Vocacional - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Reflexão para esta Quinta-feira Santa

24/03/2016

 

Frei Vitor Amâncio, ofm

“Vós chamais-Me Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque o sou. Se Eu, que sou Mestre e Senhor, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo, para que, assim como Eu fiz, vós façais também”.

Contemplamos hoje a passagem do Êxodo na qual o Senhor institui a memória da Páscoa, esta como ceia cujo alimento principal era um cordeiro sem defeito. Seu sangue deveria ser vertido no cair da tarde, consumido e marcar o portal das casas dos hebreus que viviam no Egito.

Tal rito, de memória perpétua, deveria ser feito às pressas, pois a saída da escravidão se aproximava e o povo de Deus para ela deveria estar preparado. Hoje, nós Cristãos vemos uma alusão a Jesus, cordeiro sem mancha, que por seu sangue nos libertou de todo mal e entregando-se em cada eucaristia nos revigora na caminhada da Igreja.

No testemunho de Paulo, o Senhor ao tomar o pão, deu graças e, partindo-o, o entregou aos seus discípulos, assim, partindo um só pão para todos na mesa, Jesus faz com que todos sejam participantes daquela Aliança, nova e eterna, que Ele instituíra. Na língua de Cristo, o dizer: isto é meu corpo; implica dizer o mesmo que: isto sou eu mesmo. Dessa forma Jesus antecipa sua consumação na cruz durante a ceia, entregando-se na totalidade do seu ser a cada um dos seus que ali estavam.

Exatamente por esta razão que no dia de hoje fazemos memória, tanto da passagem do povo de Deus, da escravidão para a liberdade, quanto da entrega total de Cristo na cruz fazendo-nos passar da morte para a vida.

Nesta belíssima passagem do Evangelho, João abre o relato dizendo que Jesus sabendo que chegara sua hora de passar deste mundo para o Pai e tendo amado os seus, amou-os até o fim. Por isso, vemos Jesus que durante a ceia se levanta e, depondo o seu manto, cinge-se com uma toalha (vestimenta típica de um servo naquela época) a fim de lavar os pés dos discípulos. Esse ato mostra a humildade de Cristo, que não se apegou a sua condição, mas assumiu a forma de um escravo (Fl 2,6-7).

Como seguidores de Cristo, essa passagem nos convoca à imitação da minoridade de Nosso Senhor, servo da humanidade, que nos aponta um caminho que não gera vencedores e vencidos, vitoriosos e abatidos, mas somente irmãos em comunhão.

Que neste dia nos deixemos cativar pelo exemplo da humildade de Cristo e que pela força de sua humano-divindade, entregue a nós em cada eucaristia, e nos tornemos cristãos imbuídos na cultura do cuidado com cada um de nossos semelhantes, preferencialmente com os mais simples e desfavorecidos. Lava-pés não se reduz a uma simples memória que evoca um feito de Jesus, mas antes nos impulsiona a cumprir, de forma existencial, o pedido: como eu fiz, vós façais também.

Rezemos também por todos os sacerdotes que hoje celebram seu ofício de perpetuar ao longo da história o mandato: fazei isto em memória de mim. Igualmente, que neste dia possamos rezar como São Francisco: Pasme o homem todo, estremeça a terra inteira, rejubile o céu em altas vozes quando, sobre o altar, estiver nas mãos do sacerdote o Cristo, Filho de Deus vivo! Ó grandeza maravilhosa, ó admirável condescendência! Ó humildade sublime, ó humilde sublimidade! O Senhor do universo, Deus e Filho de Deus, se humilha a ponto de se esconder, para nosso bem, na modesta aparência do pão. Vede, Irmãos, que humildade a de Deus! Derramai ante Ele os vossos corações! Humilhai-vos para que Ele vos exalte! Portanto, nada de vós retenhais para vós mesmos, para que totalmente vos receba quem totalmente se vos dá! (Carta a toda Ordem)

Download WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
udemy free download
download micromax firmware
Download WordPress Themes Free
udemy free download