outubro/2019

  • 3ª feira da 26ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santa Teresinha do Menino Jesus

    Zacarias 8,20-23

    20 Isto diz o Senhor dos exércitos: “Virão ainda povos e habitantes de cidades grandes, 21 dizendo os habitantes de uma para os de outra cidade: ‘Vamos orar na presença do Senhor, vamos visitar o Senhor dos exércitos; eu irei também’. 22 Virão muitos povos e nações fortes visitar o Senhor dos exércitos e orar na presença do Senhor”. 23 Isto diz o Senhor dos exércitos: “Naqueles dias, dez homens de todas as línguas faladas entre as nações vão segurar pelas bordas da roupa um homem de Judá, dizendo: ‘Nós iremos convosco; porque ouvimos dizer que Deus está convosco’”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 86 (87)

    Nós temos ouvido que Deus está convosco.

    O Senhor ama a cidade / que fundou no monte santo; / ama as portas de Sião /
    mais que as casas de Jacó. / Dizem coisas gloriosas / da cidade do Senhor. – R.

    Lembro o Egito e Babilônia / entre os meus veneradores. /
    Na Filisteia ou em Tiro † ou no país da Etiópia, / este ou aquele ali nasceu. /
    De Sião, porém, se diz: † “Nasceu nela todo homem; / Deus é sua segurança”. – R.

    Deus anota no seu livro, † onde inscreve os povos todos: / “Foi ali que estes nasceram”. /
    E por isso todos juntos / a cantar se alegrarão; / e, dançando, exclamarão: / “Estão em ti as nossas fontes!” – R.

    Lucas 9,51-56

    51 Estava chegando o tempo de Jesus ser levado para o céu. Então ele tomou a firme decisão de partir para Jerusalém 52 e enviou mensageiros à sua frente. Estes puseram-se a caminho e entraram num povoado de samaritanos para preparar hospedagem para Jesus. 53 Mas os samaritanos não o receberam, pois Jesus dava a impressão de que ia a Jerusalém. 54 Vendo isso, os discípulos Tiago e João disseram: “Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los?” 55 Jesus, porém, voltou-se e repreendeu-os. 56 E partiram para outro povoado.

    Palavra da Salvação.

    “Ele tomou a firme decisão de partir para Jerusalém”.

    A firme decisão de partir para Jerusalém tomada por Jesus significa assumir a consumação do seu destino que será a morte de cruz. Os discípulos que iam à sua frente ainda não tinham plena consciência de que estavam anunciando a salvação que viria mediante a morte do Senhor na Cruz, morte que daria vida nova a todos. Se eles já tivessem compreendido que Jesus morreria para salvar a todos, não teriam condenado aqueles não quiseram aceitá-los, já que a salvação é para todos que crerem que Jesus é o Senhor, justos e injustos. O que Jesus repreende nos discípulos é a falta de paciência, porque mediante a fé, o seguidor de Cristo pode fazer muitos prodígios e o maior deles é a Misericórdia.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 4ª feira da 26ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória dos Santos Anjos da Guarda

    Êxodo 23,20-23

    Assim diz o Senhor: 20 “Vou enviar um anjo que vá à tua frente, que te guarde pelo caminho e te conduza ao lugar que te preparei. 21 Respeita-o e ouve a sua voz. Não lhe sejas rebelde, porque não suportará as vossas transgressões e nele está o meu nome. 22 Se ouvires a sua voz e fizeres tudo o que eu disser, serei inimigo dos teus inimigos e adversário dos teus adversários. 23 O meu anjo irá à tua frente e te conduzirá à terra dos amorreus, dos hititas, dos ferezeus, dos cananeus, dos eveus e dos jebuseus, e eu os exterminarei”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 90 (91)

    O Senhor deu uma ordem aos seus anjos / para em todos os caminhos te guardarem.

    Quem habita ao abrigo do Altíssimo / e vive à sombra do Senhor onipotente /
    diz ao Senhor: “Sois meu refúgio e proteção, / sois o meu Deus, no qual confio inteiramente”. – R.

    Do caçador e do seu laço ele te livra. / Ele te salva da palavra que destrói. /
    Com suas asas haverá de proteger-te, / com seu escudo e suas armas, defender-te. – R.

    Não temerás terror algum durante a noite / nem a flecha disparada em pleno dia; /
    nem a peste que caminha pelo escuro / nem a desgraça que devasta ao meio-dia. – R.

    Nenhum mal há de chegar perto de ti, / nem a desgraça baterá à tua porta; /
    pois o Senhor deu uma ordem a seus anjos / para em todos os caminhos te guardarem. – R.

    Mateus 18,1-5.10

    Naquela hora, 1 os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Quem é o maior no reino dos céus?” 2 Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles 3 e disse: “Em verdade vos digo, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, não entrareis no reino dos céus. 4 Quem se faz pequeno como esta criança, esse é o maior no reino dos céus. 5 E quem recebe em meu nome uma criança como esta é a mim que recebe. 10 Não desprezeis nenhum desses pequeninos, pois eu vos digo que os seus anjos nos céus veem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus”.

    Palavra da Salvação.

    “Seus anjos nos céus veem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus”.

    O Reino dos Céus é dos pequeninos e daqueles que se fazem pequenos, menores neste mundo, não fazendo impor sua vontade sobre os outros; não julgando os irmãos, mas sendo misericordioso; acolhendo os desfavorecidos; fazendo sobretudo a Vontade de Deus. Estes serão acolhidos no Reino dos Céus e quem a estes acolhem, acolhe o próprio Cristo Jesus, porque, Cristo é à imagem dos pequeninos.

    Ele que sendo o Filho de Deus veio até nós e partilhou dos nossos sofrimentos; viveu entre os desfavorecidos; mesmo sendo o Rei do universo, não julgou a ninguém, mas foi misericordioso até mesmo com aquele que o negou três vezes; sobretudo, tudo o que Jesus fez era Vontade do Pai.

    Aos que agem dessa forma, o Pai confia a especial proteção de seus anjos para que os amparem, os guardem, os protejam e os iluminem.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 5ª feira da 26ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Neemias 8,1-12

    Naqueles dias, 1 todo o povo se reuniu como um só homem na praça que fica defronte da porta das Águas e pediu ao escriba Esdras que trouxesse o livro da lei de Moisés, que o Senhor havia prescrito a Israel. 2 O sacerdote Esdras apresentou a lei diante da assembleia de homens, de mulheres e de todos os que eram capazes de compreender. Era o primeiro dia do sétimo mês. 3 Assim, na praça que fica defronte da porta das Águas, Esdras fez a leitura do livro, desde o amanhecer até o meio-dia, na presença dos homens, das mulheres e de todos os que eram capazes de compreender. E todo o povo escutava com atenção a leitura do livro da lei. 4 Esdras, o escriba, estava de pé sobre um estrado de madeira, erguido para esse fim. 5 Estando num lugar mais alto, ele abriu o livro à vista de todo o povo. E, quando o abriu, todo o povo ficou de pé. 6 Esdras bendisse o Senhor, o grande Deus, e todo o povo respondeu, levantando as mãos: “Amém! Amém!” Depois, inclinaram-se e prostraram-se diante do Senhor com o rosto em terra. 7 Os levitas explicavam a lei ao povo, e cada um ficou em seu lugar. 8 E leram clara e distintamente o livro da lei de Deus e explicaram seu sentido, de maneira que se pudesse compreender a leitura. 9 O governador Neemias e Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas que instruíam o povo disseram a todos: “Este é um dia consagrado ao Senhor, vosso Deus! Não fiqueis tristes nem choreis”, pois todo o povo chorava ao ouvir as palavras da lei. 10 E Neemias disse-lhes: “Ide para vossas casas e comei carnes gordas, tomai bebidas doces e reparti com aqueles que nada prepararam, pois este dia é santo para o nosso Senhor. Não fiqueis tristes, porque a alegria do Senhor será a vossa força”. 11 E os levitas acalmavam todo o povo, dizendo: “Ficai tranquilos; hoje é um dia santo. Não vos aflijais!” 12 E todo o povo se retirou para comer e beber. Distribuíram também aos outros e expandiram-se em grande alegria, pois haviam entendido as palavras que lhes tinham sido explicadas.

    Palavra do Senhor.

    Sl 18(19)

    Os ensinos do Senhor são sempre retos, / alegria ao coração.

    A lei do Senhor Deus é perfeita, / conforto para a alma! /
    O testemunho do Senhor é fiel, / sabedoria dos humildes. – R.

    Os preceitos do Senhor são precisos, / alegria ao coração. /
    O mandamento do Senhor é brilhante, / para os olhos é uma luz. – R.

    É puro o temor do Senhor, / imutável para sempre. /
    Os julgamentos do Senhor são corretos / e justos igualmente. – R.

    Mais desejáveis do que o ouro são eles, / do que o ouro refinado. /
    Suas palavras são mais doces que o mel, / que o mel que sai dos favos. – R.

    Lucas 10,1-12

    Naquele tempo, 1 o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. 2 E dizia-lhes: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita. 3 Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. 4Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! 5 Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘A paz esteja nesta casa!’ 6 Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. 7 Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa. 8 Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, 9 curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: ‘O reino de Deus está próximo de vós’. 10 Mas, quando entrardes numa cidade e não fordes bem recebidos, saindo pelas ruas, dizei: 11 ‘Até a poeira de vossa cidade, que se apegou aos nossos pés, sacudimos contra vós. No entanto, sabei que o reino de Deus está próximo’. 12 Eu vos digo que, naquele dia, Sodoma será tratada com menos rigor do que essa cidade”.

    Palavra da Salvação.

    O discípulo de Jesus não tem uma missão exclusiva dele, mas sua missão é uma extensão da missão de Cristo, por isso, ele vai onde o próprio Cristo devia ir, sendo o perfeito sinal de sua presença.

    Existem três virtudes que o Servo de Deus deve anunciar durante seu trabalho na grande messe: a humildade expressa no modo simples de ir pelo mundo levando pouca coisa consigo e desapegado até mesmo de sua segurança de ir entre os pacíficos, mas indo como um cordeiro no meio de lobos. A segunda virtude é a misericórdia, fazer-se igual aos simples e transmitir o grande bem que é o Reino de Deus. A terceira virtude é a paz, esta é o grande diferencial da pregação de Jesus que, diferente dos poderosos deste mundo que julgam e oprimem, Ele mesmo pede que sejamos pacíficos, pacientes conosco mesmos e com nossos irmãos e, mesmo com aqueles que não aceitam a sua paz, devemos anunciar o Reino de Deus de forma humilde, misericordiosa e paciente.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6ª feira da 26ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São Francisco de Assis

    Baruc 1,15-22

    15 Ao Senhor nosso Deus cabe justiça; enquanto a nós, resta-nos corar de vergonha, como acontece no dia de hoje aos homens de Judá e aos habitantes de Jerusalém, 16 aos nossos reis, nossos príncipes e sacerdotes, aos nossos profetas e nossos antepassados: 17 pois pecamos diante do Senhor e lhe desobedecemos, 18 e não ouvimos a voz do Senhor, nosso Deus, que nos exortava a viver de acordo com os mandamentos que ele pôs sob os nossos olhos. 19 Desde o dia em que o Senhor tirou nossos pais do Egito até hoje, temos sido desobedientes ao Senhor nosso Deus, procedemos inconsideradamente, deixando de ouvir sua voz; 20 por isso, perseguem-nos as calamidades e a maldição que o Senhor nos lançou por meio de Moisés, seu servo, no dia em que tirou nossos pais do Egito para nos dar uma terra que mana leite e mel, como de fato é hoje. 21 Mas não escutamos a voz do Senhor, nosso Deus, como vem nas palavras dos profetas que ele nos enviou, 22 e entregamo-nos, cada qual, às inclinações do perverso coração, para servir a outros deuses e praticar o mal aos olhos do Senhor, nosso Deus!

    Palavra do Senhor.

    Sl 78(79)

    Por vosso nome e vossa glória, / libertai-nos, ó Senhor!

    Invadiram vossa herança os infiéis, † profanaram, ó Senhor, o vosso templo, /
    Jerusalém foi reduzida a ruínas! / Lançaram aos abutres, como pasto, / os cadáveres dos vossos servidores; /
    e às feras da floresta entregaram / os corpos dos fiéis, vossos eleitos. – R.

    Derramaram o seu sangue como água † em torno das muralhas de Sião, /
    e não houve quem lhes desse sepultura! / Nós nos tornamos o opróbrio dos vizinhos,
    † um objeto de desprezo e zombaria / para os povos e àqueles que nos cercam. /
    Mas até quando, ó Senhor, veremos isso? † Conservareis eternamente a vossa ira? /
    Como fogo arderá a vossa cólera? – R.

    Não lembreis as nossas culpas do passado, † mas venha logo sobre nós vossa bondade, /
    pois estamos humilhados em extremo. – R.

    Ajudai-nos, nosso Deus e salvador! † Por vosso nome e vossa glória, libertai-nos! /
    Por vosso nome, perdoai nossos pecados! – R.

    Lucas 10,13-16

    Naquele tempo, disse Jesus: 13 “Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e Sidônia tivessem sido realizados os milagres que foram feitos no vosso meio, há muito tempo teriam feito penitência, vestindo-se de cilício e sentando-se sobre cinzas. 14 Pois bem, no dia do julgamento, Tiro e Sidônia terão uma sentença menos dura do que vós. 15 Ai de ti, Cafarnaum! Serás elevada até o céu? Não, tu serás atirada no inferno. 16 Quem vos escuta a mim escuta; e quem vos rejeita a mim despreza; mas quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou”.

    Palavra da Salvação.

    “Quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou”.

