está visitando especialmente a vizinhança do Convento mais antigo do Rio de Janeiro.

Essa região central não poderia ficar de fora do programa, explicou o frade. “Esse é o objetivo, ir ao encontro das pessoas, como fazia Santo Antônio no seu tempo. Ver as pessoas acenando nas ruas enquanto a imagem percorria as ruas do comércio, ver a devoção das pessoas é sempre emocionante. E o povo carioca aplaudiu o dono da sua querida e mais antiga festa popular”, disse Frei Gustavo Medella.

(toque nas imagens para ampliá-las)

A carreta retornou para o Largo da Carioca, onde o aniversariante, o Convento Santo Antônio, ganhou um bolo gigante com as velinhas de sua idade: 415 anos. Coube ao Ministro Provincial, Frei Paulo Roberto Pereira, e o presidente da Sociedade dos Amigos da Rua da Carioca e Adjacências (SARCA), sr. Roberto Coury, cortarem o bolo, que foi distribuído para o povo com vivas e “Parabéns”. A 1ª Carreata de Santo Antônio contou com o apoio da Polícia Militar, da Guarda Municipal, da Fecomércio e suas entidades e foi promovida em parceria com a SARCA. No apoio do carro de som, o sonoplasta e comunicador Toninho Bondade.

Neste domingo, a Imagem Peregrina, vai visitar a Rádio Tupi, o Cristo Redentor, a Capela Nossa Senhora dos Anjos, das Irmãs Clarissas, na Gávea, e a Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, na Rocinha, onde está a outra Fraternidade Franciscana desta Província.

O CANTO DA RUA

Tânia Ramos, coordenadora da Pastoral Povo da Rua, explicou que o Coral Canto da Rua foi fundado há sete anos. “Nós inauguramos aqui, na Missa do Meio Ambiente, há sete anos. Para a gente é muita alegria estar aqui, embora estivemos outras vezes, mas cantando solenemente é a segunda vez. Para a gente está sendo um momento de muita fé também, porque cada um, que cada uma, professa a sua fé. Não é porque esse povo já viveu na rua que tenha se afastado de Deus. Pelo contrário, está até mais perto. Porque através da música a gente reconhece Deus, a pessoa de Jesus Cristo, assim como o Frei falou, que Jesu veio para os mais pobres. Então, o povo que aqui canta hoje, cada um representa esse Cristo vivo no meio de nós”, disse.

Segundo Tânia, o Coral nasceu durante a Olimpíadas no Rio, através do projeto social de uma Ong de Londres que tinha por objetivo fazer com que o povo que estava na rua não ficasse invisível. “Então, veio toda a mobilização e, na Catedral Metropolitana, onde a gente ainda ensaia, muita gente se apresentou. Fizemos uma roda de conversa e muitos aceitaram a proposta e estão desde o começo no Coral. A gente tem uma gama de sucessos em volta dessa proposta que foi o Coral. Mas como era um projeto, acabou. Aí a gente falou: Vamos continuar. O Vicariato da Caridade Social e da Pastoral do Povo de Rua abraçaram esse projeto”, contou. Nesta apresentação, Vítor foi o maestro e Robson Almeida Alves, que é tenor do Teatro Municipal, o organista.

PROGRAME-SE

No dia 13 de junho, dia do Santo, serão celebradas missas a partir das 6h, com bênçãos, distribuição dos pães e barracas com todas as comidas típicas das comemorações juninas. A expectativa é de que um grande número de fiéis, tanto do Rio quanto de outras localidades, passe pelo Convento neste período de Trezena e Festa.

As Missas e bênçãos no Convento Santo Antônio terão os seguintes horários: 6h, 8h, 10h, 12h, 15h e 18h, ficando para as 11h a Missa de Santo Antônio no Santuário do Cristo Redentor, com bênção e distribuição dos pães.


Equipe de Comunicação da Província da Imaculada 

 

Download Best WordPress Themes Free Download
Free Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
download udemy paid course for free
download redmi firmware
Free Download WordPress Themes
udemy paid course free download

Conteúdo Relacionado