Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Consciência e Saúde

18/09/2008

Frei Hipólito Martendal

Interessante que esta coluna nasceu com a intenção de falar sobre Religião e Psicologia. Isto aconteceu por duas razões: a importância que julgo ter para nossos colaboradores-leitores e por ser escriba um religioso-psicólogo.

Hoje abordo o tema “Consciência e Saúde”. Vamos começar afirmando que Consciência e Saúde tem tudo a ver com Religião e Saúde. Devemos também distinguir dois tipos de consciência. No sentido religioso, consciência se refere ao certo e ao errado de meus comportamentos e atitudes. Consciência no sentido psicológico é estar acordado, percebendo claramente o que se passa consigo próprio e ao seu redor.

Claro, a consciência moral tem tudo o que se relaciona a sentimentos de culpa, ou paz interior. O povo fala em consciência pesada ou leve. Evidente que consciência pesada ou má só pode causar ansiedade, estresse, insônia e, em casos muito graves, desespero e suicídio. O estresse prolongado causa males à saúde em geral, especialmente ao coração, pois libera hormônios prejudiciais como a norepinefrina e o cortisol. Estresse e ódio são as emoções mais malignas que conhecemos.

Enquanto isso, a consciência do dever cumprido, do bem executado, da caridade exercida etc. só pode fazer bem a todo o nosso ser. Não podemos deixar de pensar em São Paulo a escrever a seu amigo Timóteo. “Quanto a mim, já fui oferecido em libação e chegou o tempo de minha partida. Combati o bom combate, terminei minha carreira, guardei a Fé. Desde já me está reservada a coroa da justiça que me dará o Senhor, Justo Juiz, naquele dia” (2 Tm 4, 6-8).

De que libação fala Paulo? Às vezes, nos sacrifícios, era derramado sobre a vítima um cálice de azeite da melhor qualidade ou de vinho fino. São Paulo tinha em mente o sacrifício de Cristo. Ele, então, se imaginava como este acréscimo precioso ao Cristo oferecido por todos nós. Por isso é que ele fala do dilema de escolher, se fosse possível, entre viver e morrer e afirma que preferia morrer para estar junto de Cristo (Fl 1, 20-24).

É evidente que São Paulo se encontrava em total harmonia com toda a sua existência, com seus planos e com toda a realidade interna e externa a ele. O equilíbrio é perfeito. E uma vez definimos saúde como o estado de bem-estar de corpo e alma, mente e coração. Então, podemos imaginar que São Paulo devia se sentir extraordinariamente bem.

A multidão de pequenos problemas, preocupações e aborrecimentos não o atingiam mais. Nesta análise que acabamos de fazer da situação deste homem de Deus, misturamos dados da consciência moral com os da consciência psicológica. É que na vida real muitas vezes eles andam juntos e são inseparáveis. Não posso me esquecer de dizer que a consciência psicológica, ou a percepção que temos de nossa pessoa por si mesma tem muito a ver com o nosso bem ou mal-estar. No caso anterior, o de São Paulo, a auto-percepção devia ajudar muito em sentir-se bem porque percebia a si mesmo como alguém extraordinariamente realizado em seu projeto de viver para Cristo.

Acontece, contudo, que muita gente ou não tem uma percepção clara de si, ou sua percepção é distorcida. Qualidades e defeitos podem estar a vida inteira na gente sem que os percebamos. Podemos também vê-los aumentados exageradamente.

Isso causa problemas seríssimos. Pessoas sem autoconsciência clara e real podem se atormentar por defeitos ou falta de qualidade irreais, perder grandes oportunidades de crescer e realizar-se na vida. Sua convivência com os outros pode tornar-se fonte de contínuo sofrimento para si e para os demais. Terminou nosso espaço. Voltarei ao assunto no próximo número.

Free Download WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download WordPress Themes
free online course
download intex firmware
Premium WordPress Themes Download
free download udemy course

Conteúdo Relacionado