    Fica claro nas palavras de Jesus que quanto maior o anúncio, maiores serão as exigências e maior é o erro dos que o negam. Embora os sentidos dos homens sejam iguais, a capacidade de sentir é diferente em cada indivíduo. Para alguns, poucas palavras bastam para a conversão e a outros, nem mesmo o exemplo é capaz de converter. É o que diz das cidades de Tiro e Sidônia. Se os exemplos dados em Corazim e Betsaida fossem dados nelas, haveria muito mais conversões.

    Além disso, quem rejeita o exemplo rejeita também aquele que dá o exemplo, principalmente em se tratando de Jesus e de seus discípulos, que anunciam a conversão dos corações para Deus, o que já havia sendo feito também pelos profetas. Sendo o exemplo dado por eles a proximidade com Deus que é Pai e a conversão dos corações para Ele, negando fazer isso, nega-se também a relação com o próprio Deus.

    Reflexão feita pelos noviços

  • Sábado da 26ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Baruc 4,5-12.27-29

    5 Coragem, meu povo, que sois a lembrança viva de Israel: 6 fostes vendidos às nações, mas não para serdes exterminados; por terdes provocado a ira de Deus é que fostes entregues aos inimigos. 7 Exasperastes aquele que vos criou, oferecendo sacrifícios aos demônios, e não a Deus. 8 Esquecestes o Deus que vos alimentou, o Deus eterno, e entristecestes aquela que vos nutriu, Jerusalém. 9 Ela viu desabar sobre vós a ira de Deus e disse: “Escutai, vizinhas de Sião: Deus fez cair sobre mim uma grande aflição. 10 Eu vi o cativeiro de meus filhos e filhas, que o Eterno lhes infligiu. 11 Eu os havia criado com alegria; com lágrimas e luto os vi partir. 12 Ninguém se alegre por ver-me viúva e abandonada por muitos! Por causa dos pecados de meus filhos, fiquei deserta; eles se desviaram da lei de Deus. 27 Animai-vos, meus filhos, e clamai a Deus; ele, que vos fez sofrer, há de lembrar-se de vós. 28 Como por livre vontade vos desviastes de Deus, agora, voltando, buscai-o com zelo dez vezes maior; 29aquele que trouxe sofrimento para vós, para vós trará, com a vossa salvação, eterna alegria”.

    Palavra do Senhor.

    Salmo Responsorial: 68(69)

    Nosso Deus atende a prece dos seus pobres.

    Humildes, vede isto e alegrai-vos: † o vosso coração reviverá / se procurardes o Senhor continuamente! /
    Pois nosso Deus atende à prece dos seus pobres / e não despreza o clamor de seus cativos. /
    Que céus e terra glorifiquem o Senhor / com o mar e todo ser que neles vive! – R.

    Sim, Deus virá e salvará Jerusalém, † reconstruindo as cidades de Judá, /
    onde os pobres morarão, sendo seus donos. / A descendência de seus servos há de herdá-las,
    † e os que amam o santo nome do Senhor / dentro delas fixarão sua morada! – R.

    Lucas 10,17-24

    Naquele tempo, 17 os setenta e dois voltaram muito contentes, dizendo: “Senhor, até os demônios nos obedeceram por causa do teu nome”. 18 Jesus respondeu: “Eu vi satanás cair do céu como um relâmpago. 19 Eu vos dei o poder de pisar em cima de cobras e escorpiões e sobre toda a força do inimigo. E nada vos poderá fazer mal. 20 Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos obedecem. Antes, ficai alegres porque vossos nomes estão escritos no céu”. 21 Naquele momento, Jesus exultou no Espírito Santo e disse: “Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 22 Tudo me foi entregue pelo meu Pai. Ninguém conhece quem é o Filho, a não ser o Pai; e ninguém conhece quem é o Pai, a não ser o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar”. 23 Jesus voltou-se para os discípulos e disse-lhes em particular: “Felizes os olhos que veem o que vós vedes! 24 Pois eu vos digo que muitos profetas e reis quiseram ver o que estais vendo e não puderam ver; quiseram ouvir o que estais ouvindo e não puderam ouvir”.

    Palavra da Salvação.

    “Ficai alegres porque vossos nomes estão escritos no céu”.

    Cada um recebe de Deus os dons necessários para cumprir suas vocações. Existem os que têm o dom de falar, o dom da música, o dom da literatura, o dom da paternidade/maternidade, mas mesmo que estes dons sejam bem usados, eles não são mais importantes do que entrar no reino dos Céus.

    Jesus não diz que os discípulos estão errados em se alegrar com os dons que Ele os conferiu e, além disso, afirma “Eu vos dei o poder”, mas este poder não é o bem em si, e sim, foi dado em vista do bem maior que é revelar o Reino de Deus, conduzir para o Reino de Deus e entrar no Reino de Deus.

    Nossos dons também são “poderes” dados por Jesus em vista deste bem de todos por causa de Cristo que é a revelação do Reino dos Céus e, a cada dia, temos o dever de colocar estes nossos dons à disposição d’Ele, para que sejamos inscritos também nele, não como um benefício pelo nosso trabalho, mas porque desde hoje entendemos o que é viver o amor do Reino dos Céus.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 27º domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Habacuc 1,2-3; 2,2-4

    2 Senhor, até quando clamarei, sem me atenderes? Até quando devo gritar a ti: “Violência!”, sem me socorreres? 3 Por que me fazes ver iniquidades quando tu mesmo vês a maldade? Destruições e prepotência estão à minha frente; reina a discussão, surge a discórdia. 2,2 Respondeu-me o Senhor, dizendo: “Escreve esta visão, estende seus dizeres sobre tábuas, para que possa ser lida com facilidade. 3 A visão refere-se a um prazo definido, mas tende para um desfecho e não falhará; se demorar, espera, pois ela virá com certeza e não tardará. 4 Quem não é correto vai morrer, mas o justo viverá por sua fé”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 94(95)

    Não fecheis o coração; ouvi vosso Deus!

    Vinde, exultemos de alegria no Senhor, / aclamemos o rochedo que nos salva! /
    Ao seu encontro, caminhemos com louvores / e, com cantos de alegria, o celebremos! – R.

    Vinde, adoremos e prostremo-nos por terra, / e ajoelhemos ante o Deus que nos criou! /
    Porque ele é o nosso Deus, nosso pastor, † e nós somos o seu povo e seu rebanho, /
    as ovelhas que conduz com sua mão. – R.

    Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: / “Não fecheis os corações como em Meriba, /
    como em Massa, no deserto, aquele dia, † em que outrora vossos pais me provocaram, /
    apesar de terem visto as minhas obras”. – R.

    2 Timóteo 1,6-8.13-14

    Caríssimo, 6exorto-te a reavivar a chama do dom de Deus que recebeste pela imposição das minhas mãos. 7 Pois Deus não nos deu um espírito de timidez, mas de fortaleza, de amor e sobriedade. 8 Não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor nem de mim, seu prisioneiro, mas sofre comigo pelo evangelho, fortificado pelo poder de Deus. 13 Usa um compêndio das palavras sadias que de mim ouviste em matéria de fé e de amor em Cristo Jesus. 14Guarda o precioso depósito com a ajuda do Espírito Santo, que habita em nós.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 17,5-10

    Naquele tempo, 5 os apóstolos disseram ao Senhor: “Aumenta a nossa fé!” 6 O Senhor respondeu: “Se vós tivésseis fé, mesmo pequena como um grão de mostarda, poderíeis dizer a esta amoreira: ‘Arranca-te daqui e planta-te no mar’, e ela vos obedeceria. 7 Se algum de vós tem um empregado que trabalha a terra ou cuida dos animais, por acaso vai dizer-lhe, quando ele volta do campo: ‘Vem depressa para a mesa’? 8 Pelo contrário, não vai dizer ao empregado: ‘Prepara-me o jantar, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo; depois disso, tu poderás comer e beber’? 9 Será que vai agradecer ao empregado, porque fez o que lhe havia mandado? 10 Assim também vós, quando tiverdes feito tudo o que vos mandaram, dizei: ‘Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer’”.

    Palavra da Salvação.

    “Se vós tivésseis fé”.

    O clamor vindo dos Apóstolos “Aumenta nossa fé” é um grande sinal de humildade. Somente sendo humilde e reconhecendo que para Deus nada é impossível que se chega à fé.

    O momento em que os discípulos pedem ao Senhor para lhes aumentar a fé marca um momento de grande humildade entre eles, porque é necessário reconhecer-se incapaz, reconhecer que realmente tem pouca fé, reconhecer os limites das próprias forças para então ter a coragem para pedir ajuda.

    É bom que tenhamos esse reconhecimento, porque nenhum discípulo por si só conseguiria fazer nada, já que sua fé é menor que um grão de mostarda.

    Por isso, para ter verdadeira fé é necessário ser cada vez mais humilde e, cada vez mais, reconhecer-se necessitado da graça do Senhor e que é Ele quem opera todas as coisas através de seus discípulos. Até chegar a tal confiança, a ponto de reconhecer que, mesmo que façamos tudo o que podemos fazer com nossas forças, isso não é muito para o Senhor, Ele ainda vai pedir mais. E o discípulo, se realmente tiver alcançado a verdadeira humildade, não vai entregar-se à soberba de gloriar-se por algo que fez mas, vai sentir-se inútil sozinho e tudo aquilo que fizer será a Vontade do Senhor.

     Reflexão feita pelos noviços

  • Sem eventos
  • 3ª feira da 27ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Jonas 3,1-10

    1 A palavra do Senhor foi dirigida a Jonas pela segunda vez: 2 “Levanta-te e põe-te a caminho da grande cidade de Nínive e anuncia-lhe a mensagem que eu te vou confiar”. 3 Jonas pôs-se a caminho de Nínive, conforme a ordem do Senhor. Ora, Nínive era uma cidade muito grande; eram necessários três dias para ser atravessada. 4 Jonas entrou na cidade, percorrendo o caminho de um dia; pregava ao povo, dizendo: “Ainda quarenta dias, e Nínive será destruída”. 5 Os ninivitas acreditaram em Deus; aceitaram fazer jejum e vestiram sacos, desde o superior ao inferior. 6 A pregação chegara aos ouvidos do rei de Nínive; ele levantou-se do trono e pôs de lado o manto real, vestiu-se de saco e sentou-se em cima de cinza. 7 Em seguida, fez proclamar em Nínive, como decreto do rei e dos príncipes: “Homens e animais bovinos e ovinos não provarão nada! Não comerão e não beberão água. 8 Homens e animais se cobrirão de sacos, e os homens rezarão a Deus com força; cada um deve afastar-se do mau caminho e de suas práticas perversas. 9 Deus talvez volte atrás, para perdoar-nos e aplacar sua ira, e assim não venhamos a perecer”. 10 Vendo Deus as suas obras de conversão e que os ninivitas se afastavam do mau caminho, compadeceu-se e suspendeu o mal que tinha ameaçado fazer-lhes, e não o fez.

    Palavra do Senhor.

    S 129(130)

    Se levardes em conta nossas faltas, / quem haverá de subsistir?

    Das profundezas eu clamo a vós, Senhor, / escutai a minha voz! /
    Vossos ouvidos estejam bem atentos / ao clamor da minha prece! – R.

    Se levardes em conta nossas faltas, / quem haverá de subsistir? /
    Mas em vós se encontra o perdão, / eu vos temo e em vós espero. – R.

    Espere Israel pelo Senhor / mais que o vigia pela aurora! /
    Pois no Senhor se encontra toda graça / e copiosa redenção. /
    Ele vem libertar a Israel / de toda a sua culpa. – R.

    Lucas 10,38-42

    Naquele tempo, 38 Jesus entrou num povoado e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. 39 Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor e escutava a sua palavra. 40 Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!” 41 O Senhor, porém, lhe respondeu: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. 42Porém uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte, e esta não lhe será tirada”.

    Palavra da Salvação.

    “Marta, recebeu-o em sua casa. Maria escolheu a melhor parte”.

    As duas irmãs, Marta e Maria, trazem imagens muito comuns para a vida religiosa, sendo Marta associada à ação e Maria à contemplação. Marta abre espaço para que Jesus entre em sua casa, sua vida, logo, dá espaço para acolher sua Palavra, porém, mesmo Jesus estando dentro de sua casa e proclamando sua Palavra, suas preocupações com as coisas deste mundo impedem que ela acolha, de fato, Jesus inteiramente.

    Muito facilmente podemos cair neste erro e mesmo sendo fiéis às nossas práticas devocionais, podemos não acolhê-lo completamente em nossas vidas, assim como Maria fez. O erro de Marta não está em se dedicar a seus afazeres, muito pelo contrário, o zelo e o cuidado são dons de Marta, mas ela peca em fazer isso sem ter sua atenção voltada para o Senhor.

    Reflexão feita pelos noviços.

     

  • 4ª feira da 27ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Jonas 4,1-11

    1 Este desfecho causou em Jonas profunda mágoa e irritação; 2 orou então ao Senhor, dizendo: “Peço-te me ouças, Senhor: não era isso que eu receava quando ainda estava em minha terra? Por isso, antecipei-me, fugindo para Társis. Sabia que és um Deus benigno e misericordioso, paciente e cheio de bondade, e que facilmente perdoas a punição. 3 E agora, Senhor, peço que me tires a minha vida, para mim é melhor morrer do que viver”. 4 Disse o Senhor: “Achas que tens boas razões para irar-te?” 5 Jonas saiu da cidade e estabeleceu-se na parte oriental; e ali fez para si uma cabana, onde repousava à sombra, a ver o que ia acontecer à cidade. 6 O Senhor Deus fez nascer uma hera, que cresceu sobre a cabana, para dar sombra à cabeça de Jonas e abrandar seu aborrecimento. E Jonas alegrou-se grandemente por causa da hera. 7 Mas, ao raiar do dia seguinte, Deus determinou que um verme atacasse a hera, e ela secou. 8 Quando o sol se levantou, mandou Deus do oriente um vento quente; e o sol bateu forte sobre a cabeça de Jonas, que se sentiu desfalecer; teve vontade de morrer e disse: “Para mim é melhor morrer do que viver”. 9 Disse Deus a Jonas: “Achas que tens boas razões para irar-te por esta hera?” “Sim”, respondeu ele, “tenho razão até para morrer de raiva”. 10 O Senhor replicou-lhe: “Tu sofres por causa desta planta, que não te custou trabalho e não fizeste crescer, que nasceu numa noite e na outra morreu. 11 E eu não haveria de salvar esta grande cidade de Nínive, em que vivem cento e vinte mil seres humanos que não sabem distinguir a mão direita da esquerda e um grande número de animais?”

