13/10/2011

FREI FREI CONSTANTINO KOSER, OFM

* 09.05.1918               †19.12.2000

Nasceu no dia 9 de maio de 1918, em Curitiba, Estado do Paraná, Brasil.Estudos primários no Colégio Bom Jesus, em Curitiba e, a partir de 1929 completou os estudos secundários no Seminário franciscano do Rio Negro, Estado do Paraná. No dia 20 de dezembro de 1934 ingressou no Noviciado, em Rodeio, Estado de Santa Catarina. No dia 20 de dezembro de 1935 fez a Profissão simples, em Rodeio. Nos anos 1936 e 1937 estudou filosofia em Rodeio e Curitiba. Nos anos 1938 a 1941 estudou teologia, em Petrópolis, Estado do Rio de Janeiro. No dia 10 de maio de 1939 fez a Profissão Solene. No dia 12/07/1941 foi ordenado sacerdote, em Curitiba.

Determinado pelos Superiores aos estudos especiali-zados de teologia, teve de interrompê-los para assumir a cátedra de Teologia vaga em Petrópolis por enfarto do professor, exatamente no início do ano letivo.

Leciona Teologia em Petrópolis de 1943 a 1950. Especializa-se em Teologia em Freiburg, na Alemanha, e defende tese doutoral suma cum laude no dia 22 de maio de 1953. Retorna ao Brasil.

Professor de Teologia em Petrópolis de agosto de 1953 a maio de 1963.

Em Petrópolis: Diretor do Departamento de Catequese da Diocese. Assistente da Juventude Estudantil Feminina da Diocese. Fundador do curso de Iniciação Teológica (CIT) para religiosas e leigos, o primeiro desse gênero no Brasil, que durou até os anos do pós-Concílio, quando se abriram os cursos oficiais de teologia também para religiosas e leigos. Conferencista. Participou como conferencista de todo o movimento teológico assun-cionista e os vários Congressos, inclusive assistiu à Proclamação do Dogma, em novembro de 1950. Em julho de 1956 recebeu o título de “Lector Generalis” da parte da Ordem. Em julho de 1958 foi nomeado Membro da Pontifícia Academia Mariana Internacional. Em janeiro de 1956 foi eleito Definidor (Conselheiro) na sua Província franciscana, a Província da Imaculada Conceição. Reeleito Definidor provincial em janeiro de 1959. Organizou e executou o primeiro congresso teológico brasileiro, em Salvador (Bahia) em janeiro de 1956.

Em maio de 1963 foi eleito Definidor Geral para a América Latina. Em Roma, participou das reuniões teológicas dos Bispos brasileiros durante o Concílio. Foi assessor pessoal do então Ministro Geral da Ordem, Frei Agostinho Sépinski, para assuntos do Concílio (Sépinski era “Padre Conciliar”).

No dia 3 de novembro de 1965, tendo sido Sépinski nomeado bispo e Delegado Pontifício, foi eleito pelo Definitório geral Vigário Geral da Ordem para terminar o mandato de Sépinski. Foi nomeado “Padre Conciliar” na Quarta Sessão do Concílio. Preparou e executou o Capítulo Geral da Ordem em maio de 1967 e foi eleito Ministro Geral. Participou com voz e voto, eleito pela União dos Superiores Gerais, como representante dos religiosos nos Sínodos de 1967 (o primeiro), 1971, 1974, 1977.

Preparou e executou o Capítulo extraordinário da Ordem em Medellin, em 1971. Preparou e executou o Capítulo eletivo de Madri, em 1973, quando reeleito Ministro Geral da Ordem. Preparou e executou o Capítulo extraordinário de Assis em 1976, comemorativo dos 750 anos da morte de São Francisco. Nomeado pelo Papa membro, com voz e voto, da Conferência de Puebla, México, 1979. Termina, por força dos Estatutos, seu segundo mandato de Geral no Capítulo de Assis, celebrado em Pentecostes de 1979.

Retorna à Província e passa a morar em Petrópolis. Pregador de retiros, orientador de Capítulos gerais e provinciais. Num Capítulo de uma Congregação franciscana colombiana, em Bogotá, recebeu por emergência um marca-passo. Embora o marca-passo lhe seja necessário, nunca se deu bem com ele. Passou a ter tonteiras, contínua sonolência e dores de cabeça. Teve de recolher-se e não mais aceitar compromissos.

Autor de vários livros, além das Encíclicas como Ministro geral. Particularmente conhecidos são: O Pensamento Franciscano, A coisa com Deus, Como vejo a Ordem hoje, traduzidos em todas as línguas modernas. Tem em torno de 15 mil páginas datiloscritas, frutos de sua meditação diária. É doutor Honoris Causa por quatro universidades.

Leia mais sobre Frei Constantino neste link