Província

Uma história de 335 anos

No dia 15 de julho de 2020, quando a Ordem dos Frades Menores celebra a festa litúrgica de São Boaventura de Bagnoregio (1217-1274), a nossa Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil celebra seus 345 anos de existência.

Foi no dia 15 de julho de 1675 que o Papa Clemente X, mediante a Bula Pastoralis Officii, erigiu oficialmente a Província da Imaculada Conceição do Brasil, desmembrada da Província de Santo Antônio do Brasil, esta erigida como Província no dia 24 de agosto de 1657.

A Província da Imaculada Conceição do Brasil, ao ser criada, contava com 10 conventos. O mais antigo era o convento São Francisco, em Vitória (ES), construído em 1591. Desse convento só permanece parte da fachada e algumas ruínas, local da atual Cúria da Arquidiocese de Vitória. O segundo convento, sem dúvida o mais importante da nova Província da Imaculada Conceição do Brasil, é o Convento de Santo Antônio do Rio de Janeiro, construído em 1608. Este convento foi a sede provincial por dois séculos, bem como o principal centro de formação dos frades nos estudos da filosofia e da teologia, chegando a ter uma das mais ricas bibliotecas do Brasil.

Os demais conventos da nova Província, por ordem de sequência, foram: Convento Santo Antônio de Santos, SP, 1640; Convento São Francisco em São Paulo, SP, 1642 (foto acima); Convento São Boaventura em Macacu, RJ, 1649 (em ruínas); Convento de Nossa Senhora da Penha, ES, 1650; Convento São Bernardino em Angra dos Reis, RJ, 1650 (ruínas); Convento Nossa Senhora da Conceição em Itanhaém, SP, 1654 (ruínas); Convento Nossa Senhora do Amparo em São Sebastião, SP, 1658, e Convento Santa Clara em Taubaté, SP, 1674, convento que atualmente pertence aos Frades Capuchinhos.

A Província Franciscana da Imaculada Conceição está presente no Brasil e em Angola. No Brasil, temos fraternidades nos Estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo, agrupadas em Regionais. Em Angola, temos fraternidades nas cidades de Luanda, Viana, Malange e Quibala, que constituem a Fundação Imaculada Mãe de Deus de Angola – FIMDA.

Em âmbito provincial, a animação e coordenação de nossa vida e missão são feitas pelo Capítulo Provincial, pelo Ministro Provincial com seu Definitório, pelo Secretariado para a Evangelização e pelo Secretariado para a Formação e os Estudos.

Esta tarefa de governo conta com uma Secretaria, os Serviços de Comunicação e Arquivo, o Economato e uma Assessoria Jurídica.

A Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil é uma Entidade sem fins lucrativos, de caráter religioso, beneficente, educativo, cultural e de assistência social.

A RESTAURAÇÃO

O período do florescimento da Província durou cerca de 100 anos, quando uma forte crise abalou os Frades Menores, advinda do Decreto de Marquês de Pombal (1764) proibindo a recepção de novos membros na Ordem dos Frades Menores. Este decreto, contudo, foi revogado em 1777. Mas o auge da crise começou com o decreto de 18 de maio de 1855, que proibiu a recepção de noviços para todas as ordens religiosas no Brasil. Esta campanha antirreligiosa desencadeada pelo Império Brasileiro fez com que a Província de Santo Antônio se reduzisse a apenas nove frades e a nossa Província da Imaculada Conceição a um único frade, Frei João do Amor Divino Costa (foto acima), que residia no Convento Santo Antônio do Rio de Janeiro.

Se a escravidão foi abolida em 1888, os franciscanos e as demais ordens religiosas continuaram a clamar junto ao governo brasileiro pela liberdade espiritual que continuava sendo escravizada. Somente aos 07 de janeiro de 1890, extinguindo o padroado, a circular de 18 de maio de 1855 que proibia a entrada de noviços e ordens religiosas aqui no Brasil perdeu sua validade. Por isso, depois de várias tratativas entre a Cúria Geral e a Santa Sé, a Província da Santa Cruz da Saxônia (Alemanha) aceitou o desafio de enviar novos missionários franciscanos ao Brasil.

Assim, no dia 10 de julho de 1891 chegaram ao Brasil, ou mais precisamente no vilarejo de Teresópolis, SC, os quatro pioneiros da restauração da Província da Imaculada, a saber: Frei Armando Bahlmann, Frei Xisto Maiwes, Frei Humberto Themans e Frei Maurício Schmalor.

O recomeço se dá na pequena vila de colonização alemã, Teresópolis – SC, cuja paróquia foi oficialmente entregue aos frades no dia 12 de novembro de 1891 e tinha 14 povoados, sendo que boa parte da população era de confissão luterana.

Assim, a pequena e primitiva Fraternidade de Teresópolis foi tomando corpo com a chegada de novos frades missionários vindos da Província da Saxônia e, consequentemente, novas fundações franciscanas foram surgindo: Lages, Blumenau, Rodeio, Petrópolis, Curitiba. E a partir de 1900 outras novas comunidades, como: Gaspar, Curitibanos, Santo Amaro da Imperatriz, Quissamã, Palmas, Florianópolis. E alguns dos conventos da antiga Província, os que ainda ofereciam condições de uso, também foram se transformando em residência dos frades.

O projeto da restauração da vida franciscana no Brasil fez com que a Província de Santa Cruz da Saxônia, Alemanha, enviasse mais de 200 frades alemães. Essa vinda de missionários foi tão significativa que no dia 14 de setembro de 1901, após 10 anos de atividades missionárias, as duas antigas Províncias Franciscanas (Santo Antônio no Nordeste e Imaculada Conceição no Sul) voltaram a ser Províncias independentes.