    Palavra do Senhor.

    Sl 85(86)

    Ó Senhor, sois amor, paciência e perdão.

    Piedade de mim, ó Senhor, / porque clamo por vós todo o dia! /
    Animai e alegrai vosso servo, / pois a vós eu elevo a minha alma. – R.

    Ó Senhor, vós sois bom e clemente, / sois perdão para quem vos invoca. /
    Escutai, ó Senhor, minha prece, / o lamento da minha oração! – R.

    As nações que criastes virão / adorar e louvar vosso nome. /
    Sois tão grande e fazeis maravilhas: / vós somente sois Deus e Senhor! – R.

    Lucas 11,1-4

    1 Um dia, Jesus estava rezando em certo lugar. Quando terminou, um de seus discípulos pediu-lhe: “Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos”. 2 Jesus respondeu: “Quando rezardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino. 3 Dá-nos a cada dia o pão de que precisamos 4 e perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação’”.

    Palavra da Salvação.

    “Senhor, ensina-nos a rezar”.

    Jesus ensina seus discípulos a rezar, ou seja, como ter uma comunicação mais próxima com Deus. A novidade desta oração – que recebemos de forma direta do próprio Filho de Deus – é reconhecermos que o valor não está em cada pessoa individualmente, mas como nos diz o apóstolo: “formamos um só Corpo”. Chamar a Deus de forma coletiva e comunitária é a grande chave de leitura dos discípulos de Cristo.

    Através do Filho de Deus, aprendemos a chamar a Deus de pai, não “meu”, mas “nosso”. Temos um Pai em comum que pratica a justiça e nos perdoa na mesma medida, que perdoamos as faltas que nossos irmãos e irmãs cometem para conosco.

    Cada vez que se reza esta oração, suplicamos a Deus para que supra as nossas necessidades mais humildes e negamos os bens passageiros. Rezar o Pai-Nosso é o primeiro passo para a caridade.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5ª feira da 27ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Malaquias 3,13-20

    13 “Vossas palavras são duras contra mim, diz o Senhor, e ainda perguntais: 14 ‘Que dissemos contra ti?’ Vós estais dizendo: ‘É coisa inútil servir a Deus; que vantagem tivemos em observar seus preceitos e em levar uma vida severa na presença do Senhor dos exércitos? 15 Portanto, hoje os felizardos são os soberbos, pois consolidaram-se, praticando o mal, e, mesmo provocando a Deus, estão impunes’”. 16 Vieram, entretanto, a falar uns com os outros, os tementes a Deus. O Senhor prestou atenção e ouviu-os; em sua presença foi escrito um livro de feitos notáveis, aberto aos que temem o Senhor e têm seu nome no pensamento. 17 “Serão para mim o tesouro, diz o Senhor dos exércitos, para o dia que eu me reservar; hei de favorecê-los como o pai ao filho que o serve. 18 De novo vereis a distância que há entre o justo e o ímpio, entre o que serve a Deus e o que não o serve. 19 Eis que virá o dia, abrasador como fornalha, em que todos os soberbos e ímpios serão como palha; e esse dia vindouro haverá de queimá-los, diz o Senhor dos exércitos, tal que não lhes deixará raiz nem ramo. 20 Para vós, que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, trazendo salvação em suas asas”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 1

    É feliz quem a Deus se confia!

    Feliz é todo aquele que não anda / conforme os conselhos dos perversos; /
    que não entra no caminho dos malvados / nem junto aos zombadores vai sentar-se; /
    mas encontra seu prazer na lei de Deus / e a medita, dia e noite, sem cessar. – R.

    Eis que ele é semelhante a uma árvore / que à beira da torrente está plantada; /
    ela sempre dá seus frutos a seu tempo, † e jamais as suas folhas vão murchar. /
    Eis que tudo o que ele faz vai prosperar. – R.

    Mas bem outra é a sorte dos perversos. † Ao contrário, são iguais à palha seca /
    espalhada e dispersada pelo vento. / Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, /
    mas a estrada dos malvados leva à morte. – R.

    Lucas 11,5-13

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 5 “Se um de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite e lhe disser: ‘Amigo, empresta-me três pães, 6 porque um amigo meu chegou de viagem e nada tenho para lhe oferecer’, 7 e se o outro responder lá de dentro: ‘Não me incomodes! Já tranquei a porta, e meus filhos e eu já estamos deitados; não me posso levantar para te dar os pães’, 8 eu vos declaro: mesmo que o outro não se levante para dá-los porque é seu amigo, vai levantar-se ao menos por causa da impertinência dele e lhe dará quanto for necessário. 9 Portanto, eu vos digo, pedi e recebereis; procurai e encontrareis; batei e vos será aberto. 10 Pois quem pede, recebe; quem procura, encontra; e para quem bate, se abrirá. 11 Será que algum de vós que é pai, se o filho pedir um peixe, lhe dará uma cobra? 12 Ou ainda, se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? 13 Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!”

    Palavra da Salvação.

    “Pedi e recebereis”.

    Se nosso pai terrestre escuta seus filhos, quanto mais o nosso Pai celeste escuta a cada pedido de seus filhos! Deus sempre nos escuta, mas parece que pouco nos atende. Quantas vezes nos dedicamos, de forma exaustiva, em súplicas e preces a Deus e parece que pouco nos escuta. Na verdade, Ele sempre escuta pacientemente cada pedido nosso, mas nem tudo que é pedido convém ser realizado.

    Deus é o Senhor de tudo e principalmente um ótimo e dedicado Pai, muito melhor que qualquer pai da terra. Ele sabe ponderar as vantagens e desvantagens de nossas escolhas e, muitas vezes, nossas escolhas trarão uma felicidade muito passageira. Se for desse jeito, não é o que Deus deseja para cada um de nós. Ele sempre deseja o melhor de seus filhos e nos concede bens que nutrirão uma felicidade e alegria eternas. Quanto mais pedirmos o Seu Santo Espírito, mais nos dará graça sobre graça em nossas vidas.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6ª feira da 27ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Joel 1,13-15; 2,1-2

    13 Ponde as vestes e chorai, sacerdotes, gemei, ministros do altar. Entrai no templo, deitai-vos em sacos, ministros de Deus; a casa de vosso Deus está vazia de oblações e libações. 14 Prescrevei o jejum sagrado, convocai a assembleia, congregai os anciãos e toda a gente do povo na casa do Senhor, vosso Deus, e clamai ao Senhor: 15 “Ai de nós neste dia!” O dia do Senhor está às portas, está chegando com a força devastadora da tempestade. 2,1 Tocai trombeta em Sião, gritai alerta em meu santo monte; tremam os habitantes da terra, que está chegando o dia do Senhor, ele está às portas. 2 É um dia de escuridão fechada, dia de nuvens e remoinhos; como aurora espraiada nos montes, assim é um povo numeroso e forte, tal como jamais se viu algum outro nem jamais se verá, até os anos de gerações futuras.

    Palavra do Senhor.

    Sl 9A(9)

    O Senhor há de julgar o mundo inteiro com justiça.

    Senhor, de coração vos darei graças, / as vossas maravilhas cantarei! /
    Em vós exultarei de alegria, / cantarei ao vosso nome, Deus altíssimo! – R.

    Repreendestes as nações, e os maus perdestes, / apagastes o seu nome para sempre. /
    Os maus caíram no buraco que cavaram, / nos próprios laços foram presos os seus pés. – R.

    Mas Deus sentou-se para sempre no seu trono, / preparou o tribunal do julgamento; /
    julgará o mundo inteiro com justiça, / e as nações há de julgar com equidade. – R.

    Lucas 11,15-26

    Naquele tempo, Jesus estava expulsando um demônio. 15 Mas alguns disseram: “É por Belzebu, o príncipe dos demônios, que ele expulsa os demônios”. 16 Outros, para tentar Jesus, pediam-lhe um sinal do céu. 17 Mas, conhecendo seus pensamentos, Jesus disse-lhes: “Todo reino dividido contra si mesmo será destruído; e cairá uma casa por cima da outra. 18 Ora, se até satanás está dividido contra si mesmo, como poderá sobreviver o seu reino? Vós dizeis que é por Belzebu que eu expulso os demônios. 19 Se é por meio de Belzebu que eu expulso demônios, vossos filhos os expulsam por meio de quem? Por isso, eles mesmos serão vossos juízes. 20 Mas, se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vós o reino de Deus. 21 Quando um homem forte e bem armado guarda a própria casa, seus bens estão seguros. 22 Mas, quando chega um homem mais forte do que ele, vence-o, arranca-lhe a armadura na qual ele confiava e reparte o que roubou. 23 Quem não está comigo está contra mim. E quem não recolhe comigo dispersa. 24 Quando o espírito mau sai de um homem, fica vagando em lugares desertos à procura de repouso; não o encontrando, ele diz: ‘Vou voltar para minha casa de onde saí’. 25 Quando ele chega, encontra a casa varrida e arrumada. 26 Então ele vai e traz consigo outros sete espíritos piores do que ele. E, entrando, instalam-se aí. No fim, esse homem fica em condição pior do que antes”.

    Palavra da Salvação.

    “Se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vós o Reino de Deus”.

    A vida do ser humano é um constante combate contra os “demônios” que o cercam. Estes assumem a forma: de desejos desenfreados da conquista de bens materiais ou do poder sobre outros; da falta de solidariedade na partilha de dons com os mais humildes; do cultivo de inimizades e desejos ocultos que tendem o mal aos outros dentre muitas formas.

    Jesus exemplifica, como estes “demônios” nos tentam e de como voltam com mais força a cada investida. “Quando o espírito mal sai do homem […]. Então ele vai, e traz consigo outros sete espíritos piores do que ele”. Daí brota a necessidade de se manter nossa casa interior sempre em sintonia com o Pai dos Céus.  Sem o cuidado da vida espiritual é impossível suportar as diversas tentações que podem vir a nos atacar.

    Que Deus, Pai Onipotente, nos conceda a graça de perseverarmos nos obstáculos que a cada dia nos parecem desviarmos de seu santo propósito. Para podermos ser confiantes discípulos da missão de Seu Filho amado, o Senhor Jesus Cristo, que vive pelos anos eternamente com o Espírito.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Sábado da 27ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Solenidade de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil

    Ester 5,1-2; 7,2-3

    1 Ester revestiu-se com vestes de rainha e foi colocar-se no vestíbulo interno do palácio real, frente à residência do rei. O rei estava sentado no trono real, na sala do trono, frente à entrada. 2 Ao ver a rainha Ester parada no vestíbulo, olhou para ela com agrado e estendeu-lhe o cetro de ouro que tinha na mão, e Ester aproximou-se para tocar a ponta do cetro. 7,2 Então o rei lhe disse: “O que me pedes, Ester; o que queres que eu faça? Ainda que me pedisses a metade do meu reino, ela te seria concedida”. 3 Ester respondeu-lhe: “Se ganhei as tuas boas graças, ó rei, e se for de teu agrado, concede-me a vida, eis o meu pedido, e a vida do meu povo, eis o meu desejo!”

    Palavra do Senhor.

    Sl 44(45)

    Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto: / que o rei se encante com vossa beleza!

    Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto: / “Esquecei vosso povo e a casa paterna! /
    Que o rei se encante com vossa beleza! / Prestai-lhe homenagem: é vosso senhor! – R.

    O povo de Tiro vos traz seus presentes, / os grandes do povo vos pedem favores. /
    Majestosa, a princesa real vem chegando, / vestida de ricos brocados de ouro. – R.

    Em vestes vistosas ao rei se dirige, / e as virgens amigas lhe formam cortejo; /
    entre cantos de festa e com grande alegria, / ingressam, então, no palácio real”. – R.

    Apocalipse 12,1.5.13.15-16

    1 Apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos pés e, sobre a cabeça, uma coroa de doze estrelas. 5 E ela deu à luz um filho homem, que veio para governar todas as nações com cetro de ferro. Mas o filho foi levado para junto de Deus e do seu trono. 13 Quando viu que tinha sido expulso para a terra, o dragão começou a perseguir a mulher que tinha dado à luz o menino. 15 A serpente, então, vomitou como um rio de água atrás da mulher a fim de a submergir. 16 A terra, porém, veio em socorro da mulher.

    Palavra do Senhor.

    João 2,1-11

    Naquele tempo, 1 houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente. 2 Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento. 3 Como o vinho veio a faltar, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vinho”. 4 Jesus respondeu-lhe: “Mulher, por que dizes isso a mim? Minha hora ainda não chegou”. 5 Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei o que ele vos disser”. 6 Estavam seis talhas de pedra colocadas aí para a purificação que os judeus costumam fazer. Em cada uma delas cabiam mais ou menos cem litros. 7 Jesus disse aos que estavam servindo: “Enchei as talhas de água”. Encheram-nas até a boca. 8 Jesus disse: “Agora tirai e levai ao mestre-sala”. E eles levaram. 9 O mestre-sala experimentou a água, que se tinha transformado em vinho. Ele não sabia de onde vinha, mas os que estavam servindo sabiam, pois eram eles que tinham tirado a água. 10 O mestre-sala chamou então o noivo e lhe disse: “Todo o mundo serve primeiro o vinho melhor e, quando os convidados já estão embriagados, serve o vinho menos bom. Mas tu guardaste o vinho melhor até agora!” 11 Este foi o início dos sinais de Jesus. Ele o realizou em Caná da Galileia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele.

