Vida CristãFrei AlmirO Sabor da Palavra › 17/08/2013

Palavras de despedida de um zeloso pastor

Josué 24, 14-29; Mateus 19, 13-15

Todos somos gratos aos pastores que nos levam para o coração do mistério de Deus com suas palavras, seus empenhos e seu zelo.  Ai de nós se não tivéssemos tido, ao longo da vida, pessoas que, em nome do Senhor, nos tivessem mostrado os caminhos da vida.  A leitura do livro de Josué hoje proclamada  consiste numa grande, bela e severa exortação de um zeloso pastor.  Tudo leva a crer que o povo andava hesitando, fraquejando.  O pastor então fala com firmeza.  Assim ela poderia falar:

“O que tenho ainda a dizer-lhes?  Que todos temam o Senhor, respeitem seu nome,  sirvam-no com um coração íntegro e sincero.  Não basta estar diante do Senhor com cítaras, cantos e belas palavras se estas não brotarem do coração.  Tenho um pedido a lhes fazer.  Abandonem esses deuses mentirosos aos quais vocês serviram na Mesopotâmia, no Egito.  A impressão que tenho é que seus corações andam claudicando.  Necessário fazer uma escolha. Ou o Senhor, ou os deuses dos pais de vocês. O que eu tenho a lhes dizer é isso: eu e minha família só serviremos o Senhor.  Desejamos nos impregnar  da força do Altíssimo e não temos vontade de queimar incenso a deuses falsos.  Nunca transformaremos  sucesso, poder, dinheiro em deuses.  Nosso Deus é puro espírito e nos enche com sua força.  Repito: eu e minha família serviremos o Senhor”

O povo faz um ato de fé.  “Longe de nós abandonarmos  o Senhor para servir a deuses estrangeiros.  Mesmo caminhando na escuridão aparente  somos iluminados pela fé que, por vezes, é uma leve  chama.  Não queremos ser infiéis ao  Senhor.  Quantas  lembranças temos do Senhor.  Ele  nos tirou da terra da escravidão, a nós, nossos pais.  Ele nos guiou por ásperos caminhos. E foram muitas as terras que atravessamos e povos que nos deixaram a estrada aberta.  Tudo isso foi obra do Senhor”,       Josué, tendo ouvido a resposta, insiste ainda: “ Na verdade, é bom ouvir esse ato de confiança da parte de vocês.  Que vocês tirem do meio de vocês todos os deuses estrangeiros  e inclinem o coração de vocês para o Senhor”.

E houve uma renovação da Aliança com o povo. E o povo respondeu: “Serviremos ao Senhor, nosso Deus,  e seremos obedientes aos seus preceitos”.

“Naquele dia, Josué estabeleceu uma  aliança com o povo e lhes propôs  preceitos e leis em Siquém.  Josué escreveu  essas palavras  no livro da  lei de Deus.  A seguir,  tomou uma grande pedra e levantou-a ali, debaixo do carvalho que havia no santuário do  Senhor.  Então Josué disse ao povo:  Esta pedra que estás vendo servirá de testemunho  contra vós, pois ela ouviu todas as palavras que o Senhor vos disse, para que depois não possais renegar o Senhor vosso Deus”.

A pedra havia ouvido a declaração do povo aderindo ao Senhor!

E foram os últimos dias de Josué.  “Depois desses acontecimentos, morreu  Josué, filho de Nun, servo do  Senhor, com a idade de cento e  dez anos”.

São as palavras de despedida de um zeloso pastor!

Frei Almir Ribeiro Guimarães