Notícias - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Os frades como mendicantes modernos

25/06/2018

Notícias


São Paulo (SP) – O Conselho Plenário da Ordem (CPO), que se reúne em Nairóbi, no Quênia, desde o dia 12/06, chega a sua última semana. Nesta segunda-feira, 25/06, os 63 frades presentes no CPO dedicaram o dia para a revisão do texto final, que será enviado às Conferências. Após o CPO, o Definitório Geral publicará um documento oficial, com as diretrizes à Ordem dos Frades Menores. A segunda-feira também foi dedicada à avaliação do encontro.

Os frades como mendicantes modernos
Durante os últimos dias de CPO, o ecônomo geral da OFM, Frei John Puodziunas, falou aos membros do Conselho a respeito de uma economia saudável e o compromisso com os pobres.
Ele explicou que viver sem nada de próprio não significa ser indigente, mas ser consciente de que as pessoas possuem as coisas, sem deixar-se possuir por elas. Para isso, o coração deve estar entre as atitudes que definem as relações pessoais: com Deus, com os irmãos e com si mesmo.  “Para Francisco, dar aos pobres significa restituir (Adm 6, 7, 21). O mais importante não é ter algo para dar. A solidariedade se expressa principalmente em estar com o outro, estar com os pobres”, disse Frei John.

O frade descreveu 8 princípios válidos não apenas para os frades, mas para todos aqueles a quem Deus deu recursos para partilhar:

A lógica da retribuição: uma vida enraizada na correta gestão dos bens, reconhecendo que todo o que temos e somos é um presente de Deus e somos simplesmente administradores, usuários temporais.

A transparência: o compromisso de ser francamente aberto e honesto sobre quem somos, o que e quanto temos.

A responsabilidade: a necessidade de informar com precisão e veracidade sobre como utilizamos os recursos que nos foram confiados como administradores.

A justiça: um valor impulsionado pela transparência e pela responsabilidade. A justiça não se refere a igualdade, onde todos são iguais, mas a justiça consiste em dar e receber segundo os próprios dons e as necessidades individuais.

A simplicidade: a capacidade de viver de acordo com nossas necessidades, saber o que é suficiente, evitar a tendência humana de acumular, sejam elas coisas, edifícios, propriedades, dinheiro, fundos.

As relações: o núcleo do que somos e, por isso, algo fundamental em todos estes valores. A consciência de que não estamos sozinhos, de que estamos neste projeto de vida juntos.

O trabalho: trabalhemos sem evitar o trabalho manual, trabalhamos com nossas mãos.

O sacrifício: estar disposto a renunciar a tudo o que temos e tudo o que somos para o bem do próximo.

Inserção na realidade local
Durante o fim de semana, os frades que participam do CPO aproveitaram para visitar a terceira maior favela do mundo, a comunidade de Kibera, em Nairóbi, onde vivem cerca de 2,5 milhões de moradores. Os frades visitaram a fraternidade dos Missionários da Consolata, que atuam no local.

No domingo, os frades visitaram o Parque Nacional de Nairóbi. Frei Alvaci Mendes da Luz destacou a proximidade do local com a cidade, já que o parque fica 7km de distância da capital e, com o avanço da cidade, o local ficou bem próximo ao centro urbano.

Os frades encerraram o último fim de semana do CPO com a celebração eucarística.

Érika Augusto, com informações de Frei Alvaci Mendes da Luz