    Palavra da Salvação.

    “Fazei o que ele vos disser”.

    “Esse foi o início dos sinais de Jesus. Ele realizou em Caná da Galileia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele”. Assim afirma o evangelista, este foi o primeiro sinal que manifestou a glória do Filho de Deus entre os homens, e a partir deste fato os discípulos creram nele.

    Maria desempenha importantíssimo papel no plano salvador da Trindade. Fiel intercessora, torna capaz de olhar para a necessidade dos sedentos de Deus e portar em seu seio a luz redentora de seu Filho, Jesus. Bendita é a grande Mãe de Deus, Maria Santíssima por revelar a misericórdia do Filho que gerou em seu ventre.

    Por meio de sua íntima relação com a Trindade, somos capazes de crer na grandeza redentora de seu Filho amado. Que a Mãe de Deus e nossa, Virgem Imaculada, interceda por nós, pequeninos filhos do Pai celeste, para um dia chegarmos sem mancha, como Ela, à glória eterna, junto a Seu Filho Jesus.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 28º domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    2 Reis 5,14-17

    Naqueles dias, 14 Naamã, o sírio, desceu e mergulhou sete vezes no Jordão, conforme o homem de Deus tinha mandado, e sua carne tornou-se semelhante à de uma criancinha, e ele ficou purificado. 15 Em seguida, voltou com toda a sua comitiva para junto do homem de Deus. Ao chegar, apresentou-se diante dele e disse: “Agora estou convencido de que não há outro Deus em toda a terra, senão o que há em Israel! Por favor, aceita um presente de mim, teu servo”. 16 Eliseu respondeu: “Pela vida do Senhor, a quem sirvo, nada aceitarei”. E, por mais que Naamã insistisse, ficou firme na recusa. 17 Naamã disse então: “Seja como queres. Mas permite que teu servo leve daqui a terra que dois jumentos podem carregar. Pois teu servo já não oferecerá holocausto ou sacrifício a outros deuses, mas somente ao Senhor”.

    Palavra do Senhor.

    Salmo Responsorial: 97(98)

    O Senhor fez conhecer a salvação / e às nações revelou sua justiça.

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / porque ele fez prodígios! /
    Sua mão e o seu braço forte e santo / alcançaram-lhe a vitória. – R.

    O Senhor fez conhecer a salvação / e, às nações, sua justiça; /
    recordou o seu amor sempre fiel / pela casa de Israel. – R.

    Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus. /
    Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / alegrai-vos e exultai! – R.

    2 Timóteo 2,8-13

    Caríssimo, 8 lembra-te de Jesus Cristo, da descendência de Davi, ressuscitado dentre os mortos, segundo o meu evangelho. 9 Por ele eu estou sofrendo até as algemas, como se eu fosse um malfeitor; mas a palavra de Deus não está algemada. 10 Por isso suporto qualquer coisa pelos eleitos, para que eles também alcancem a salvação que está em Cristo Jesus, com a glória eterna. 11 Merece fé esta palavra: se com ele morremos, com ele viveremos. 12 Se com ele ficamos firmes, com ele reinaremos. Se nós o negamos, também ele nos negará. 13 Se lhe somos infiéis, ele permanece fiel, pois não pode negar-se a si mesmo.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 17,11-19

    11 Aconteceu que, caminhando para Jerusalém, Jesus passava entre a Samaria e a Galileia. 12 Quando estava para entrar num povoado, dez leprosos vieram ao seu encontro. Pararam a distância 13 e gritaram: “Jesus, mestre, tem compaixão de nós!” 14 Ao vê-los, Jesus disse: “Ide apresentar-vos aos sacerdotes”. Enquanto caminhavam, aconteceu que ficaram curados. 15 Um deles, ao perceber que estava curado, voltou glorificando a Deus em alta voz; 16 atirou-se aos pés de Jesus, com o rosto por terra, e lhe agradeceu. E este era um samaritano. 17 Então Jesus lhe perguntou: “Não foram dez os curados? E os outros nove onde estão? 18 Não houve quem voltasse para dar glória a Deus, a não ser este estrangeiro?” 19 E disse-lhe: “Levanta-te e vai! Tua fé te salvou”.

    Palavra da Salvação.

    “Não houve quem voltasse para dar glória a Deus, a não ser este estrangeiro”.

    Somente um encontro real com Jesus pode nos curar e suscitar uma fé verdadeira em sua palavra. No Evangelho que lemos hoje, foram dez os leprosos curados pelo encontro com Jesus, destes, nove curam-se superficialmente e somente um abriu seu coração ao caminho libertador de Cristo.

    O samaritano, ao voltar para agradecer, revela não só sua gratidão a cura externa, que o Filho de Deus lhe proporcionou, mas antes a sede que teve da Palavra e da presença de Jesus em sua vida. A fé do samaritano agradecido mostra uma confiança sem limites no poder salvador de Deus e de sua coragem de viver plenamente, segundo a vontade de Seu Espírito.

    Que o Senhor nos conceda imitarmos a este santo samaritano curado no Evangelho. Aprendamos a abrir nossos corações de forma gratuita e generosa à ação de Deus em nossas vidas.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 2ª feira da 28ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Romanos 1,1-7

    1 Paulo, servo de Jesus Cristo, apóstolo por vocação, escolhido para o evangelho de Deus, 2 que pelos profetas havia prometido, nas Escrituras, 3 e que diz respeito a seu Filho, descendente de Davi segundo a carne, autenticado como Filho de Deus com poder pelo Espírito de santidade que o ressuscitou dos mortos, Jesus Cristo, nosso Senhor. 4 É por ele que recebemos a graça da vocação para o apostolado, a fim de podermos trazer à obediência da fé todos os povos pagãos, para a glória de seu nome. 6 Entre esses povos estais também vós, chamados a ser discípulos de Jesus Cristo. 7 A vós todos que morais em Roma, amados de Deus e santos por vocação, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e de nosso Senhor, Jesus Cristo.

    Palavra do Senhor.

    Sl 97(98)

    O Senhor fez conhecer a salvação.

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / porque ele fez prodígios! /
    Sua mão e o seu braço forte e santo / alcançaram-lhe a vitória. – R.

    O Senhor fez conhecer a salvação / e, às nações, sua justiça; /
    recordou o seu amor sempre fiel / pela casa de Israel. – R.

    Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus. /
    Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / alegrai-vos e exultai! – R.

    Lucas 11,29-32

    Naquele tempo, 29 quando as multidões se reuniram em grande quantidade, Jesus começou a dizer: “Esta geração é uma geração má. Ela busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal de Jonas. 30 Com efeito, assim como Jonas foi um sinal para os ninivitas, assim também será o Filho do homem para esta geração. 31 No dia do julgamento, a rainha do Sul se levantará juntamente com os homens desta geração e os condenará. Porque ela veio de uma terra distante para ouvir a sabedoria de Salomão. E aqui está quem é maior do que Salomão. 32 No dia do julgamento, os ninivitas se levantarão juntamente com esta geração e a condenarão. Porque eles se converteram quando ouviram a pregação de Jonas. E aqui está quem é maior do que Jonas”.

    Palavra da Salvação.

    “Nenhum sinal será dado a esta geração, a não ser o sinal de Jonas”.

    Quando a cidade de Nínive estava sufocada por suas atrocidades e pecados diante dos olhos do Senhor, o próprio Deus revelou um sinal: o profeta Jonas, para anunciar ao povo a conversão de seus atos e condutas e oferecerem sacrifícios, afim de expiarem seus delitos. Ao ser suscitado este sinal, toda a cidade se converteu e tornaram-se exemplo de fidelidade a Palavra do Senhor (Jn 3).

    Jesus é agora este sinal e nenhum outro haverá de ser revelado por Deus. Muito maior que um simples sinal, Jesus é presença real, o próprio Deus encarnado na fragilidade humana que vem ao mundo para abrir o ano da graça e da salvação do Deus aos homens que caíram no pecado.

    Crer e praticar a Palavra de Cristo é viver na terra o Reino de Deus projetado por Ele aos homens. Convertamos nossos corações a Deus, o Pai das misericórdias, e construamos um mundo de paz e justiça para toda a humanidade.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3ª feira da 28ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santa Teresa d’Ávila, Virgem e Doutora da Igreja

    Romanos 1,16-25

    Irmãos, 16 eu não me envergonho do evangelho, pois ele é uma força salvadora de Deus para todo aquele que crê, primeiro para o judeu, mas também para o grego. 17 Nele, com efeito, a justiça de Deus se revela da fé para a fé, como está escrito: O justo viverá pela fé. 18 Por outro lado, a ira de Deus se revela, do alto do céu, contra toda a impiedade e iniquidade dos homens que, em sua iniquidade, oprimem a verdade. 19 Pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto aos homens: Deus mesmo lho manifestou. 20 Suas perfeições invisíveis, como o seu poder eterno e sua natureza divina, são claramente conhecidas, através de suas obras, desde a criação do mundo. Assim, eles não têm desculpa 21 por não ter dado glória e ação de graças a Deus como se deve, embora o tenham conhecido. Pelo contrário, enfatuaram-se em suas especulações, e seu coração insensato se obscureceu: 22 alardeando sabedoria, tornaram-se ignorantes 23 e trocaram a glória do Deus incorruptível por uma figura ou imagem de seres corruptíveis: homens, pássaros, quadrúpedes, répteis. 24 Por isso, Deus os entregou com as paixões de seus corações a tal impureza, que eles mesmos desonram seus próprios corpos. 25Trocaram a verdade de Deus pela mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém.

    Palavra do Senhor.

    Sl 18(19A)

    Os céus proclamam a glória do Senhor!

    Os céus proclamam a glória do Senhor, / e o firmamento, a obra de suas mãos; /
    o dia ao dia transmite esta mensagem, / a noite à noite publica esta notícia. – R.

    Não são discursos nem frases ou palavras, / nem são vozes que possam ser ouvidas; /
    seu som ressoa e se espalha em toda a terra, / chega aos confins do universo a sua voz. – R.

    Lucas 11,37-41

    Naquele tempo, 37 enquanto Jesus falava, um fariseu convidou-o para jantar com ele. Jesus entrou e pôs-se à mesa. 38 O fariseu ficou admirado ao ver que Jesus não tivesse lavado as mãos antes da refeição. 39 O Senhor disse ao fariseu: “Vós, fariseus, limpais o copo e o prato por fora, mas o vosso interior está cheio de roubos e maldades. 40 Insensatos! Aquele que fez o exterior não fez também o interior? 41 Antes, dai esmola do que vós possuís e tudo ficará puro para vós”.

    Palavra da Salvação.

    “Dai esmola do que vós possuís e tudo ficará puro para vós”.

    “Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus”, diz Jesus no evangelho segundo Mateus, ao apontar as bem-aventuranças. A pureza de coração exigida nos textos bíblicos e na narração da mensagem de Jesus devem ser a meta desejada por todos os discípulos do bom mestre de Nazaré.

    A atitude do fariseu, que convida Jesus a jantar em sua casa, parece ser bem cordial, no entanto, revela mais nitidamente uma forma de testar Jesus em suas ações mal vistas pelos mestres da lei. Ao deixar de lavar as mãos, o Filho Unigênito de Deus quer dar a oportunidade ao fariseu de compreender o gesto concreto da lei, em seu sentido espiritual. A lavação ou purificação externa deve, antes de tudo, despertar a uma constante purificação do coração, das ações diárias e da busca constante de Deus.

    O Evangelho termina sem revelar o que o fariseu aprendeu. Mas, e quanto a nós? Será que ficamos mudos às inquietações e provocações de conversão que Jesus nos dirige? Será que acolho com bondade a Palavra e faço-a germinar no meu interior e fazer dar bons frutos?

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 4ª feira da 28ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Romanos 2,1-11

    1 Ó homem, qualquer que sejas, tu que julgas, não tens desculpa; pois, julgando os outros, te condenas a ti mesmo, já que fazes as mesmas coisas, tu que julgas. 2Ora, sabemos que o julgamento de Deus se exerce segundo a verdade contra os que praticam tais coisas. 3Ó homem, tu que julgas os que praticam tais coisas e, no entanto, as fazes também tu, pensas que escaparás ao julgamento de Deus? 4Ou será que desprezas as riquezas de sua bondade, de sua tolerância, de sua longanimidade, não entendendo que a benignidade de Deus é um insistente convite para te converteres? 5Por causa de teu endurecimento no mal e por teu coração impenitente, estás acumulando ira para ti mesmo no dia da ira, quando se revelará o justo juízo de Deus. 6Deus retribuirá a cada um segundo as suas obras. 7Para aqueles que, perseverando na prática do bem, buscam a glória, a honra e a incorruptibilidade, Deus dará a vida eterna; 8porém, para os que, por espírito de rebeldia, desobedecem à verdade e se submetem à iniquidade, estão reservadas ira e indignação. 9Tribulação e angústia para toda pessoa que faz o mal, primeiro para o judeu, mas também para o grego; 10glória, honra e paz para todo aquele que pratica o bem, primeiro para o judeu, mas também para o grego; 11pois Deus não faz distinção de pessoas.

    Palavra do Senhor.

    SL 61(62)

    Senhor, pagais a cada um conforme suas obras.

    Só em Deus a minha alma tem repouso, / porque dele é que me vem a salvação! /
    Só ele é meu rochedo e salvação, / a fortaleza onde encontro segurança! – R.

    Só em Deus a minha alma tem repouso, / porque dele é que me vem a salvação! /
    Só ele é meu rochedo e salvação, / a fortaleza onde encontro segurança! – R.

