Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo

  • Primeira leitura
  • Salmo
  • Segunda Leitura
  • Evangelho
  • Sabor da Palavra

Isaías 52,7-10

7 Como são belos, andando sobre os montes, os pés de quem anuncia e prega a paz, de quem anuncia o bem e prega a salvação, e diz a Sião: “Reina teu Deus!” 8 Ouve-se a voz de teus vigias, eles levantam a voz, estão exultantes de alegria, sabem que verão com os próprios olhos o Senhor voltar a Sião. 9 Alegrai-vos e exultai ao mesmo tempo, ó ruínas de Jerusalém; o Senhor consolou seu povo e resgatou Jerusalém. 10 O Senhor desnudou seu santo braço aos olhos de todas as nações; todos os confins da terra hão de ver a salvação que vem do nosso Deus.

Palavra do Senhor.

Sl 97 (98)

Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus.

Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / porque ele fez prodígios! /
Sua mão e o seu braço forte e santo / alcançaram-lhe a vitória. – R.

O Senhor fez conhecer a salvação, / e às nações, sua justiça; /
recordou o seu amor sempre fiel / pela casa de Israel. – R.

Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus. /
Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / alegrai-vos e exultai! – R.

Cantai salmos ao Senhor ao som da harpa / e da cítara suave! /
Aclamai, com os clarins e as trombetas, / ao Senhor, o nosso rei! – R.

Hebreus 1,1-6

1 Muitas vezes e de muitos modos, falou Deus outrora aos nossos pais pelos profetas; 2 nestes dias, que são os últimos, ele nos falou por meio do Filho, a quem ele constituiu herdeiro de todas as coisas e pelo qual também ele criou o universo. 3 Este é o esplendor da glória do Pai, a expressão do seu ser. Ele sustenta o universo com o poder de sua palavra. Tendo feito a purificação dos pecados, ele sentou-se à direita da majestade divina, nas alturas. 4 Ele foi colocado tanto acima dos anjos quanto o nome que ele herdou supera o nome deles. 5 De fato, a qual dos anjos Deus disse alguma vez: “Tu és o meu Filho, eu hoje te gerei”? Ou ainda: “Eu serei para ele um Pai, e ele será para mim um filho”? 6Mas, quando faz entrar o Primogênito no mundo, Deus diz: “Todos os anjos devem adorá-lo!”

Palavra do Senhor.

João 1,1-18 ou 1-5.9-14

1 No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus; e a Palavra era Deus. 2 No princípio estava ela com Deus. 3 Tudo foi feito por ela, e sem ela nada se fez de tudo que foi feito. 4 Nela estava a vida, e a vida era a luz dos homens. 5 E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la. 6 Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. 7 Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à fé por meio dele. 8 Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz: 9 daquele que [era a luz de verdade, que, vindo ao mundo, ilumina todo ser humano. 10 A Palavra estava no mundo – e o mundo foi feito por meio dela –, mas o mundo não quis conhecê-la. 11 Veio para o que era seu, e os seus não a acolheram. 12 Mas, a todos os que a receberam, deu-lhes capacidade de se tornarem filhos de Deus, isto é, aos que acreditam em seu nome, 13 pois estes não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus mesmo. 14 E a Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória, glória que recebe do Pai como Filho unigênito, cheio de graça e de verdade.] 15 Dele João dá testemunho, clamando: “Este é aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim passou à minha frente, porque ele existia antes de mim”. 16 De sua plenitude todos nós recebemos graça por graça. 17 Pois por meio de Moisés foi dada a lei, mas a graça e a verdade nos chegaram através de Jesus Cristo. 18 A Deus ninguém jamais viu. Mas o unigênito de Deus, que está na intimidade do Pai, ele no-lo deu a conhecer.

Palavra da Salvação.

“A Palavra se fez carne e habitou entre nós”.

Chegamos ao grande dia da celebração do Natal do Senhor, a segunda maior festa cristã (depois da Páscoa), que nos permite fazer memória e celebrar o mistério da Encarnação: o Filho de Deus que se despoja da glória para poder ser humano como nós, por amor ao Pai e pela humanidade. Ele, a Palavra pela qual tudo foi criado e subsiste, assume a carne humana para, desta forma, tornar-se sinal do imenso amor de Deus, um amor afetuoso e terno, cheio de compaixão por cada pessoa humana em suas fragilidades e limites.

Deus revela-se como Aquele capaz de se tornar menor para se aproximar daqueles a quem ama! E, neste movimento, mostra qual é o seu poder: o poder escolher amar, perdoar, servir, ser irmão com os irmãos e construir família que busca ao Pai.

Que o Menino Deus, Príncipe da Paz, nos eduque sempre de novo a buscar este mesmo amor que nos conduz à proximidade uns com os outros, à fraternidade sagrada!

Reflexão feita pelos noviços.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.