Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

O Sentido da Vida II

20/09/2001

Frei Hipólito Martendal

Por isso, os antigos diziam que o AMOR é como o fogo que destrói ou separa toda a sujeira do ouro que aspira sempre ser puro.

Recomendaria a quem for ler esta página que lesse primeiro o artigo com igual título no Boletim PVF de fevereiro deste ano. Para tal apenas clique AQUI.

Trata-se de aprofundar a idéia de que em nosso Deus podemos construir uma vida mais cheia de sentido, mais humana e mais feliz. Lá, eu dizia que no Natal descobrimos que Deus quer ser gente com a gente e viver com a gente, cooperar com a gente, preencher e suprir tudo o que nos falta por nossas limitações e fraquezas. Dizia também que as atitudes que Deus toma conosco podem ensinar-nos ainda mais que suas palavras. Vamos agora, na mesma linha de pensamento, ver o que podemos aprender de Deus na Quaresma e Páscoa. Na Quaresma, temos a lição mais difícil.

Todo ser humano adora a idéia de grandeza, de conquistas e grandes realizações. Se ele pessoalmente não tem tão grandes aspirações por saber que é pequeno, fraco e pertencer à classe do povão, pelo menos imagina que seus heróis devem ser grandiosos e fantásticos. Ora Jesus começara sua vida pública, embora como alguém do povo, com dois traços de grandeza. Era detentor de um poder pessoal impressionante e realizava milagres com uma facilidade estonteante. Isto incendiou de tal forma as fantasias e as esperanças do povo, a ponto de Jesus ter de fugir, pois queriam agarrá-lo e fazê-lo Rei à força (Jo 6,15). Aí, vem a difícil lição. Para chegar à grandeza é preciso antes fazer-se pequeno, servir e passar até pela cruz, se o amor ao irmão e a justiça assim o exigirem. E Jesus toma resoluto o caminho de Jerusalém.

E nós chegamos à Quinta-Feira Santa. Aí vem a lição do serviço falada e vivida por Ele no Lava-pés. Ele, o Mestre e Senhor lava os pés até de Judas. É fácil a gente prestar serviços até humildes à pessoa pela qual estamos apaixonados. Mas, lavar os pés de um Judas… Serviços prestados, havia agora condições para a comunhão de irmão com irmão em Cristo-Pão e por Cristo-Amor. E a Ceia é realizada. Laços de amor fecham-se. Mas no grupo, um não se sente bem. “Quanto a Judas, tendo tomado o bocado, saiu imediatamente: era noite” (Jo 13,30). Serviço, comunhão e amor exigem coerência. Não existe espaço para mentiras, falsidades ou segundas intenções. Jesus não precisou expulsar Judas, como estou convencido que Deus não tem necessidade de excluir ou castigar ninguém. A experiência de comunhão e a descoberta do amor de Deus colocam o homem no seu devido lugar.

Comunhão supõe convergência de qualidades básicas: pureza de intenções, limpidez do olhar, autenticidade em cada gesto, em cada contato. Por isso, os antigos diziam que o AMOR é como o fogo que destrói ou separa toda a sujeira do ouro que aspira sempre ser puro. Tendo vivido profundamente estes momentos tão fortes, Jesus começa a falar em sua glorificação e a do Pai. Para nós parece loucura, pois quando a cruz se torna uma certeza já palpável, Jesus fala em glória. Só o herói, só o vencedor é glorificado. Passado por esses momentos mágicos de serviço-amor-comunhão-fraternidade, Jesus podia intuir o verdadeiro objetivo, o significado único e inquestionável de sua existência e do viver de cada um de nós: amar e dar até a vida pelo amado. “Ninguém tem maior amor do que dar a vida por seus amigos”, disse Ele.

E, então, Jesus encontrou sentido para seu drama: paixão e morte para o AMOR triunfar. A lenda diz que Prometeu conquistou o fogo para o uso dos humanos e que Hércules realizou doze tarefas impossíveis para nós. Gêngis Khan conquistou o maior império de todos os tempos. Poderíamos citar muitos outros nomes de heróis que produzimos. Mas Jesus realizou obra infinitamente maior. Tornou o Amor acessível a cada um de nós. Mostrou que só o Amor dá sentido à nossa existência. Revelou que seu Pai e nosso Pai e o AMOR são da mesma natureza. Por isso podia afirmar: ” Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai a não ser por mim” (Jo 14,6). Vida sem amor não é vida. Vida com amor torna-se imortal como o AMOR é imortal e eterno como o próprio Deus. Isto é Páscoa, é ressurreição, é o Homem novo de Jesus. Unidos a Ele no serviço, na comunhão fraterna e na cruz somos mulheres novas, homens novos, imortais.

Download Best WordPress Themes Free Download
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
lynda course free download
download samsung firmware
Premium WordPress Themes Download
download udemy paid course for free