Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

2000, Ano de Graça do Senhor

20/09/2000

Frei Hipólito Martendal

O número anterior de nosso jornalzinho trouxe meu artigo com o título Natal 2000. Na verdade consegui expor apenas os fundamentos bíblicos da tradição católica de celebrar Anos Jubilares, ou Anos Santos. Vimos como para os judeus o Ano Jubilar tinha uma função importante na manutenção da Justiça Social. Limitava a formação de latifúndios e não deixava crescer as classes dos sem-terra e sem-teto. A razão era que Javé mostrava-se generoso para com seu povo e o judeu tinha de ser generoso com seus irmãos. Isto é lindo e muito inspirador.

A Igreja católica herdou esta tradição judaica e chama seus anos jubilares (50 em 50; 100 em 100; 500 em 500; 1000 em 1000) Anos Santos ou Anos de Graça do Senhor.

Aqui já começam os desvios da intenção original. A palavra Graça lembra “de graça”, Gratuidade. Isso puxa a idéia de generosidade, bondade e amor. Na mente, contudo, de uma pessoa mais interesseira, mais utilitarista, a palavra Graça disperta logo a idéia de ganho, presente, ajuda, vantagem, solução de problemas. É realmente lamentável que algo tão belo e tão grande venha tornar-se uma questão tão pequena e, diria, quase mesquinha.

Aborrece, mas temos que reconhecer, mesmo nós, os homens da Igreja ou “os homens de Deus”, conforme pensa o povo, cometemos um erro pedagógico sério quando acentuamos muito e só o Ano de Graça do Senhor, como se Deus tivesse épocas e datas especiais para especiais para distribuir graças e favores ao povo. Então corremos a Deus nestas ocasiões para ganhar alguma coisa: mais saúde, empregos, “bens de família”, indulgências e maior garantia da salvação eterna. Sim, senhores. Indulgências e salvação! Ouso dizer que até nisto pode estar o problema, pois até indulgências e salvação podem ser procurados por um espírito interesseiro e até egoísta, pouco afeito à gratuidade e ao Amor desinteressado de Deus.

Na verdade vejo três objetivos importantes a serem procurados neste Ano de Graça.

O primeiro é suscitar em todos os cristãos uma profunda gratidão por Deus ter-se encarnado há 2000 anos e ter-se feito nosso companheiro de caminhada já nesta vida. Deus é infinitamente perfeito e nada poderia receber em troca deste gesto. É por isso que eu dizia que nós conseguimos procurar até a salvação de um modo egoísta.

O segundo é exatamente termos de aprender com Deus. Aprendemos que Deus é Graça em Estado Puro, é Gratuidade 100% e, à semelhança dele , precisamos descobrir a maravilha de podermos ser graça e gratuidade para os outros.

O terceiro é, de graça, levar aos demais seres humanos esta nossa descoberta, ou seja, levar este Deus-Amor aos irmãos, ou levar Cristo aos irmãos, ou levar irmãos a Cristo. Tudo é a mesma coisa. No Evangelho de João, cap. 1, 35-42 , lemos que André, quando ouviu seu Mestre, João Batista, afirmar que Jesus era o Cordeiro de Deus, seguiu Jesus, passou quase o dia todo com Ele. Aí correu a seu irmão Simão a levar a novidade: “Encontramos o Messias”. E levou seu irmão a Jesus. Meus caros leitores, eis aí o programa básico para o ano de 2000 e para toda a sua vida.

Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
udemy free download
download coolpad firmware
Premium WordPress Themes Download
udemy course download free

Conteúdo Relacionado