    Povo todo, esperai sempre no Senhor † e abri diante dele o coração: /
    nosso Deus é um refúgio para nós! – R.

    Lucas 11,42-46

    Naquele tempo, disse o Senhor: 42 “Ai de vós, fariseus, porque pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as outras ervas, mas deixais de lado a justiça e o amor de Deus. Vós deveríeis praticar isso sem deixar de lado aquilo. 43 Ai de vós, fariseus, porque gostais do lugar de honra nas sinagogas e de serdes cumprimentados nas praças públicas. 44 Ai de vós, porque sois como túmulos que não se veem, sobre os quais os homens andam sem saber”. 45 Um mestre da lei tomou a palavra e disse: “Mestre, falando assim, insultas-nos também a nós!” 46 Jesus respondeu: “Ai de vós também, mestres da lei, porque colocais sobre os homens cargas insuportáveis e vós mesmos não tocais nessas cargas nem com um só dedo”.

    Palavra da Salvação.

    “Ai de vós, fariseus; ai de vós também, mestres da Lei”.

    “Sede cumpridores da Palavra e não apenas ouvintes, isto equivale a vos enganardes a vós mesmos” (Tg 1,22). Ser cumpridor e fiel à Palavra do Senhor exige, em primeiro lugar, uma audição aguçada à voz de Deus e, em segundo momento, o discernimento desta mensagem e, por último, o cumprimento ou gestos concretos que traduzam e correspondam a uma real conversão do coração.

    Jesus condena os mestres da lei e fariseus porque estacionaram nesta primeira etapa: o ouvir. O erro não está no ato em si, mas no resumir toda a lei de Deus nesta atitude. Jesus exige experiências concretas e reais de conversão dos fariseus. Observar a lei não se limita em fazer o que está escrito, mas, sim de realmente deixar esta verdade tomar conta de nosso interior e fazê-la dar bons frutos.

    Deus nos conceda a graça de Sua Santa Sabedoria, para compreendermos em sentido pleno Sua Escritura. Assim poderemos ser discípulos mais fiéis e atentos a vontade querida pelo Senhor, desde a criação do mundo.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 5ª feira da 28ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santo Inácio de Antioquia

    Romanos 3,21-30

    Irmãos, 21 agora, sem depender do regime da lei, a justiça de Deus se manifestou, atestada pela lei e pelos profetas; 22 justiça de Deus essa que se realiza mediante a fé em Jesus Cristo, para todos os que têm a fé. Pois diante dessa justiça não há distinção: 23 todos pecaram e estão privados da glória de Deus, 24e a justificação se dá gratuitamente, por sua graça, realizada em Jesus Cristo. 25 Deus destinou Jesus Cristo a ser, por seu próprio sangue, instrumento de expiação mediante a realidade da fé. Assim Deus mostrou sua justiça em ter deixado sem castigo os pecados cometidos outrora, 26 no tempo de sua tolerância. Assim ainda ele demonstra sua justiça no tempo presente, para ser ele mesmo justo e tornar justo aquele que vive a partir da fé em Jesus. 27 Onde estaria, então, o direito de alguém se gloriar? Foi excluído. Por qual lei? Pela lei das obras? Absolutamente não, mas, sim, pela lei da fé. 28 Com efeito, julgamos que o homem é justificado pela fé, sem a prática da lei judaica. 29 Acaso Deus é só dos judeus? Não é também Deus dos pagãos? Sim, é também Deus dos pagãos. 30 Pois Deus é um só.

    Palavra do Senhor.

    SL 129(130)

    No Senhor se encontra toda graça / e copiosa redenção!

    Das profundezas eu clamo a vós, Senhor, / escutai a minha voz! /
    Vossos ouvidos estejam bem atentos / ao clamor da minha prece! – R.

    Se levardes em conta nossas faltas, / quem haverá de subsistir? /
    Mas em vós se encontra o perdão, / eu vos temo e em vós espero. – R.

    No Senhor ponho a minha esperança, / espero em sua palavra. /
    A minha alma espera no Senhor / mais que o vigia pela aurora. – R.

    Lucas 11,47-54

    Naquele tempo, disse o Senhor: 47 “Ai de vós, porque construís os túmulos dos profetas; no entanto, foram vossos pais que os mataram. 48 Com isso, vós sois testemunhas e aprovais as obras de vossos pais, pois eles mataram os profetas e vós construís os túmulos. 49 É por isso que a sabedoria de Deus afirmou: Eu lhes enviarei profetas e apóstolos, e eles matarão e perseguirão alguns deles, 50 a fim de que se peçam contas a esta geração do sangue de todos os profetas derramado desde a criação do mundo, 51 desde o sangue de Abel até o sangue de Zacarias, que foi morto entre o altar e o santuário. Sim, eu vos digo, serão pedidas contas disso a esta geração. 52 Ai de vós, mestres da lei, porque tomastes a chave da ciência. Vós mesmos não entrastes e ainda impedistes os que queriam entrar”. 53 Quando Jesus saiu daí, os mestres da lei e os fariseus começaram a tratá-lo mal e a provocá-lo sobre muitos pontos. 54 Armavam ciladas para pegá-lo de surpresa por qualquer palavra que saísse de sua boca.

    Palavra da Salvação.

    “Peçam contas do sangue de todos os profetas, desde o sangue de Abel até o sangue de Zacarias”.

    Jesus, através do seu Evangelho, alerta-nos para termos cuidado para não cairmos em uma tentação espiritual que é muito sutil e na qual caíram os fariseus de sua época, que é a soberba de espírito, a egolatria. Os fariseus reparavam e conservavam os túmulos dos profetas e faziam disso motivo de gloriar-se, assim tentavam “roubar a santidade” dos profetas, enquanto eles mesmos não compreendiam a mensagem dos profetas sobre Deus e as suas denúncias contra aqueles que praticam injustiça e falsidade.

    Pelo seu comportamento, doutrina e exemplo, os fariseus não entravam no Reino dos Céus e, além disso, impediam outros que queriam entrar, afastando os que precisavam de ajuda e salvação e conduzindo outros ao erro de confiar nas suas próprias forças e não em Deus. Não sejamos como os fariseus, antes de tudo sejamos sinceros e nos confiemos à misericórdia de Deus.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6ª feira da 28ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Festa de São Lucas, evangelista

    2 Timóteo 4,10-17

    Caríssimo, 10 Demas me abandonou por amor deste mundo e foi para Tessalônica. Crescente foi para a Galácia, Tito para a Dalmácia. 11 Só Lucas está comigo. Toma contigo Marcos e traze-o, porque me é útil para o ministério. 12 Mandei Tíquico a Éfeso. 13 Quando vieres, traze contigo a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, principalmente os pergaminhos. 14 Alexandre, o ferreiro, tem-me causado muito dano; o Senhor lhe pagará segundo as suas obras! 15 Evita-o também tu, pois ele fez forte oposição às nossas palavras. 16 Na minha primeira defesa, ninguém me assistiu; todos me abandonaram. Oxalá que não lhes seja levado em conta. 17 Mas o Senhor esteve a meu lado e me deu forças, ele fez com que a mensagem fosse anunciada por mim integralmente e ouvida por todas as nações.

    Palavra do Senhor.

    Sl 144 (145)

    Ó Senhor, vossos amigos anunciem vosso reino glorioso!

    Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem / e os vossos santos, com louvores, vos bendigam! /
    Narrem a glória e o esplendor do vosso reino / e saibam proclamar vosso poder! – R.

    Para espalhar vossos prodígios entre os homens / e o fulgor de vosso reino esplendoroso. /
    O vosso reino é um reino para sempre, / vosso poder, de geração em geração. – R.

    É justo o Senhor em seus caminhos, / é santo em toda obra que ele faz. /
    Ele está perto da pessoa que o invoca, / de todo aquele que o invoca lealmente. – R.

    Lucas 10,1-9

    Naquele tempo, 1 o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. 2 E dizia-lhes: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita. 3 Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. 4 Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! 5 Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘A paz esteja nesta casa!’ 6 Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. 7 Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa. 8 Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, 9 curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: ‘O reino de Deus está próximo de vós’”.

    Palavra da Salvação.

    “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos”.

    A colheita é grande, mas os operários são poucos. Jesus sabe o quanto a humanidade precisa de Deus, mas poucos são os que escutam o seu chamado para se tornarem anunciadores da paz.

    São Lucas foi alguém que pessoalmente não conheceu Jesus, mas ouviu seu chamado e correspondeu com sua vida. Ele, sob ação do Espírito Santo, pesquisou e coletou tudo o que pode sobre a vida, palavras e atos de Jesus e escreveu o seu Evangelho, que é um grande e alegre anúncio de que Jesus Cristo é o Salvador. O Evangelho de Lucas traz fortemente os temas da admissão de todos os povos à salvação, e de todas as categorias de pessoas, que antes pela Lei eram proibidas, de participar do culto a Deus.

    O seu Evangelho é a Palavra de Deus, é a vida de Jesus Cristo que se comunica e se faz presente em nossas vidas ainda hoje. E para sempre vai fazer ecoar que o Reino de Deus precisa de homens e mulheres disponíveis para ser construído e vivido já aqui e hoje na terra.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Sábado da 28ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São Paulo da Cruz

    Romanos 4,13.16-18

    Irmãos, 13 não foi por causa da lei, mas por causa da justiça que vem da fé, que Deus prometeu o mundo como herança a Abraão ou à sua descendência. 16 É em virtude da fé que alguém se torna herdeiro. Logo, a condição de herdeiro é uma graça, um dom gratuito, e a promessa de Deus continua valendo para toda a descendência de Abraão, tanto para a descendência que se apega à lei quanto para a que se apoia somente na fé de Abraão, que é o pai de todos nós. 17 Pois está escrito: “Eu fiz de ti pai de muitos povos”. Ele é pai diante de Deus porque creu em Deus, que vivifica os mortos e faz existir o que antes não existia. 18 Contra toda a humana esperança, ele firmou-se na esperança e na fé. Assim, tornou-se pai de muitos povos, conforme lhe fora dito: “Assim será a tua posteridade”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 104(105)

    O Senhor se lembra sempre da aliança.

    Descendentes de Abraão, seu servidor, / e filhos de Jacó, seu escolhido, /
    ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, / vigoram suas leis em toda a terra. – R.

    Ele sempre se recorda da aliança, / promulgada a incontáveis gerações; /
    da aliança que ele fez com Abraão / e do seu santo juramento a Isaac. – R.

    Ele lembrou-se de seu santo juramento, / que fizera a Abraão, seu servidor. /
    Fez sair, com grande júbilo, o seu povo / e seus eleitos entre gritos de alegria. – R.

    Lucas 12,8-12

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 8 “Todo aquele que der testemunho de mim diante dos homens, o Filho do homem também dará testemunho dele diante dos anjos de Deus. 9 Mas aquele que me renegar diante dos homens será negado diante dos anjos de Deus. 10 Todo aquele que disser alguma coisa contra o Filho do homem será perdoado. Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado. 11 Quando vos conduzirem diante das sinagogas, magistrados e autoridades, não fiqueis preocupados em como ou com que vos defendereis ou com o que direis. 12 Pois nessa hora o Espírito Santo vos ensinará o que deveis dizer”.

    Palavra da Salvação.

    “Nessa hora o Espírito Santo vos ensinará o que deveis dizer”.

    Diante de um momento de dificuldade sempre temos a tendência de procurar em primeiro lugar uma solução por nossas próprias forças, pelo nosso conhecimento, pelos nossos recursos. Buscamos apoio em lugares que não dão verdadeiro sustento.

    Mas Jesus nos ensina que Deus está sempre disponível para ser nosso arrimo, nossa rocha firme na hora da tribulação. Precisamos confiar menos em nós e mais em Deus para permitir que Ele nos ajude, nos dê a sua força quando precisarmos. Ele nunca nos abandona e está sempre conosco, mas somos nós que muitas vezes o abandonamos. Confiemos n’Ele, que é o rosto misericordioso do Pai, que veio para nos perdoar e salvar, e nos enviar o seu Espírito para nos ajudar.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 29º domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Êxodo 17,8-13

    Naqueles dias, 8 os amalecitas vieram atacar Israel em Rafidim. 9 Moisés disse a Josué: “Escolhe alguns homens e vai combater contra os amalecitas. Amanhã estarei, de pé, no alto da colina, com a vara de Deus na mão”. 10 Josué fez o que Moisés lhe tinha mandado e combateu os amalecitas. Moisés, Aarão e Ur subiram ao topo da colina. 11 E, enquanto Moisés conservava a mão levantada, Israel vencia; quando abaixava a mão, vencia Amalec. 12 Ora, as mãos de Moisés tornaram-se pesadas. Pegando então uma pedra, colocaram-na debaixo dele para que se sentasse, e Aarão e Ur, um de cada lado, sustentavam as mãos de Moisés. Assim, suas mãos não se fatigaram até o pôr do sol, 13 e Josué derrotou Amalec e sua gente a fio de espada.

    Palavra do Senhor

    Sl 120(121)

    Do Senhor é que me vem o meu socorro, / do Senhor que fez o céu e fez a terra.

    Eu levanto os meus olhos para os montes: / de onde pode vir o meu socorro? /
    “Do Senhor é que me vem o meu socorro, / do Senhor que fez o céu e fez a terra!” – R.

    Ele não deixa tropeçarem os meus pés, / e não dorme quem te guarda e te vigia. /
    Oh, não, ele não dorme nem cochila, / aquele que é o guarda de Israel! – R.

    O Senhor é o teu guarda, o teu vigia, / é uma sombra protetora à tua direita. /
    Não vai ferir-te o sol durante o dia, / nem a lua através de toda a noite. – R.

