O CarismaNotícias › 08/06/2018

Antônio sabia que no coração humano existe fome de amor

trezena_080618_1

Frei Augusto Luiz Gabriel

São Paulo (SP) – O 8º dia da Trezena de Santo Antônio no Santuário e Convento São Francisco teve como tema: “Santo Antônio, o Pão do Amor”. Nesta sexta-feira, 8 de junho, a Celebração Eucarística presidida por Frei Diego Atalino de Melo e concelebrada pelo diácono Frei Marx Rodrigues dos Reis, realizou-se às 15 horas e contou com fiéis e devotos não só de Santo Antônio, mas também do Sagrado Coração de Jesus. O celebrante iniciou a celebração colocando no altar de Deus as intenções pelo Dia Mundial de Oração pela Santificação dos Sacerdotes.

“Se é do coração do homem que sai as melhores coisas e os mais nobres sentimentos, é também de lá que saem tantas coisas que agravam o nosso Senhor. Reconheçamos o que torna o nosso coração duro e nos afasta do amor de Jesus”, motivou Frei Diego.

Frei Diego explicou a solenidade do Sagrado Coração de Jesus voltando ao século XVI, o tempo em que houve a revelação do Sagrado Coração de Jesus a Santa Margarida Alacoque. Naquele tempo havia uma heresia chamada jansenismo, criada pelo bispo holandês Cornelius Otto trezena_080618_2Jansenius. Este movimento pregava uma religião fria, dogmática, uma religião e um Deus distante das pessoas. “Ele era tão rígido nas suas pregações que dizia que muito dificilmente alguém conseguiria chegar à graça da salvação. Pregava e impunha aos fiéis este rigorismo. Ele incentivava a comunhão espiritual porque era muito difícil alguém estar em estado de graça. Na visão dele, quase ninguém merecia se aproximar do Santíssimo Sacramento. Dizia inclusive que o sacramento da reconciliação não apagava os pecados e que na verdade, além da confissão, precisaríamos fazer ainda muitas obras de reparação. Era extremamente rigorista como se Deus fosse punitivo, e que nós os seus filhos, devêssemos viver a vida toda com medo. Foi uma heresia que, inclusive, depois a Igreja condenou por não ser o verdadeiro Evangelho de Jesus”, explicou o celebrante.

Jesus se revelou a Santa Margarida, com um coração aberto e chagado, e pediu que ela difundisse por toda a terra que o coração Dele não é duro, que Ele é Deus, mas Ele é também homem. Foi neste contexto – explicou o frade – que tivemos a revelação do Sagrado, tão difundida na Igreja e hoje elevada a solenidade.

Segundo ele, quando falamos de coração, não falamos apenas do músculo que vai bombeando sangue. “O coração tem tantos sentidos metafóricos… falar de coração significa falar daquilo que é essencial, falar de coração significa falar de vida, falar de coração significa falar de caráter, de índole, de sentimento, de nobreza, ou também o contrário disto tudo. Falar de coração significa falar do âmago das pessoas de onde saem muitas coisas boas e também ruins e negativas”, acentuou.

Frei Diego chamou a atenção para a beleza desta celebração. “Olha que coisa bonita: Nosso Senhor quis se mostrar como um Deus que tem um coração. E o Evangelho de hoje nos diz que Jesus, quando estava lá no alto da Cruz, teve seu lado aberto de onde jorrou água e sangue. A princípio não há nada de extraordinário nisso. O extraordinário está exatamente em Jesus nos mostrar que Ele, lá na cruz, é Homem, é um ser humano como todos nós, que temos um coração igualzinho ao Dele e que se furarem o nosso coração vai jorrar sangue e água também”, refletiu.

“Jesus quer nos mostrar que assim como o coração Dele jorrou sangue e água, e mais do que isso, que o coração Dele foi o templo dos mais nobres sentimentos, das mais nobres intenções, o seu coração, o meu coração, o nosso coração também pode ser este sacrário que guarda as coisas mais nobres. É isto que Jesus esta querendo mostrar em cada um de nós”, destacou o pregador.

Para Frei Diego, falar de coração, falar da nobreza e grandiosidade que todo ser humano possui, significa falar de um desejo que todo ser humano tem de amar e ser amado.

trezena_080618_3

“Hoje nesta Trezena, a proposta que Santo Antônio nos traz é de apresentar o pão do amor. Santo Antônio sabia que não bastava dar somente alimento material para as pessoas, ele sabia que no fundo do coração humano existe fome de amor. Por isso, ele nos apresenta também este pão do amor. Ele sabia muito bem que este pão do amor era e é entregue através dos gestos de humanidade, cordialidade, respeito, educação. Ele como um bom franciscano entendeu a mística e a profundidade da encarnação de um Deus que se fez homem como nós. Não de um Deus lá das alturas, distante e diante do qual muitas pessoas tinham medo, não! Santo Antônio apresenta este Deus encarnado em Jesus, através do amor. E para falar deste amor de Jesus, Santo Antônio certamente nos remete à Palavra, à Sagrada Escritura”, ressaltou.

Retomando a 1ª Leitura da liturgia do dia, Frei Diego disse que o jeito de amar de  Deus e como uma mãe que nos acaricia e oferece amor. “E Santo Antônio nos mostra que diante de Jesus nós não podemos e não devemos ter medo. Diante do coração aberto, existe lugar para nós nos achegarmos e nos escondermos”, frisou.

Segundo o pregador, São João apresenta um belo Evangelho. “Ele, mais do que ninguém, sabia muito bem como era o coração de Jesus. Aquele discípulo que tinha ouvido o coração de Jesus bater e entendia bem qual era sintonia e o jeito de ser do coração de Jesus, percebeu e narrou para nós neste Evangelho que aquele coração que foi pregado na cruz era um coração humano que jorrou sangue e água”, sublinhou.

“Irmãos e irmãs, parece coisa boba, mas está mais do que na hora de resgatarmos a cordialidade, simpatia, delicadeza, amor, respeito. Essas virtudes tão humanas que estão carregadas de amor e do modo de ser do Coração de Jesus”, concluiu, pedindo: Que o Sagrado Coração de Jesus nos ajude a sermos como o coração Dele. Que o Sagrado Coração de Jesus nos ensine a sermos peritos em humanidade!

Após a comunhão, Frei Diego convidou todos a cantarem uma estrofe da música ‘Coração Santo Tu Reinaras’  (VÍDEO ACIMA) lembrando que a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus é também o Dia Mundial de Oração pela Santificação dos Sacerdotes. E, após a bênção com o relicário de Santo Antônio, Frei Marx aspergiu os presentes com água benta.

Neste sábado, a Trezena de Santo Antônio será às 15 horas e contará com o tema: “Santo Antônio o Pão do Perdão”. Além da Trezena, a partir das 11h até às 19h, na praça em frente ao convento acontecerá a Festa Junina.

VEJA MAIS IMAGENS