Pobreza atinge mais de 700 milhões de pessoas no mundo

A desigualdade no mundo

Neste momento, o 1 % mais rico da população mundial possui a mesma riqueza que os outros 99%, e apenas oito bilionários possuem o mesmo que a metade mais pobre da população no planeta (1). Por outro lado, a pobreza (2) é realidade de mais de 700 milhões de pessoas no mundo. Trata-se de uma situação extrema.

A desigualdade e a pobreza não são inevitáveis. São, antes de mais nada, produtos de escolhas políticas injustas que refletem a desigual distribuição de poder nas sociedades. Mudar essa realidade requer novas escolhas políticas, reiteradas ao longo do tempo, e sustentadas por uma sociedade com igual acesso à democracia.

Após décadas de trabalho – e de notáveis avanços – no combate à pobreza, tivemos um aprendizado valioso: não é possível erradicar a pobreza no mundo sem reduzir drasticamente os níveis de desigualdade. Níveis extremos de desigualdade interferem na capacidade do Estado e da sociedade redistribuírem renda, erguendo barreiras à mobilidade social e mantendo parcelas da população à margem da economia.

Entre 1990 e 2013, quase um bilhão de pessoas deixaram a condição de pobreza (3), ou seja, passaram a viver com mais de US$ 1,90 por dia – critério que, apesar de usual, é pouco ambicioso. Calcula-se que outras 200 milhões de pessoas poderiam ter tido igual destino se, no mesmo período, o crescimento médio da renda dos mais pobres fosse superior ao crescimento médio da renda dos mais ricos (4), reduzindo as distâncias entre a base e o topo da pirâmide social.

Em setembro de 2015, os países reunidos na 70ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) acordaram uma nova agenda de desenvolvimento até 2030 – os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – reforçando o compromisso de erradicação da pobreza no mundo. Um dos grandes avanços nessa agenda em relação aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) é o estabelecimento de um objetivo para redução de desigualdades econômicas, o ODS 105, que prevê medidas para uma economia mais inclusiva até 2030. Trata-se de um objetivo que requer grande ambição prática e compromisso político.

Segundo projeções do Banco Mundial, entre 2010 e 2030, ainda que os 40% mais pobres tenham um incremento de renda 2% acima da média geral anual, restariam em todo o mundo cerca de 260 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza (6). Reside aqui o tamanho de nosso desafio para a próxima década: fazer com que os mais pobres se apropriem das maiores parcelas de crescimento econômico, reduzindo o abismo que divide sociedades e compromete democracias no mundo.

______________

NOTAS
1 OXFAM. 2017. “Uma Economia para os 99%”. Disponível em https://www.oxfam.org.br/publicacoes/uma-economia-para-os-99. Acessado em 07/09/2017
2 BANCO MUNDIAL. 2013. “Poverty and Equity Data”. Disponível em http://povertydata.worldbank.org/poverty/home/. Acessado em 20/06/2017
3 BANCO MUNDIAL. 2013. “Poverty and Equity Data”. Disponível em http://povertydata.worldbank.org/poverty/home/. Acessado em 04/09/2017
4 HOY, C. e SAMMAN, E. 2015. “What if growth had been as good for the poor as everyone else”, Overseas Development Institute.
5 ONU Brasil. “Objetivo 10. Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles”. https://nacoesunidas.org/pos2015/ods10/ Acessado em 5/9/2017
6 LAKNER, C., NEGRE, M. & PRYDZ, E. B. 2014. “Twinning the goals: How can promoting shared prosperity help to reduce global poverty”. Policy Research Working Paper 7106. Banco Mundial.
Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/pt/816921468339602084/pdf/WPS7106.pdf. Acessado em 07/09/2017