    2 Timóteo 3,14-4,2

    Caríssimo, 14 permanece firme naquilo que aprendeste e aceitaste como verdade; tu sabes de quem o aprendeste. 15 Desde a infância conheces as Sagradas Escrituras: elas têm o poder de te comunicar a sabedoria que conduz à salvação pela fé em Cristo Jesus. 16 Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, para argumentar, para corrigir e para educar na justiça, 17 a fim de que o homem de Deus seja perfeito e qualificado para toda boa obra. 4,1 Diante de Deus e de Cristo Jesus, que há de vir a julgar os vivos e os mortos, e em virtude da sua manifestação gloriosa e do seu reino, eu te peço com insistência: 2 proclama a palavra, insiste oportuna ou importunamente, argumenta, repreende, aconselha, com toda a paciência e doutrina.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 18,1-8

    Naquele tempo, 1 Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre e nunca desistir, dizendo: 2 “Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus e não respeitava homem algum. 3 Na mesma cidade havia uma viúva, que vinha à procura do juiz, pedindo: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário!’ 4 Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim, ele pensou: ‘Eu não temo a Deus e não respeito homem algum. 5 Mas esta viúva já me está aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não venha a agredir-me!’” 6 E o Senhor acrescentou: “Escutai o que diz este juiz injusto. 7 E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar? 8 Eu vos digo que Deus lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?”

    Palavra da Salvação.

    “Deus fará justiça aos seus escolhidos que gritam por ele”.

    No Evangelho que acompanhamos hoje, Jesus nos fala o quanto, quando, onde e como devemos rezar.

    Na época de Jesus, uma viúva não tinha muita importância ou lugar na sociedade, e se ela não tivesse filhos que a sustentassem, estava abandonada e era forçada a mendigar para sobreviver. Uma figura tão pequena consegue fazer que um homem poderoso, como era o juiz da parábola, escute-a. Ele atende o seu pedido de justiça para se ver livre de um pequeno incômodo.

    Deus é infinitamente maior do que nós, mas infinitamente misericordioso. Ele ouve e responde a aqueles que Ele ama. E que amou tanto, a ponto de enviar seu único Filho para entregar a própria vida para nos salvar.

    Devemos confiar e esperar em Deus, rezar sem cessar, nem tanto para tentar mudar Deus e fazer com que ele atenda nossos desejos, porque Ele mesmo nos quer tão bem e tão melhor do que nós conseguimos conceber. Mas somos nós que devemos mudar através da oração, para abrir a nossa vida a Deus, que está sempre esperando o momento certo para nos revelar seu amor.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 2ª feira da 29ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Romanos 4,20-25

    Irmãos, 20 diante da promessa divina, Abraão não duvidou por falta de fé, mas revigorou-se na fé e deu glória a Deus, 21 convencido de que Deus tem poder para cumprir o que prometeu. 22 Esta sua atitude de fé lhe foi creditada como justiça. 23 Afirmando que a fé lhe foi creditada como justiça, a Escritura visa não só à pessoa de Abraão, mas também a nós, pois a fé será creditada também para nós que cremos naquele que ressuscitou dos mortos Jesus, nosso Senhor. 25 Ele, Jesus, foi entregue por causa de nossos pecados e foi ressuscitado para nossa justificação.

    Palavra do Senhor.

    Sl Lc 1

    Bendito seja o Senhor Deus de Israel, / porque a seu povo visitou e libertou!

    Fez surgir um poderoso salvador / na casa de Davi, seu servidor, / como falara pela boca de seus santos, /
    os profetas desde os tempos mais antigos. – R.

    Para salvar-nos do poder dos inimigos / e da mão de todos quantos nos odeiam. /
    Assim mostrou misericórdia a nossos pais, / recordando a sua santa aliança. – R.

    E o juramento a Abraão, o nosso pai, / de conceder-nos que, libertos do inimigo, /
    a ele nós sirvamos sem temor, † em santidade e em justiça diante dele, / enquanto perdurarem nossos dias. – R.

    Lucas 12,13-21

    Naquele tempo, 13 alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: “Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo”. 14 Jesus respondeu: “Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?” 15 E disse-lhes: “Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida de um homem não consiste na abundância de bens”. 16 E contou-lhes uma parábola: “A terra de um homem rico deu uma grande colheita. 17 Ele pensava consigo mesmo: ‘O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita’. 18 Então resolveu: ‘Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. 19 Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!’ 20 Mas Deus lhe disse: ‘Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?’ 21Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus”.

    Palavra da Salvação.

    “E para quem ficará o que tu acumulaste?”.

    A nossa vida nem sempre é feliz e boa por aquilo que temos. Podemos ter acumulado dinheiro para nos satisfazer por anos e morrer no dia seguinte. Podemos passar uma vida inteira numa busca cega de coisas que talvez nunca nos tragam satisfação ou alegria, seja isso algo como um carro, casa, ou um emprego dos sonhos. Ou viver vagando de prazeres momentâneos que logo passam, como com festas, comida e bebida, redes sociais etc. Tudo isso passa seja nesta vida ou na próxima. Nada dura para sempre.

    Até mesmo construir uma casa, ou celeiros para guardar trigo, não tem o menor sentido, exceto se for para alguém. Querer e ter uma casa faz sentido quando não é somente pela casa em si, mas para abrigar a si mesmo e sua família, e a família é quem pode dar sentido à vida. Da mesma forma, ter um celeiro cheio por si só, não traz felicidade, mas quando usado para saciar a fome de um faminto e trazer-lhe alegria, isso sim nos dá felicidade, porque provamos já na terra o que significa ser rico diante de Deus.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3ª feira da 29ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São João Paulo II, Papa

    Romanos 5,12.15.17-21

    Irmãos, 12 o pecado entrou no mundo por um só homem. Através do pecado, entrou a morte. E a morte passou para todos os homens, porque todos pecaram. 15 A transgressão de um só levou a multidão humana à morte, mas foi de modo bem mais superior que a graça de Deus, ou seja, o dom gratuito concedido através de um só homem, Jesus Cristo, se derramou em abundância sobre todos. 17 Por um só homem, pela falta de um só homem, a morte começou a reinar. Muito mais reinarão na vida, pela mediação de um só, Jesus Cristo, os que recebem o dom gratuito e superabundante da justiça. 18 Como a falta de um só acarretou condenação para todos os homens, assim o ato de justiça de um só trouxe, para todos os homens, a justificação que dá a vida. 19 Com efeito, como, pela desobediência de um só homem, a humanidade toda foi estabelecida numa situação de pecado, assim também, pela obediência de um só, toda a humanidade passará para uma situação de justiça. 20 Porém, onde se multiplicou o pecado, aí superabundou a graça. 21 Enfim, como o pecado tem reinado pela morte, que a graça reine pela justiça, para a vida eterna, por Jesus Cristo, Senhor nosso.

    Palavra do Senhor.

    Sl 39(40)

    Eis que venho fazer, com prazer, / a vossa vontade, Senhor!

    Sacrifício e oblação não quisestes, / mas abristes, Senhor, meus ouvidos; /
    não pedistes ofertas nem vítimas, † holocaustos por nossos pecados, /
    e então eu vos disse: “Eis que venho!” – R.

    Sobre mim está escrito no livro: † “Com prazer faço a vossa vontade, /
    guardo em meu coração vossa lei!” – R.

    Boas-novas de vossa justiça † anunciei numa grande assembleia; /
    vós sabeis: não fechei os meus lábios! – R.

    Mas se alegre e em vós rejubile / todo ser que vos busca, Senhor! /
    Digam sempre: “É grande o Senhor!” / os que buscam em vós seu auxílio. – R.

    Lucas 12,35-38

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 35 “Que vossos rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas. 36 Sede como homens que estão esperando seu senhor voltar de uma festa de casamento para lhe abrirem imediatamente a porta, logo que ele chegar e bater. 37 Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar. Em verdade eu vos digo, ele mesmo vai cingir-se, fazê-los sentar-se à mesa e, passando, os servirá. 38 E caso ele chegue à meia-noite ou às três da madrugada, felizes serão se assim os encontrar!”

    Palavra da Salvação.

    “Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar”.

    Na correria do dia a dia, quando nossa cabeça está sempre pensando no que se tem de fazer em seguida, raramente prestamos atenção a vida que passa. Podemos correr o risco de viver uma vida toda atarefada, triste e desgastante, que parece não ter um sentido. Mas a vida é o próprio sentido da vida. Quando Jesus nos diz para estarmos cingidos e de lâmpadas acesas, Ele nos diz para estarmos vivendo vidas de verdade, que não estão perdidas e sem rumo, mas encontraram seu sentido Naquele que é a origem da vida. E para encontrarmos este sentido, temos de estar na espera e na busca de Jesus. Ele mesmo quer aparecer em nossa vida e a encher de pleno sentido. Ele encontra espaço em nossa vida quando dedicamos tempo para Ele através da oração e ao cumprirmos o seu mandamento de amar ao próximo como a nós mesmos.

    Ele mesmo nos ajuda e nos dá forças e sustento para nos mantermos disponíveis e vigilantes, basta aceitarmos a sua graça.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 4ª feira da 29ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São João Capistrano

    Romanos 6,12-18

    Irmãos, 12 que o pecado não reine mais em vosso corpo mortal, levando-vos a obedecer às suas paixões. 13 Não ofereçais mais vossos membros ao pecado como armas de iniquidade. Pelo contrário, oferecei-vos a Deus como pessoas vivas, isto é, como pessoas que passaram da morte à vida, e ponde vossos membros ao serviço de Deus como armas de justiça. 14 De fato, o pecado não vos dominará, visto que não estais sob o regime da lei, mas sob o regime da graça. 15 Então iremos pecar, porque não estamos sob o regime da lei, mas sob o regime da graça? De modo algum! 16 Acaso não sabeis que, oferecendo-vos a alguém como escravos, sois realmente escravos daquele a quem obedeceis, seja escravos do pecado para a morte, seja escravos da obediência para a justiça? 17 Graças a Deus que vós, depois de terdes sido escravos do pecado, passastes a obedecer, de coração, aos ensinamentos aos quais fostes entregues. 18 Libertados do pecado, vos tornastes escravos da justiça.

    Palavra do Senhor.

    Sl 123(124)

    Nosso auxílio está no nome do Senhor.

    Se o Senhor não estivesse ao nosso lado, / que o diga Israel neste momento; /
    se o Senhor não estivesse ao nosso lado / quando os homens investiram contra nós, /
    com certeza nos teriam devorado / no furor de sua ira contra nós. – R.

    Então as águas nos teriam submergido, / a correnteza nos teria arrastado /
    e, então, por sobre nós teriam passado / essas águas sempre mais impetuosas. /
    Bendito seja o Senhor, que não deixou / cairmos como presa de seus dentes! – R.

    Nossa alma como um pássaro escapou / do laço que lhe armara o caçador; /
    o laço arrebentou-se de repente, / e assim nós conseguimos libertar-nos. /
    O nosso auxílio está no nome do Senhor, / do Senhor que fez o céu e fez a terra! – R.

    Lucas 12,39-48

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 39 “Ficai certos, se o dono da casa soubesse a hora em que o ladrão iria chegar, não deixaria que arrombasse a sua casa. 40 Vós também ficai preparados! Porque o Filho do homem vai chegar na hora em que menos o esperardes”. 41 Então Pedro disse: “Senhor, tu contas esta parábola para nós ou para todos?” 42 E o Senhor respondeu: “Quem é o administrador fiel e prudente que o senhor vai colocar à frente do pessoal de sua casa para dar comida a todos na hora certa? 43 Feliz o empregado que o patrão, ao chegar, encontrar agindo assim! 44 Em verdade eu vos digo, o senhor lhe confiará a administração de todos os seus bens. 45 Porém, se aquele empregado pensar: ‘Meu patrão está demorando’, e começar a espancar os criados e as criadas, e a comer, a beber e a embriagar-se, 46 o senhor daquele empregado chegará num dia inesperado e numa hora imprevista, ele o partirá ao meio e o fará participar do destino dos infiéis. 47 Aquele empregado que, conhecendo a vontade do senhor, nada preparou nem agiu conforme a sua vontade será chicoteado muitas vezes. 48 Porém o empregado que não conhecia essa vontade e fez coisas que merecem castigo será chicoteado poucas vezes. A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!”

    Palavra da Salvação.

    “A quem muito foi dado, muito será pedido”.

    Nós, assim como Pedro, quando lemos a Bíblia por vezes nos perguntamos, “será que Jesus está falando comigo ou isso aqui se aplica a uma outra categoria de pessoas?”. O Evangelho não existe para uma ou outra pessoa, mas sim para todos, porque assim também é o Reino de Deus. O Deus que tudo criou é nosso Pai, Ele nos ama e nos quer bem, por isso enviou o seu Filho para salvar o mundo, por isso Ele faz com que a Bíblia, as palavras, gestos e atos de Jesus sejam tão atuais, vivos e verdadeiros para as nossas vidas.

    Este Deus que tudo criou também nos deu tudo o que temos e somos, para que façamos bom uso e possamos atingir a felicidade que está em conhecer e cumprir a vontade de Deus, que é o amor. Ao contrário, quando nos apegamos aos nossos bens, ou somos egoístas e gananciosos, estamos roubando de Deus e ferindo sua vontade, para que todos tenham felicidade e possam viver em paz e harmonia uns com os outros.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 5ª feira da 29ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santo Antônio Maria Claret

    Romanos 6,19-23

    Irmãos, 19uso uma linguagem humana por causa da vossa limitação. Outrora, oferecestes vossos membros como escravos para servirem à impureza e à sempre crescente desordem moral. Pois bem, agora, colocai vossos membros ao serviço da justiça, em vista da vossa santificação. 20Quando éreis escravos do pecado, estáveis livres em relação à justiça. 21Que fruto colhíeis, então, de ações das quais hoje vos envergonhais? Pois o fim daquelas ações era a morte. 22Agora, porém, libertados do pecado e como escravos de Deus, frutificais para a santidade até a vida eterna, que é a meta final. 23Com efeito, a paga do pecado é a morte, mas o dom de Deus é a vida eterna em Jesus Cristo, nosso Senhor.

