Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

3ª feira da 28ª semana do TC

  • Primeira leitura
  • Salmo
  • Evangelho
  • Sabor da Palavra
Memória de Santa Teresa d’Ávila, Virgem e Doutora da Igreja

Romanos 1,16-25

Irmãos, 16 eu não me envergonho do evangelho, pois ele é uma força salvadora de Deus para todo aquele que crê, primeiro para o judeu, mas também para o grego. 17 Nele, com efeito, a justiça de Deus se revela da fé para a fé, como está escrito: O justo viverá pela fé. 18 Por outro lado, a ira de Deus se revela, do alto do céu, contra toda a impiedade e iniquidade dos homens que, em sua iniquidade, oprimem a verdade. 19 Pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto aos homens: Deus mesmo lho manifestou. 20 Suas perfeições invisíveis, como o seu poder eterno e sua natureza divina, são claramente conhecidas, através de suas obras, desde a criação do mundo. Assim, eles não têm desculpa 21 por não ter dado glória e ação de graças a Deus como se deve, embora o tenham conhecido. Pelo contrário, enfatuaram-se em suas especulações, e seu coração insensato se obscureceu: 22 alardeando sabedoria, tornaram-se ignorantes 23 e trocaram a glória do Deus incorruptível por uma figura ou imagem de seres corruptíveis: homens, pássaros, quadrúpedes, répteis. 24 Por isso, Deus os entregou com as paixões de seus corações a tal impureza, que eles mesmos desonram seus próprios corpos. 25Trocaram a verdade de Deus pela mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém.

Palavra do Senhor.

Sl 18(19A)

Os céus proclamam a glória do Senhor!

Os céus proclamam a glória do Senhor, / e o firmamento, a obra de suas mãos; /
o dia ao dia transmite esta mensagem, / a noite à noite publica esta notícia. – R.

Não são discursos nem frases ou palavras, / nem são vozes que possam ser ouvidas; /
seu som ressoa e se espalha em toda a terra, / chega aos confins do universo a sua voz. – R.

Lucas 11,37-41

Naquele tempo, 37 enquanto Jesus falava, um fariseu convidou-o para jantar com ele. Jesus entrou e pôs-se à mesa. 38 O fariseu ficou admirado ao ver que Jesus não tivesse lavado as mãos antes da refeição. 39 O Senhor disse ao fariseu: “Vós, fariseus, limpais o copo e o prato por fora, mas o vosso interior está cheio de roubos e maldades. 40 Insensatos! Aquele que fez o exterior não fez também o interior? 41 Antes, dai esmola do que vós possuís e tudo ficará puro para vós”.

Palavra da Salvação.

“Dai esmola do que vós possuís e tudo ficará puro para vós”.

“Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus”, diz Jesus no evangelho segundo Mateus, ao apontar as bem-aventuranças. A pureza de coração exigida nos textos bíblicos e na narração da mensagem de Jesus devem ser a meta desejada por todos os discípulos do bom mestre de Nazaré.

A atitude do fariseu, que convida Jesus a jantar em sua casa, parece ser bem cordial, no entanto, revela mais nitidamente uma forma de testar Jesus em suas ações mal vistas pelos mestres da lei. Ao deixar de lavar as mãos, o Filho Unigênito de Deus quer dar a oportunidade ao fariseu de compreender o gesto concreto da lei, em seu sentido espiritual. A lavação ou purificação externa deve, antes de tudo, despertar a uma constante purificação do coração, das ações diárias e da busca constante de Deus.

O Evangelho termina sem revelar o que o fariseu aprendeu. Mas, e quanto a nós? Será que ficamos mudos às inquietações e provocações de conversão que Jesus nos dirige? Será que acolho com bondade a Palavra e faço-a germinar no meu interior e fazer dar bons frutos?

Reflexão feita pelos noviços.