    Palavra do Senhor.

    Sl 1

    É feliz quem a Deus se confia!

    Feliz é todo aquele que não anda / conforme os conselhos dos perversos; /
    que não entra no caminho dos malvados / nem junto aos zombadores vai sentar-se; /
    mas encontra seu prazer na lei de Deus / e a medita, dia e noite, sem cessar. – R.

    Eis que ele é semelhante a uma árvore / que à beira da torrente está plantada; /
    ela sempre dá seus frutos a seu tempo † e jamais as suas folhas vão murchar. /
    Eis que tudo o que ele faz vai prosperar. – R.

    Mas bem outra é a sorte dos perversos. † Ao contrário, são iguais à palha seca /
    espalhada e dispersada pelo vento. / Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, /
    mas a estrada dos malvados leva à morte. – R.

    Lucas 12,49-53

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 49“Eu vim para lançar fogo sobre a terra e como gostaria que já estivesse aceso! 50Devo receber um batismo e como estou ansioso até que isso se cumpra! 51Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra? Pelo contrário, eu vos digo, vim trazer divisão. 52Pois daqui em diante, numa família de cinco pessoas, três ficarão divididas contra duas e duas contra três; 53ficarão divididos o pai contra o filho e o filho contra o pai, a mãe contra a filha e a filha contra a mãe, a sogra contra a nora e a nora contra a sogra”.

    Palavra da Salvação.

    “Não vim trazer a paz, mas a divisão”.

    Jesus veio trazer fogo à terra, Ele veio aquecer, agitar e sacudir a vida de todos os homens e mulheres de seu tempo e do nosso.

    Através de sua Paixão e morte de cruz, Jesus batizou toda a terra, toda a humanidade, com o Espírito Santo. O sangue e água que de seu lado jorraram são sinais disso. E, de forma eloquente, enviou sobre seus discípulos reunidos em Jerusalém o mesmo Espírito Santo. Este Espírito não é morno, nem frio, mas é um fogo ardente que está presente nos corações de todos os seres humanos. É Ele quem provoca a sensação de insatisfação com a vida que vivemos e que não está cheia e plena como poderia ser. O Espírito Santo arde em nós, grita e geme porque deseja voltar para Deus, deseja Deus. Este Espírito pode ficar meio que dormente em nós por causa de nossa mesquinhez e mediocridade, mas Ele nunca deixa de incomodar.

    Por isso, Jesus diz que veio trazer divisão, porque a falsa paz de sonolência de pecado e morte do mundo foi quebrada. Agora, em Jesus Cristo, a humanidade tem um caminho para Deus, recebemos uma adoção divina, através do Espírito derramado em nós temos a confiança para chamar Deus de Pai.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6ª feira da 29ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santo Antônio de Sant’Ana Galvão

    Romanos 7,18-25

    Irmãos, 18estou ciente que o bem não habita em mim, isto é, na minha carne. Pois eu tenho capacidade de querer o bem, mas não de realizá-lo. 19Com efeito, não faço o bem que quero, mas faço o mal que não quero. 20Ora, se faço aquilo que não quero, então já não sou eu que estou agindo, mas o pecado que habita em mim. 21Portanto, descubro em mim esta lei: quando quero fazer o bem, é o mal que se me apresenta. 22Como homem interior, ponho toda a minha satisfação na lei de Deus; 23mas sinto em meus membros outra lei, que luta contra a lei da minha razão e me aprisiona na lei do pecado, essa lei que está em meus membros. 24Infeliz que eu sou! Quem me libertará deste corpo de morte? 25Graças sejam dadas a Deus, por Jesus Cristo, nosso Senhor.

    Palavra do Senhor.

    Sl 118(119)

    Ensinai-me a fazer vossa vontade!

    Dai-me bom senso, retidão, sabedoria, / pois tenho fé nos vossos santos mandamentos! – R.

    Porque sois bom e realizais somente o bem, / ensinai-me a fazer vossa vontade! – R.

    Vosso amor seja um consolo para mim, / conforme a vosso servo prometestes. – R.

    Venha a mim o vosso amor e viverei, / porque tenho em vossa lei o meu prazer! – R.

    Eu jamais esquecerei vossos preceitos, / por meio deles conservais a minha vida. – R.

    Vinde salvar-me, ó Senhor, eu vos pertenço! / Porque sempre procurei vossa vontade. – R.

    Lucas 12,54-59

    Naquele tempo, 54 Jesus dizia às multidões: “Quando vedes uma nuvem vinda do ocidente, logo dizeis que vem chuva. E assim acontece. 55 Quando sentis soprar o vento do sul, logo dizeis que vai fazer calor. E assim acontece. 56 Hipócritas! Vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como é que não sabeis interpretar o tempo presente? 57 Por que não julgais por vós mesmos o que é justo? 58 Quando, pois, tu vais com o teu adversário apresentar-te diante do magistrado, procura resolver o caso com ele enquanto estais a caminho. Senão ele te levará ao juiz, o juiz te entregará ao guarda e o guarda te jogará na cadeia. 59 Eu te digo, daí tu não sairás, enquanto não pagares o último centavo”.

    Palavra da Salvação.

    “Vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como é que não sabeis interpretar o tempo presente?”.

    Com um modo enigmático de se expressar, Jesus novamente apela para a inteligência de seus discípulos para compreenderem os assuntos celestes com a mesma capacidade com que se dedicam a entender os mistérios da natureza. Somos capazes de desvendar em detalhes o funcionamento de muitas coisas através da ciência e dos estudos, mas nos fazemos de cegos e surdos para compreender a simplicidade da verdade revelada por Jesus: a vida não termina neste mundo e nosso destino está no Reino dos Céus, preparado para nós por Deus.

    Compreender esta verdade de fé implica em vigiar e agir de forma coerente com esta concepção: nada de perder todas as nossas energias em conquistar os tesouros nesta vida, pois os valores do Reino: o amor, a paz, a acolhida e perdão valem muito e mais e devem ser buscados com esforços redobrados! Esforcemo-nos para conquistá-los até o último instante para que possam vivê-los em plenitude em Deus.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Sábado da 29ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Romanos 8,1-11

    Irmãos, 1 não há mais condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus. 2 Pois a lei do Espírito que dá a vida em Jesus Cristo te libertou da lei do pecado e da morte. 3 Com efeito, aquilo que era impossível para a lei, já que ela estava enfraquecida pela carne, Deus o realizou; tendo enviado seu próprio Filho numa condição semelhante àquela da humanidade pecadora, e por causa justamente do pecado, condenou o pecado em nossa condição humana, 4 para que toda a justiça exigida pela lei seja cumprida em nós que não procedemos segundo a carne, mas segundo o Espírito. 5 Os que vivem segundo a carne aspiram pelas coisas da carne; os que vivem segundo o Espírito aspiram pelas coisas do Espírito. 6 Na verdade, as aspirações da carne levam à morte e as aspirações do Espírito levam à vida e à paz. 7 Tudo isso porque as tendências da carne são inimizade contra Deus, não se submetem – nem poderiam submeter-se – à lei de Deus. 8 Os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus. 9 Vós não viveis segundo a carne, mas segundo o Espírito, se realmente o Espírito de Deus mora em vós. Se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo. 10 Se, porém, Cristo está em vós, embora vosso corpo esteja ferido de morte por causa do pecado, vosso espírito está cheio de vida, graças à justiça. 11 E, se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos mora em vós, então aquele que ressuscitou Jesus Cristo dentre os mortos vivificará também vossos corpos mortais por meio do seu Espírito que mora em vós.

    Palavra do Senhor.

    Sl 23 (24)

    É assim a geração dos que buscam vossa face, / ó Senhor, Deus de Israel.

    Ao Senhor pertence a terra e o que ela encerra, / o mundo inteiro com os seres que o povoam; /
    porque ele a tornou firme sobre os mares / e sobre as águas a mantém inabalável. – R.

    “Quem subirá até o monte do Senhor, / quem ficará em sua santa habitação?” /
    “Quem tem mãos puras e inocente coração, / quem não dirige sua mente para o crime. – R.

    Sobre este desce a bênção do Senhor / e a recompensa de seu Deus e salvador.” /
    “É assim a geração dos que o procuram / e do Deus de Israel buscam a face.” – R.

    Lucas 13,1-9

    1 Naquele tempo, vieram algumas pessoas trazendo notícias a Jesus a respeito dos galileus que Pilatos tinha matado, misturando seu sangue com o dos sacrifícios que ofereciam. 2 Jesus lhes respondeu: “Vós pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus por terem sofrido tal coisa? 3 Eu vos digo que não. Mas, se vós não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo. 4 E aqueles dezoito que morreram quando a torre de Siloé caiu sobre eles? Pensais que eram mais culpados do que todos os outros moradores de Jerusalém? 5 Eu vos digo que não. Mas, se não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo”. 6 E Jesus contou esta parábola: “Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha. Foi até ela procurar figos e não encontrou. 7 Então disse ao vinhateiro: ‘Já faz três anos que venho procurando figos nesta figueira e nada encontro. Corta-a! Por que está ela inutilizando a terra?’ 8 Ele, porém, respondeu: ‘Senhor, deixa a figueira ainda este ano. Vou cavar em volta dela e colocar adubo. 9 Pode ser que venha a dar fruto. Se não der, então tu a cortarás!’”

    Palavra da Salvação.

    “Se vós não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo”.

    A compreensão judaica no tempo de Jesus a respeito da responsabilidade pelos pecados é um pouco diversa da nossa interpretação cristã. Para os judeus, a doença, o mal ocorrido ou uma tragédia como as mencionadas pelos galileus poderiam ser creditadas aos erros e pecados de seus antepassados. Mas não para Jesus e os cristãos: não há pecado que se estenda a outras gerações de descendentes.

    A partir desta compreensão, fica fácil de acolher a contundente afirmação de Jesus: se não nos convertermos pessoalmente, se não acolhermos a Boa Nova de Jesus em nossa vida e não nos abrirmos ao amor a Deus e ao próximo, não há como colocar a culpa em nossos pais ou avós: nós assumiremos a responsabilidade por esta escolha! Deus nos dá a liberdade de acolhermos seu amor e o partilharmos entre nós e devolvermos a ele em culto e adoração. Podemos aceitar este generoso dom ou nos acabarmos num mundo fechado e egoísta. A escolha é nossa.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 30º domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Eclesiástico 35,15-17.20-22

    15 O Senhor é um juiz que não faz discriminação de pessoas. 16 Ele não é parcial em prejuízo do pobre, mas escuta, sim, as súplicas dos oprimidos; 17 jamais despreza a súplica do órfão, nem da viúva, quando desabafa suas mágoas. 20 Quem serve a Deus como ele o quer será bem acolhido, e suas súplicas subirão até as nuvens. 21 A prece do humilde atravessa as nuvens: enquanto não chegar, não terá repouso; e não descansará até que o Altíssimo intervenha, 22 faça justiça aos justos e execute o julgamento.

    Palavra do Senhor.

    Sl 33(34)

    O pobre clama a Deus e ele escuta: / o Senhor liberta a vida dos seus servos.

    Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, / seu louvor estará sempre em minha boca. /
    Minha alma se gloria no Senhor; / que ouçam os humildes e se alegrem. – R.

    Mas ele volta a sua face contra os maus, / para da terra apagar sua lembrança. /
    Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta / e de todas as angústias os liberta. – R.

    Do coração atribulado ele está perto / e conforta os de espírito abatido. /
    Mas o Senhor liberta a vida dos seus servos, / e castigado não será quem nele espera. – R.

    2 Timóteo 4, 6-8.16-18

    Caríssimo, 6 quanto a mim, eu já estou para ser oferecido em sacrifício; aproxima-se o momento de minha partida. 7 Combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé. 8 Agora está reservada para mim a coroa da justiça, que o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que esperam com amor a sua manifestação gloriosa. 16 Na minha primeira defesa, ninguém me assistiu; todos me abandonaram. Oxalá que não lhes seja levado em conta. 17 Mas o Senhor esteve a meu lado e me deu forças, ele fez com que a mensagem fosse anunciada por mim integralmente e ouvida por todas as nações; e eu fui libertado da boca do leão. 18 O Senhor me libertará de todo mal e me salvará para o seu reino celeste. A ele a glória, pelos séculos dos séculos! Amém.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 18,9-14

    Naquele tempo, 9 Jesus contou esta parábola para alguns que confiavam na sua própria justiça e desprezavam os outros: 10 “Dois homens subiram ao templo para rezar: um era fariseu, o outro cobrador de impostos. 11 O fariseu, de pé, rezava assim em seu íntimo: ‘Ó Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens, ladrões, desonestos, adúlteros, nem como este cobrador de impostos. 12 Eu jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de toda a minha renda’. 13 O cobrador de impostos, porém, ficou a distância e nem se atrevia a levantar os olhos para o céu; mas batia no peito, dizendo: ‘Meu Deus, tem piedade de mim, que sou pecador!’ 13 Eu vos digo, este último voltou para casa justificado, o outro não. Pois quem se eleva será humilhado e quem se humilha será elevado”.

    Palavra da Salvação.

    “O cobrador de impostos voltou para casa justificado, o outro não”.

    Esta é uma das mais belas parábolas contadas por Jesus que devem aquecer o nosso coração ao escutá-la e, ao mesmo tempo, nos levar, por sua simplicidade, à compreensão clara do que é ser justificado pela graça de Deus. O cobrador de impostos só pôde voltar perdoado por Deus porque se reconhecia necessitado e dependente da generosa graça do Senhor. Reconhecia-se em seus pecados e erros e se sentia indigno do imerecido dom de salvação oferecido a ele.

    Por outro lado, o fariseu não sabia o que era misericórdia divina. Julgava-se perfeito e merecedor de quaisquer graças que Deus lhe concedesse. Enganava-se em suas próprias obras de piedade, por não dirigi-las a Deus, mas a si mesmo e à sua autoimagem a qual idolatrava.

    Acolhamos o exemplo do cobrador de impostos e busquemos dentro de nós a capacidade de sentir anseios por Deus, de desejá-lo em nossas vidas e de reconhecermos sua grandeza por nos perdoar e amar. Seu amor é nosso maior dom e aquilo que confere sentido a toda a nossa vida.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 2ª feira da 30ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Festa de São Simão e São Judas Tadeu, apóstolos

    Efésios 2,19-22

    Irmãos, 19já não sois mais estrangeiros nem migrantes, mas concidadãos dos santos. Sois da família de Deus. 20Vós fostes integrados no edifício que tem como fundamento os apóstolos e os profetas e o próprio Jesus Cristo como pedra principal. 21É nele que toda a construção se ajusta e se eleva para formar um templo santo no Senhor. 22E vós também sois integrados nessa construção, para vos tornardes morada de Deus pelo Espírito.

    Palavra do Senhor.

    Sl 18(19A)

    Seu som ressoa e se espalha em toda a terra.

    Os céus proclamam a glória do Senhor, / e o firmamento, a obra de suas mãos; /
    o dia ao dia transmite essa mensagem, / a noite à noite publica essa notícia. – R.

    Não são discursos nem frases ou palavras, / nem são vozes que possam ser ouvidas; /
    seu som ressoa e se espalha em toda a terra, / chega aos confins do universo a sua voz. – R.

    Lucas 6,12-19

    12 Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. 13 Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: 14 Simão, a quem impôs o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; 15 Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado zelota; 16 Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, aquele que se tornou traidor. 17 Jesus desceu da montanha com eles e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judeia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. 18 Vieram para ouvir Jesus e serem curados de suas doenças. E aqueles que estavam atormentados por espíritos maus também foram curados. 19 A multidão toda procurava tocar em Jesus, porque uma força saía dele e curava a todos.

    Palavra da Salvação.

    “Escolheu doze entre eles, aos quais deu o nome de apóstolos”.

    Após um momento de oração ao Pai, Jesus se sente confiante para escolher seus doze apóstolos que irão, em seu nome, anunciar a Boa Nova do Reino de Deus e continuar sua missão, participando de seu destino.

    Vale a consideração de que Jesus escolheu uma comunidade de homem que estavam longe da perfeição. Eram pessoas simples, muitos deles com destacados limites humanos de impaciência, dureza de coração e dificuldades de compreensão. Entretanto, todos pareciam dispostos a seguir o Mestre e deixar sua vida ser transformada por Ele. Estava aí a sua maior virtude. Eles irão tropeçar nesta jornada, nem todos chegarão até o fim, pois não conseguirão vencer a tentação de trair sua confiança e amor. Mas ainda assim, grandes homens que, na dor e perseguição, quando forem necessários, encontrarão suas forças em Cristo para perseverar e levar a mensagem do Evangelho adiante.

    Celebrar estes homens é celebrar o mistério e missão da Igreja. Rezemos para que ela permaneça na fidelidade à missão confiada por Cristo e seja irradiadora da alegria de sua presença.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3ª feira da 30ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Romanos 8,18-25

    Irmãos, 18 eu entendo que os sofrimentos do tempo presente nem merecem ser comparados com a glória que deve ser revelada em nós. 19 De fato, toda a criação está esperando ansiosamente o momento de se revelarem os filhos de Deus. 20 Pois a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua livre vontade, mas por sua dependência daquele que a sujeitou; 21 também ela espera ser libertada da escravidão da corrupção e, assim, participar da liberdade e da glória dos filhos de Deus. 22 Com efeito, sabemos que toda a criação, até o tempo presente, está gemendo como que em dores de parto. 23 E não somente ela, mas nós também, que temos os primeiros frutos do Espírito, estamos interiormente gemendo, aguardando a adoção filial e a libertação para o nosso corpo. 24 Pois já fomos salvos, mas na esperança. Ora, o objeto da esperança não é aquilo que a gente está vendo; como pode alguém esperar o que já vê? 25 Mas se esperamos o que não vemos, é porque o estamos aguardando mediante a perseverança.

    Palavra do Senhor.

    Sl 125(126)

    Maravilhas fez conosco o Senhor!

    Quando o Senhor reconduziu nossos cativos, / parecíamos sonhar; /
    encheu-se de sorriso nossa boca, / nossos lábios, de canções. – R.

    Entre os gentios se dizia: “Maravilhas / fez com eles o Senhor!” /
    Sim, maravilhas fez conosco o Senhor, / exultemos de alegria! – R.

    Mudai a nossa sorte, ó Senhor, / como torrentes no deserto. /
    Os que lançam as sementes entre lágrimas / ceifarão com alegria. – R.

    Chorando de tristeza, sairão, / espalhando suas sementes; /
    cantando de alegria, voltarão, / carregando os seus feixes! – R.

    Lucas 13,18-21

    Naquele tempo, 18 Jesus dizia: “A que é semelhante o reino de Deus e com que poderei compará-lo? 19 Ele é como a semente de mostarda, que um homem pega e atira no seu jardim. A semente cresce, torna-se uma grande árvore, e as aves do céu fazem ninhos nos seus ramos”. 20 Jesus disse ainda: “Com que poderei ainda comparar o reino de Deus? 21Ele é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”.

    Palavra da Salvação.

    “A semente cresce e torna-se uma grande árvore”.

    Jesus não pode explicar o mistério do Reino de Deus aos seus ouvintes e a cada um de nós em detalhes. Não somos capazes de compreendê-lo plenamente. Desta forma, Ele nos fala do Reino através de parábolas para que possamos, a partir de nossas experiências de vida, imaginar o que é esta realidade que foi colocada no centro de sua mensagem.

    O Reino de Deus é humilde e discreto. Não aparece com alardes mas assemelha-se a um pequenino grão de mostarda que dará origem a uma considerável árvore, ou à pequena porção de fermento que é capaz de transformar uma quantidade de massa muito maior. O Reino de Deus age silenciosamente, mas transforma o que toca. Ele já se encontra entre nós, agindo misteriosamente nos corações dos homens e mulheres que buscam sua conversão, que buscam a solidariedade para com os outros, que buscam viver pela caridade e pela esperança nas mãos de Deus.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 4ª feira da 30ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Romanos 8,26-30

    Irmãos, 26 o Espírito vem em socorro da nossa fraqueza. Pois nós não sabemos o que pedir nem como pedir; é o próprio Espírito que intercede em nosso favor, com gemidos inefáveis. 27 E aquele que penetra o íntimo dos corações sabe qual é a intenção do Espírito. Pois é sempre segundo Deus que o Espírito intercede em favor dos santos. 28 Sabemos que tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados para a salvação, de acordo com o projeto de Deus. 29 Pois aqueles que Deus contemplou com seu amor desde sempre, a esses ele predestinou a ser conformes à imagem de seu Filho, para que este seja o primogênito numa multidão de irmãos. 30 E aqueles que Deus predestinou, também os chamou. E aos que chamou, também os tornou justos; e aos que tornou justos, também os glorificou.

    Palavra do Senhor.

    Sl 12(13)

    Senhor, eu confiei na vossa graça!

    Olhai, Senhor, meu Deus, e respondei-me! † Não deixeis que se me apague a luz dos olhos /
    e se fechem, pela morte, adormecidos! / Que o inimigo não me diga: “Eu triunfei!” /
    Nem exulte o opressor por minha queda. – R.

    Uma vez que confiei no vosso amor, † meu coração, por vosso auxílio, rejubile /
    e que eu vos cante pelo bem que me fizestes! – R.

    Lucas 13,22-30

    Naquele tempo, 22 Jesus atravessava cidades e povoados, ensinando e prosseguindo o caminho para Jerusalém. 23 Alguém lhe perguntou: “Senhor, é verdade que são poucos os que se salvam?” Jesus respondeu: 24 “Fazei todo esforço possível para entrar pela porta estreita. Porque eu vos digo que muitos tentarão entrar e não conseguirão. 25 Uma vez que o dono da casa se levantar e fechar a porta, vós, do lado de fora, começareis a bater, dizendo: ‘Senhor, abre-nos a porta!’ Ele responderá: ‘Não sei de onde sois’. 26 Então começareis a dizer: ‘Nós comemos e bebemos diante de ti, e tu ensinaste em nossas praças!’ 27 Ele, porém, responderá: ‘Não sei de onde sois. Afastai-vos de mim todos vós que praticais a injustiça!’ 28 Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, Isaac e Jacó, junto com todos os profetas, no reino de Deus e vós, porém, sendo lançados fora. 29 Virão homens do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e tomarão lugar à mesa no reino de Deus. 30 E assim há últimos que serão primeiros e primeiros que serão últimos”.

    Palavra da Salvação.

    “Virão homens do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e tomarão lugar à mesa no Reino de Deus”.

    O juízo do final dos tempos sempre despertou curiosidade e/ou medo naqueles que se detiveram para pensar a respeito. Como será? Serão todos salvos? Quem será condenado? Serei eu, pessoalmente, salvo? A estes, Jesus responde: fazei tudo o possível para entrar, pois poderá chegar o momento em que Deus dirigirá as desconcertantes palavras “não vos conheço” e nos fechar as portas.

    “Não vos conheço” devem ser as mais aterradoras palavras que podemos imaginar que possam ser ditas por Deus a nós. Depois de tudo que possamos ter feito, nada ser considerado por Deus. Para que isso não ocorra, basta acolher aquilo que ele afirma neste contexto: tudo que fizermos aos pequeninos deste mundo terá sido feito a Ele também. Todo o amor oferecido ao mundo, terá sido resposta ao amor que Ele nos ofereceu. Todo o bem que escolhermos fazer será participação no bem que é Ele e de onde provém todo o bem do mundo.

    Muitos irão viver por esta bondade a amor sagrados sem nem mesmo professar a fé em Jesus Cristo. Não tem problema! Eles também se sentarão à mesa do Reino por terem vivido na vontade de Deus. Que nós nos somemos a estes convidados no banquete celestial.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 5ª feira da 30ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Romanos 8,31-39

    Irmãos, 31 se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Deus, que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos daria tudo junto com ele? 33 Quem acusará os escolhidos de Deus? Deus, que os declara justos? 34Quem condenará? Jesus Cristo, que morreu, mais ainda, que ressuscitou e está à direita de Deus, intercedendo por nós? 35 Quem nos separará do amor de Cristo? Tribulação? Angústia? Perseguição? Fome? Nudez? Perigo? Espada? 36 Pois é assim que está escrito: “Por tua causa somos entregues à morte o dia todo; fomos tidos como ovelhas destinadas ao matadouro”. 37 Mas, em tudo isso, somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou! 38 Tenho a certeza que nem a morte nem a vida, nem os anjos nem os poderes celestiais, nem o presente nem o futuro, nem as forças cósmicas, 39 nem a altura nem a profundeza, nem outra criatura qualquer será capaz de nos separar do amor de Deus por nós, manifestado em Cristo Jesus, nosso Senhor.

    Palavra do Senhor.

    Sl 108 (109)

    Salvai-me, Senhor, segundo a vossa bondade!

    Agi a meu favor, ó Senhor Deus, † por amor do vosso nome, libertai-me, / pois vossa lealdade é benfazeja! /
    Necessitado e infeliz, eis o que sou, / dentro de mim meu coração está ferido! – R.

    Senhor, meu Deus, vinde ajudar-me e salvar-me / segundo vosso amor e compaixão. /
    Para que nisso reconheçam vossa mão / e saibam que sois vós que o fizestes! – R.

    Celebrarei o meu Senhor em alta voz, / em meio à multidão hei de louvá-lo. /
    Pois ele defende o indigente e o salva / daqueles que condenam sua alma. – R.

    Lucas 13,31-35

    31 Naquela hora, alguns fariseus aproximaram-se e disseram a Jesus: “Tu deves ir embora daqui, porque Herodes quer te matar”. 32 Jesus disse: “Ide dizer a essa raposa: eu expulso demônios e faço curas hoje e amanhã; e no terceiro dia, terminarei o meu trabalho. 33 Entretanto, preciso caminhar hoje, amanhã e depois de amanhã, porque não convém que um profeta morra fora de Jerusalém. 34 Jerusalém, Jerusalém! Tu que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes eu quis reunir teus filhos como a galinha reúne os pintainhos debaixo das asas, mas tu não quiseste! 35 Eis que vossa casa ficará abandonada. Eu vos digo, não me vereis mais, até que chegue o tempo em que vós mesmos direis: ‘Bendito aquele que vem em nome do Senhor’”.

    Palavra da Salvação.

    “Não convém que um profeta morra fora de Jerusalém”.

    O destino de Jesus está traçado. Os profetas já o anunciaram e ele irá concretizá-lo em sua plenitude. O medo de alguns de que algum mal se abata sobre Jesus é correspondido com a serenidade daquele que sabe em nome de quem age e que crê na verdade de suas palavras: o Filho do Homem seguirá sua jornada de salvação e compaixão até a cidade santa de Jerusalém. Todos que o encontrarem poderão experimentar a graça de escolher segui-lo, de mudar de vida. Até o fim, terão a liberdade de escolher a Vida e a Verdade.

    Jesus não fugirá ao seu destino. Confia no Pai. Ama-o ilimitadamente, assim como ama a cada um de nós. Meditemos esta verdade de fé e o sentido de sua serenidade em se dirigir para seu doloroso destino. A glorificação do Filho de Deus só será possível de ser compreendida a partir desta reflexão.

    Reflexão feita pelos noviços.